Sou apaixonada por reality shows. Gosto de acompanhar a trajetória dos concorrentes, analisar suas participações, discutir sobre o programa – no Twitter e na roda de amigos – e contemplar artistas muito bons alcançarem a oportunidade que desejavam. Essas atividades são os elementos que tornam apreciável assistir “Festival Eurovision da Canção – A Saga de Sigrit e Lars”, longa-metragem disponível na Netflix.

Dirigido por David Dobkin (“O Juiz”, “Eu Queria Ter a Sua Vida”), a produção conta a história de Sigrit (Rachel McAdams) e Lars (Will Ferrell), que juntos formam a Fire Saga. Desde criança, eles sonham em participar do Eurovision, considerado o maior festival musical da Europa, mas são desacreditados pelas pessoas de sua pequena cidade na Islândia. Como, na maioria das paródias, eventos inusitados os levam ao palco da competição e a uma breve análise sobre suas vidas.

A História do Festival

Um fenômeno na TV européia e o evento não esportivo de maior audiência mundial, o Eurovision atinge anualmente cerca de 190 milhões de espectadores no mundo todo. O festival funciona basicamente como um reality musical que reúne representantes de toda a Europa, avaliados pelos votos do público e dos jurados convidados. Cada país indica seu representante – alguns como Portugal e Itália, inclusive, possuem eliminatórias – que vão passando por fases até chegarem à final.

O festival surgiu com o propósito de integrar os países europeus após a Segunda Guerra Mundial em uma noite na qual todos deixam de lado suas diferenças culturais e políticas. Curiosamente, o filme de Dobkin estreia no momento em que o festival foi cancelado devido à pandemia de Covid-19.

Diferentemente do que vemos nos reality shows no novo mundo, os competidores do Eurovision costumam ser artistas já consagrados em seus países, o que não deixa de ser, em todo caso, uma vitrine do que está sendo tendência na Europa. Em meio à competição, o importante é a jornada e não o fim. E é sobre esses caminhos que a saga de Sigrit e Lars tenta abordar.

Uma homenagem?

A principal questão é que o filme se pauta em ser uma paródia – do festival e dos musicais contemporâneos, no estilo de John Carney (“Mesmo se Nada Der Certo”, “Sing Street”). E é neste ponto que a produção derrapa: o resultado é uma comédia que tenta se equilibrar em uma linha tênue entre satirizar e exaltar o evento. Dessa forma, o roteiro escrito por Andrew Steele e Will Ferrell é construído com piadas de mau gosto e fora de tom e outras de cenas de puro encanto e êxtase.

A produção coloca em cena os principais elementos que tornam esse reality em específico um ícone: os bastidores das apresentações, as intrigas da coxia, número musicais pirotécnicos (e cafonas), apresentações que são um verdadeiro primor do entretenimento televisivo e músicas originais que emocionam e excitam. Não duvidaria se ‘Húsavik Song’, por exemplo, fosse indicada as premiações de 2021.

Se você quer imergir no clima do Eurovision, no entanto, o personagem de Dan Stevens é quem mais o personifica. Tanto a performance de “Lion of Love” quanto suas atitudes dúbias são um verdadeiro lembrete e presente para os fãs que estão com saudade do festival.  O personagem também é o responsável por nos presentear com uma das melhores sequências do filme: a performance de hits feitas por ex-competidores populares como ‘Conchita Wurst’ e ‘Netta Barzilai’.

WILL FERRELL E RACHEL ADAMS: PONTOS BAIXOS E ALTOS

Apesar de Ferrell ser um dos maiores incentivadores da produção, ele acaba sendo o ponto mais baixo da obra. Além da oscilação no roteiro, a composição do seu personagem é irritante e enfadonha. No geral, tanto Sigrit quanto Lars são deslocados, adultos com atitudes de adolescentes e presos aos anos 1980 em pleno 2020. Nesse emaranhado, no entanto, Rachel McAdams consegue ser o maior destaque de “Eurovision”: sua atuação nas músicas – na verdade, interpretadas pela cantora sueca Molly Sanden – e a ingenuidade da personagem emprestam o tom romântico que, além de ser um dos poucos acertos do roteiro, tem o timing cômico pontual sem apelar a exageros.

Infelizmente, fiquei com a sensação de que ela repete o papel que fez em “Te Amarei Para Sempre” (Robert Schwentke, 2009): a mulher fantástica que larga tudo por um homem medíocre ou que não vale tanto o seu esforço. Por mais corriqueiro que isso ainda seja no cinema, é extremamente desagradável.

“Eurovision” é uma experiência positiva para os amantes de reality show e comédia besteirol. Com certeza, vai te fazer matar a saudade desses queridos programas de entretenimento que estão suspensos devido à pandemia. Mas não é algo a ser levado a sério demais a não ser quando ouvimos a nota ‘Speog e os acordes de suas canções, até mesmo as mais satíricas como ‘Volcano Man’.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...