Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público com suas personagens, as quais passam por demasiadas situações e reviravoltas nos seis episódios da temporada. Porém, mesmo com seu lado disfuncional, a série continua sendo uma ótima experiência para seu público. 

Após o término dramático da primeira fase, o grupo de amigas liderado por Malu (Maria Casadevall) passa a lidar com as mudanças de cada uma. A própria protagonista precisa se recuperar fisicamente ao mesmo tempo em que seu marido volta para tomar seu clube de música. Por outro lado, Adélia (Pathy Dejesus) marca a data de seu casamento com Capitão (Ícaro Silva) enquanto sua irmã, Ivone (Larissa Nunes), permeia entre o sonho como cantora e a realidade como mulher negra independente na década de 1960. Já Thereza (Mel Lisboa) mantém a posição de mulher liberal com sua volta para o mercado de trabalho. 

Mesmo com um elenco extenso, os maiores destaques de ‘Coisa Mais Linda’ seguem sendo Adélia e Malu, as quais passam por muitas reviravoltas. Na intenção de deixar a história interessante, algumas subtramas são desenvolvidas e encerradas em questão de poucas cenas, algo que poderia ser desenvolvido com maior atenção. Exemplo disso é a doença de Adélia, a qual torna-se uma solução fácil para uma problemática pessoal e o surgimento de um vereador na vida de Malu, o que serve apenas para ser mais um obstáculo em sua trajetória. 

Assim, de maneira geral, a temporada abraça muitas histórias para suas personagens, o que é positivo para o ritmo incansável, mas nada eficaz quando pensamos na falta de densidade dessas narrativas. Os consecutivos plots twists não são capazes de animar tanto quanto o ineditismo da primeira temporada, entretanto, ainda existem outras facetas de suas personagens que ganham o destaque merecido e marcam positivamente a nova fase. 

Personagens e sonhos 

Se, por um lado, as novas narrativas das personagens não possuem densidade, por outro, a constante busca por independência e sonhos se mantém mais forte que nunca. Antes, o grupo de amigas descobria muito mais do que beleza nas mulheres, agora, a intenção é ter sonhos maiores para si mesmas, tudo bem delineado em grandes e certeiros diálogos. 

Com pequenas alterações no elenco principal, Ivone é a grande beneficiada e se destaca positivamente. Apesar de sua construção ser muito parecida com a de Lígia (Fernanda Vasconcellos), Ivone apresenta novas temáticas para a série e aprofunda o debate sobre racismo já levantado por Adélia. 

Assim como a determinação de Malu, Adélia e Thereza, o amor pela bossa nova e pelo Rio de Janeiro voltam como ótimos cenários de suas histórias. Apesar da trilha sonora ser geralmente voltada para momentos mais românticos, ela também surpreende ao marcar presença em cenas dramáticas, beneficiando bastante a construção dos momentos mais densos. Da mesma forma, o design de produção continua como grande aliado da série sendo notório nas transformações de seus personagens. 

No geral, a segunda temporada de ‘Coisa Mais Linda’ consegue consolidar a série de forma bem sucedida apesar de seus erros pontuais. O gancho para a terceira temporada, mesmos se tratando de um clichê previsível, aponta para a grande possibilidade de uma boa trama e, quem sabe, um ótimo desfecho para a produção antes que seja altamente saturada. Afinal, como eu disse lá em cima, ‘Coisa Mais Linda’ é uma ótima produção da Netflix, um elogio que já vale muitíssimo ultimamente. 

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...

‘A Superfantástica História do Balão’: as dores e delícias da nostalgia

Não sou da época do Balão Mágico. Mesmo assim, toda a magia e pureza desse quarteto mais que fantástico permeou a infância da pessoa que vos escreve, nascida no final daquela década de 1980 marcada pelos seus excessos, cores vibrantes, uma alegria sem igual e muita...