Após a excêntrica e divertida “Wandavision“, a política e reflexiva “Falcão e o Soldado Invernal“, a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU).

Entretanto, por conta do caráter introdutório, “Loki” acaba desperdiçando ótimos personagens que poderiam ter um melhor desenvolvimento no decorrer dos seis episódios da primeira temporada.

Viagem no tempo e ‘variantes’

A série inicia no momento exato em que Loki (Tom Hiddleston) consegue escapar com o Tesseract durante os eventos de “Vingadores: Ultimato” (2019). Porém, acaba sendo apanhado pelos agentes da Autoridade de Variância Temporal (AVT) – uma organização que tem como objetivo “manter a ordem” da linha do tempo – temática esta já abordada em séries como “Doctor Who” e “The Umbrella Academy”.

Logo de cara, somos apresentados ao personagem de Owen Wilson, um carismático agente da AVT que dedicou anos de sua vida estudando “variantes” como Loki. Acreditando no potencial do Deus da Trapaça, decide dar uma chance a Loki, caso ele o ajude na missão de capturar outra variante do próprio anti-herói (interpretada pela britânica Sophia Di Martino).

A premissa utilizada ao longo da série é um ótimo elemento que justifica a existência de outras versões de uma mesma pessoa em diferentes universos, o chamado “multiverso”.

Desequilíbrio no enredo

A abordagem escolhida pelo showrunner e principal roteirista, Michael Waldron, ao explorar um dos vilões mais queridos pelos fãs do MCU, navega em duas marés: reintroduzir um personagem com grande potencial em uma narrativa cheia de mistérios e segredos; e ambientar o espectador para as infinitas possibilidades que a Fase 4 do universo expandido da Marvel poderá trazer. E é justamente na tentativa de equilibrar estes dois norteadores da trama que Waldron se atrapalha.

Os momentos em que Waldron insere conceitos complexos como viagem no espaço-tempo, a existência de múltiplos universos e paradoxo temporal; tudo isso regado a uma direção de arte que reforça a estética retrofuturística consegue ser bastante satisfatório. Mas, quando a produção foca no desenvolvimento dos personagens e a motivação que move o arco de cada um – principalmente a da variante Sylvie – Waldron deixa a desejar.

Em alguns dos episódios, vemos extensos diálogos que tentam simplificar para o espectador o complexo universo em que Loki está inserido. E por perder tanto tempo nessa exposição, quem assiste pode correr o risco de se desinteressar pela série. Apesar disso, “Loki” consegue entregar ótimas cenas de ação em plano-sequência, adicionadas ao leve humor e os fanservices característicos da “fórmula Marvel“.

 Desfecho anticlimático

Talvez um dos pontos mais negativos desta primeira temporada é a sensação anticlimática que “Loki” causa. A série, desde o começo, desperta a sensação de que algo grandioso está para acontecer, porém quando o enredo chega no clímax, o espectador é inundando por uma grande onda de decepção.

Dirigida por Kate Herron, “Loki” é uma ótima série para os fãs ansiosos pelas próximas produções da Marvel nos cinemas. Embora a produção prepare o terreno para os eventos futuros que o MCU pretende desbravar, a série não faz juz ao próprio título, deixando de lado a proposta inicial que era explorar um personagem com grande potencial esquecido nos filmes.

Já confirmada para segunda temporada, a esperança que resta é de a série expandir a promissora narrativa que tem em mãos.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...