Outubro de 2008 é um momento que permeia o imaginário brasileiro. Se “Linha Direta” ainda fosse um programa em exibição, o que aconteceu no conjunto habitacional do Jardim Santo André, no ABC Paulista, seria pauta para um ou alguns episódios. Coloco no plural, porque a discussão levantada por Lívia Perez em “Quem Matou Eloá?” abre margens para isso.

Lançado em 2015, o documentário apresenta uma análise crítica sobre a espetacularização da violência e a abordagem da mídia televisiva nos casos de violência contra a mulher, utilizando a situação como exemplo.

Eloá Pimentel, uma adolescente de 15 anos, foi feita refém e mantida em cárcere privado pelo ex-namorado, Lindemberg Alves, de 22 anos, no apartamento em que morava com a família, durante cinco dias. O crime foi amplamente acompanhado pelos canais de televisão, chegando a ter entrevistas ao vivo com Lindemberg direto do cativeiro.

Os homens que não amavam as mulheres

Segundo o Mapa da Violência de 2015, o Brasil é o quinto país em que mais se mata mulheres no mundo. Esse é um dado alarmante, porém, comprovado sempre que assistimos aos telejornais e observamos os principais sites de notícias; lembro bem de um início de ano em que, por três meses consecutivos, todos os dias noticiava-se a morte de uma mulher vítima de seu companheiro. Naquele tempo, poderia não estar evidente, hoje, no entanto, os elementos que compõe algumas raízes do feminicídio são escancaradas no caso de Eloá.

A adolescente e seu algoz viviam em uma relação de idas e vindas. Quando Eloá decidiu dar um basta nisso, ele começou a persegui-la, chegando a agredi-la fisicamente. Nenhuma queixa foi feita e, na época, foi sugerido que os dois retomassem o namoro como forma de acabar com a situação. Além de absurda, essa colocação assume indagações sobre relacionamentos, obsessão e controle.

Afinal, sendo Eloá menor de idade e vítima da situação, por que deveria aceitar um sentimento doentio e obsessivo? As respostas foram dadas na época e estão presentes no documentário por meio da visão midiática ofertada ao caso.

Nesse período do ano, o nome de Eloá aparece como trends topics no Twitter e, ao lado dele, o de Sonia Abrão. Isso acontece porque a apresentadora da Rede TV! foi uma das pessoas que telefonou para o sequestrador ao vivo e conduziu a conversa como se estivesse falando com um ex-participante de reality show, tratando-o como bom rapaz, trabalhador e um apaixonado em busca de uma segunda chance. Por mais que relembrar isso seja chocante, devo salientar que o comportamento da jornalista não mudou, visto o tempo de defesa que usou para um participante do reality “A Fazenda” expulso por assédio sexual, recentemente.

Black Mirror Jornalístico

O quadro apenas confirma o machismo ancorado à sociedade brasileira em que uma adolescente vítima pode continuar presa a uma relação tóxica e um homem adulto é tratado como menino ingênuo. Perez mostra como essa visão está espelhada no jornalismo e assume a posição de crítica da imprensa. Embora Sonia Abrão seja mais lembrada, o documentário recupera imagens, situações e diálogos feitos pelos jornalistas que cobriram o caso.

Para analisar o papel da imprensa, a diretora dá espaço a uma professora de Jornalismo, uma defensora pública que atua na área de defesa dos direitos das mulheres e o promotor de Justiça envolvido no caso à época que, inclusive, fez críticas públicas à imprensa logo após a morte de Eloá.

A conduta midiática do caso é um outro exemplo do que não se fazer. Entre ligações diretas para o sequestrador, houve jornalistas que se colocaram como representantes da família do agressor, negociadores e até mesmo expuseram a estratégia da polícia como furo de reportagem.

O preço de uma vida

O comportamento irregular e irresponsável soa como se em momento algum a vida de Eloá realmente importasse mais do que empresas de comunicação, carreiras e manutenção de empregos. Vale lembrar, como salienta o promotor de justiça no documentário, que a polícia se aproveitou do sensacionalismo midiático para invadir o apartamento no momento em que havia maior audiência. Tais atitudes não apenas ofereceram riscos a operação, mas também expuseram e banalizaram a violência presente ali.

Algo que precisa ser pensado, diante de tudo isso, é o fato de Eloá pertencer a uma família de classe baixa, sem acesso a advogados e sem condições de exigir da polícia e da mídia que não exponha sua filha. Se Eloá fosse uma garota rica, a exposição seria a mesma?

Infelizmente, ainda há um longo percurso social para que se compreenda os diversos tipos de violência de gênero existentes em uma sociedade conservadora como a brasileira. “Quem matou Eloá?” é um retrato disso. Uma pequena mostra de como a banalização da vida acontece diante dos nossos olhos e tem a nossa participação omissa ou como espectadores atentos. Mais de uma década do ocorrido, a tragédia ainda ecoa e os culpados permanecem repetindo os mesmos papéis.

O Feminismo em filmes coming-of-age: ‘Moxie’ e ‘Fora de Série’

Ninguém nasce mulher: torna-se mulher.Tomando a frase que abre este texto como pressuposto, fica a pergunta: quando foi a primeira vez que você se deu conta de ser (ou não ser) uma mulher? Embora a sociedade pregue ideais de igualdade, crescer sob a tutela do gênero...

‘A Amiga Genial’ – Cinco Motivos que Tornam a Série Indispensável

A voz de Alba Rohrwacher nos leva a um passeio pelas ruas de Nápoles. Localizada entre o Vesúvio e o Mar Mediterrâneo, a cidade é conhecida pela sua culinária e por representar culturalmente o sul da Itália - tanto por suas características positivas quanto negativas....

‘Carne’: a difícil realidade de ser uma mulher em premiado curta

“Toda mulher não vive o corpo que ela tem” Em uma sociedade fundamentada em conceitos patriarcais, a mulher precisa encaixar-se no padrão pré-estabelecido. E, quando isso não acontece, ela se torna objeto de violência até mesmo entre as pessoas do mesmo sexo. Camila...

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...