Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público com suas personagens, as quais passam por demasiadas situações e reviravoltas nos seis episódios da temporada. Porém, mesmo com seu lado disfuncional, a série continua sendo uma ótima experiência para seu público. 

Após o término dramático da primeira fase, o grupo de amigas liderado por Malu (Maria Casadevall) passa a lidar com as mudanças de cada uma. A própria protagonista precisa se recuperar fisicamente ao mesmo tempo em que seu marido volta para tomar seu clube de música. Por outro lado, Adélia (Pathy Dejesus) marca a data de seu casamento com Capitão (Ícaro Silva) enquanto sua irmã, Ivone (Larissa Nunes), permeia entre o sonho como cantora e a realidade como mulher negra independente na década de 1960. Já Thereza (Mel Lisboa) mantém a posição de mulher liberal com sua volta para o mercado de trabalho. 

Mesmo com um elenco extenso, os maiores destaques de ‘Coisa Mais Linda’ seguem sendo Adélia e Malu, as quais passam por muitas reviravoltas. Na intenção de deixar a história interessante, algumas subtramas são desenvolvidas e encerradas em questão de poucas cenas, algo que poderia ser desenvolvido com maior atenção. Exemplo disso é a doença de Adélia, a qual torna-se uma solução fácil para uma problemática pessoal e o surgimento de um vereador na vida de Malu, o que serve apenas para ser mais um obstáculo em sua trajetória. 

Assim, de maneira geral, a temporada abraça muitas histórias para suas personagens, o que é positivo para o ritmo incansável, mas nada eficaz quando pensamos na falta de densidade dessas narrativas. Os consecutivos plots twists não são capazes de animar tanto quanto o ineditismo da primeira temporada, entretanto, ainda existem outras facetas de suas personagens que ganham o destaque merecido e marcam positivamente a nova fase. 

Personagens e sonhos 

Se, por um lado, as novas narrativas das personagens não possuem densidade, por outro, a constante busca por independência e sonhos se mantém mais forte que nunca. Antes, o grupo de amigas descobria muito mais do que beleza nas mulheres, agora, a intenção é ter sonhos maiores para si mesmas, tudo bem delineado em grandes e certeiros diálogos. 

Com pequenas alterações no elenco principal, Ivone é a grande beneficiada e se destaca positivamente. Apesar de sua construção ser muito parecida com a de Lígia (Fernanda Vasconcellos), Ivone apresenta novas temáticas para a série e aprofunda o debate sobre racismo já levantado por Adélia. 

Assim como a determinação de Malu, Adélia e Thereza, o amor pela bossa nova e pelo Rio de Janeiro voltam como ótimos cenários de suas histórias. Apesar da trilha sonora ser geralmente voltada para momentos mais românticos, ela também surpreende ao marcar presença em cenas dramáticas, beneficiando bastante a construção dos momentos mais densos. Da mesma forma, o design de produção continua como grande aliado da série sendo notório nas transformações de seus personagens. 

No geral, a segunda temporada de ‘Coisa Mais Linda’ consegue consolidar a série de forma bem sucedida apesar de seus erros pontuais. O gancho para a terceira temporada, mesmos se tratando de um clichê previsível, aponta para a grande possibilidade de uma boa trama e, quem sabe, um ótimo desfecho para a produção antes que seja altamente saturada. Afinal, como eu disse lá em cima, ‘Coisa Mais Linda’ é uma ótima produção da Netflix, um elogio que já vale muitíssimo ultimamente. 

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...