Após a excêntrica e divertida “Wandavision“, a política e reflexiva “Falcão e o Soldado Invernal“, a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU).

Entretanto, por conta do caráter introdutório, “Loki” acaba desperdiçando ótimos personagens que poderiam ter um melhor desenvolvimento no decorrer dos seis episódios da primeira temporada.

Viagem no tempo e ‘variantes’

A série inicia no momento exato em que Loki (Tom Hiddleston) consegue escapar com o Tesseract durante os eventos de “Vingadores: Ultimato” (2019). Porém, acaba sendo apanhado pelos agentes da Autoridade de Variância Temporal (AVT) – uma organização que tem como objetivo “manter a ordem” da linha do tempo – temática esta já abordada em séries como “Doctor Who” e “The Umbrella Academy”.

Logo de cara, somos apresentados ao personagem de Owen Wilson, um carismático agente da AVT que dedicou anos de sua vida estudando “variantes” como Loki. Acreditando no potencial do Deus da Trapaça, decide dar uma chance a Loki, caso ele o ajude na missão de capturar outra variante do próprio anti-herói (interpretada pela britânica Sophia Di Martino).

A premissa utilizada ao longo da série é um ótimo elemento que justifica a existência de outras versões de uma mesma pessoa em diferentes universos, o chamado “multiverso”.

Desequilíbrio no enredo

A abordagem escolhida pelo showrunner e principal roteirista, Michael Waldron, ao explorar um dos vilões mais queridos pelos fãs do MCU, navega em duas marés: reintroduzir um personagem com grande potencial em uma narrativa cheia de mistérios e segredos; e ambientar o espectador para as infinitas possibilidades que a Fase 4 do universo expandido da Marvel poderá trazer. E é justamente na tentativa de equilibrar estes dois norteadores da trama que Waldron se atrapalha.

Os momentos em que Waldron insere conceitos complexos como viagem no espaço-tempo, a existência de múltiplos universos e paradoxo temporal; tudo isso regado a uma direção de arte que reforça a estética retrofuturística consegue ser bastante satisfatório. Mas, quando a produção foca no desenvolvimento dos personagens e a motivação que move o arco de cada um – principalmente a da variante Sylvie – Waldron deixa a desejar.

Em alguns dos episódios, vemos extensos diálogos que tentam simplificar para o espectador o complexo universo em que Loki está inserido. E por perder tanto tempo nessa exposição, quem assiste pode correr o risco de se desinteressar pela série. Apesar disso, “Loki” consegue entregar ótimas cenas de ação em plano-sequência, adicionadas ao leve humor e os fanservices característicos da “fórmula Marvel“.

 Desfecho anticlimático

Talvez um dos pontos mais negativos desta primeira temporada é a sensação anticlimática que “Loki” causa. A série, desde o começo, desperta a sensação de que algo grandioso está para acontecer, porém quando o enredo chega no clímax, o espectador é inundando por uma grande onda de decepção.

Dirigida por Kate Herron, “Loki” é uma ótima série para os fãs ansiosos pelas próximas produções da Marvel nos cinemas. Embora a produção prepare o terreno para os eventos futuros que o MCU pretende desbravar, a série não faz juz ao próprio título, deixando de lado a proposta inicial que era explorar um personagem com grande potencial esquecido nos filmes.

Já confirmada para segunda temporada, a esperança que resta é de a série expandir a promissora narrativa que tem em mãos.

CRÍTICA | ‘Divertida Mente 2’ repete fórmula sem deixar de encantar

Crianças crescem e o grande mérito de Divertida Mente 2, sequência do querido filme animado dos estúdios Pixar e Disney de 2015, é ser orgânica e natural. Ora, no primeiro filme, as emoções que viviam na mente da garotinha Riley – especialmente a Alegria e a Tristeza...

CRÍTICA | ‘A Cápsula’: ficção científica distópica vinda do interior do Paraná não articula bem suas ideias cinematograficamente

Filme de intenções bem claras, "A Cápsula" parece se orgulhar muito de sua premissa, de sua trama, de seus simbolismos. Uma distopia de ficção científica filmada e ambientada em Maringá e em outros lugares do interior do Paraná. O que é interessante por si no papel,...

CRÍTICA | Tudo o que senti assistindo a ’13 Sentimentos’

O que é a vida senão o sentir? Enquanto estamos vivos, sentimos. Sentimentos bons, ruins, o sentir do não-sentir, enfim. Há muitos sentimentos envolvidos nas nossas experiências pessoais e coletivas. O fim de um término de um longo relacionamento manifesta os mais...

CRÍTICA | ‘Caminhos cruzados’: Levan Akin faz de história de procura de personagem desaparecida um filme de encontros

“Nada mudou”, diz o personagem de Lucas Kankava quando ele e Mzia Arabuli passam pelo prédio público que está na fronteira entre Geórgia e Turquia. Como se esperasse que, ao por os pés para fora do seu país, encontrasse ou sentisse algo de diferente. Como se a...

CRÍTICA | ‘Caixa de Areia’: filme gravado dentro do GTA filosofa sobre civilização fadada a repetir erros

Quando Marx fala da repetição da história como tragédia e depois como farsa, aposto que ele não tinha ideia de como ambientes virtuais do século XXI no capitalismo tardio fariam parte disso. Espaços. Ou melhor “espaços” que teoricamente não dependem das limitações...

CRÍTICA | ‘Lula’: estrutura protocolar não impede documentário de emocionar

“Lula” pode ser definido como um documentário protocolar que apresenta a figura de Luiz Inácio Lula da Silva ao mundo, mas não é como se ele precisasse disso. A história do metalúrgico que virou líder sindical e depois Presidente da República já seria irresistível de...

CRÍTICA | ‘Mallandro – O Errado Que Deu Certo’: pegadinha constrangedora de ruim

Eu não me lembro de ter encarado a saída de emergência de uma sala de cinema por tanto tempo e com tanta força antes.  A princípio a gente até acha que o problema de "Mallandro - O Errado Que Deu Certo" é um mero erro de cálculo. Isso porque, vá lá, a ideia de um...

CRÍTICA | ‘Os Paraísos de Diane’: potência inicial perde força em drama sobre depressão pós-parto

A unanimidade sobre “Os Paraísos de Diane” parece a de ser que ele começa muito bem. E começa mesmo. De um jeito muito seco e muito direto. Com uma cena de sexo. Um parto. E um abandono logo em seguida. Quando a protagonista que parecia bem com a sua gravidez não...

CRÍTICA | ‘Anora’: o encantamento em meio ao caos

Quando exibido no Festival de Cannes, “Anora” teve lá suas comparações com “Uma Linda Mulher”, e também assumo a culpa. Afinal, é a história de uma jovem stripper que se casa com um herdeiro. Mas, a despeito de talvez representar uma virada de chave na carreira de...

CRÍTICA | ‘Eu não sou tudo aquilo que quero ser’: o reconhecimento tardio de uma fotógrafa controversa

Pária no socialismo, pária no capitalismo, a fotógrafa Libuše Jarcovjáková é quase como a autora principal do próprio documentário “Eu não sou tudo aquilo que quero ser”. Feito essencialmente de suas fotografias. Com a sua narração. Com o seu diário como base. Em um...