Após a adaptação bem-sucedida da primeira temporada, ‘The Umbrella Academy’ dá continuidade à sua história se distanciando dos quadrinhos, mas, se aproximando da realidade com tramas sobre racismo e homofobia. Além de buscar maior engajamento com o público, o showrunner Steve Blackman aproveita a segunda temporada da série para elevar seus pontos positivos e construir personagens de forma coerente, criando uma temporada tão boa quanto a primeira. 

Em termos de construção narrativa, ‘The Umbrella Academy’ continua a seguir uma fórmula principal: todos os heróis da família Hargreeves começam a temporada separados e se juntam para impedir o fim do mundo. Embora a proposta não anime tanto quanto a primeira vez, os dez episódios fazem questão de se distanciar dos erros cometidos anteriormente. Assim, esta segunda temporada não se prende nem ao passado, muito menos às limitações em adaptar uma HQ, criando um novo olhar sobre ‘Dallas’, de Gerard Way e Gabriel Bá. Entretanto, sua essência futurista com personagens disfuncionais é elevada pelo forte visual dos anos 1960 ao som da trilha sonora eficaz. 

Tramas mais interessantes 

Ao viajarem no tempo para corrigir seus erros, os irmãos Hargreeves se perdem no início dos anos 1960, voltando a se encontrar dias antes do assassinato do presidente Kennedy. Assim, presentes em diferentes núcleos, os personagens apresentam evoluções consideráveis e tramas individuais mais interessantes que anteriormente. Exemplo disto é a história de Allison (Emmy Raver-Lampman) como ativista contra o racismo, assim como Vanya (Ellen Page) e Klaus (Robert Sheehan) lidam com romances LGBTs e a homofobia quando tais denominações nem sequer existiam. 

Por outro lado, Diego (David Castañeda), Luther (Tom Hopper) e Cinco (Aidan Gallagher) continuam presos na dinâmica familiar. Mas, ao menos, os três conseguem render ótimas cenas de ação e, assim como todo elenco, esbanjar uma dinâmica familiar interessante em momentos que alternam entre a tensão dramática e o humor desajeitado dos personagens. Assim, tanto em questionamentos pessoais quanto em relação a seus superpoderes, a Umbrella Academy consegue evoluir aos olhos do público. 

Já no que diz respeito aos vilões da série não existe tanta originalidade, salvo por Kate Walsh, a qual além de se manter interessante também conta com figurinos belíssimos e únicos. Ademais a personagem, Lila (Ritu Arya) e o trio assassinos suecos não anima tanto quanto o desejado, criando apenas empecilhos na história. Mas, olhando pelo lado efetivo de quem realmente causou mais danos aos personagens e atingiu diretamente suas histórias, o próprio Reginald Hargreeves e seu posicionamento como um pai exigente definitivamente é um bom contraponto ao grupo de heróis. 

Melhor que a primeira temporada? 

Apostando em outra época, o visual adotado é marcante e totalmente imersivo com direito a cenários, figurinos e efeitos visuais exemplares. Esse último quesito inclusive é muito importante para adaptar elementos mais futuristas e surreais da HQ como o personagem AJ e os poderes de Vanya. Isso, é claro, sem contar com o grande uso dos efeitos em cenas de luta sem deixar um aspecto robotizado ou irreal.   

Por sua vez, as cenas de ação sempre são fortemente marcadas pela direção de fotografia dinâmica, seguindo movimentos corporais dos personagens, e pela constante trilha sonora. Esse segundo elemento também é utilizado como forma de popularizar a série entre o público ao apresentar covers de artistas como Billie Elish e Adele, apelando também com canções originais da banda Kiss, Frank Sinatra e Aretha Franklin. A trilha é encarada de forma tão importante para a série que também vai para os diálogos de Klaus como ensinamentos para sua seita, rendendo até mesmo a grande sequência ao som de ‘everybody’ dos Backstreet Boys.   

De assassinatos ao som pop dos anos 1990 a cenas de protestos antirracistas, a segunda temporada de ‘The Umbrella Academy’ possui uma qualidade difícil de ignorar devido a narrativa que dialoga com diferentes tipos de espectadores. Ao melhorar os elementos utilizados anteriormente, a produção mantém um ritmo digno de maratona, sem ficar preso somente a um ou dois personagens, criando um incrível quebra-cabeça para ser desvendado da forma mais problemática, disfuncional e prazerosa possível. 

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...