Após a adaptação bem-sucedida da primeira temporada, ‘The Umbrella Academy’ dá continuidade à sua história se distanciando dos quadrinhos, mas, se aproximando da realidade com tramas sobre racismo e homofobia. Além de buscar maior engajamento com o público, o showrunner Steve Blackman aproveita a segunda temporada da série para elevar seus pontos positivos e construir personagens de forma coerente, criando uma temporada tão boa quanto a primeira. 

Em termos de construção narrativa, ‘The Umbrella Academy’ continua a seguir uma fórmula principal: todos os heróis da família Hargreeves começam a temporada separados e se juntam para impedir o fim do mundo. Embora a proposta não anime tanto quanto a primeira vez, os dez episódios fazem questão de se distanciar dos erros cometidos anteriormente. Assim, esta segunda temporada não se prende nem ao passado, muito menos às limitações em adaptar uma HQ, criando um novo olhar sobre ‘Dallas’, de Gerard Way e Gabriel Bá. Entretanto, sua essência futurista com personagens disfuncionais é elevada pelo forte visual dos anos 1960 ao som da trilha sonora eficaz. 

Tramas mais interessantes 

Ao viajarem no tempo para corrigir seus erros, os irmãos Hargreeves se perdem no início dos anos 1960, voltando a se encontrar dias antes do assassinato do presidente Kennedy. Assim, presentes em diferentes núcleos, os personagens apresentam evoluções consideráveis e tramas individuais mais interessantes que anteriormente. Exemplo disto é a história de Allison (Emmy Raver-Lampman) como ativista contra o racismo, assim como Vanya (Ellen Page) e Klaus (Robert Sheehan) lidam com romances LGBTs e a homofobia quando tais denominações nem sequer existiam. 

Por outro lado, Diego (David Castañeda), Luther (Tom Hopper) e Cinco (Aidan Gallagher) continuam presos na dinâmica familiar. Mas, ao menos, os três conseguem render ótimas cenas de ação e, assim como todo elenco, esbanjar uma dinâmica familiar interessante em momentos que alternam entre a tensão dramática e o humor desajeitado dos personagens. Assim, tanto em questionamentos pessoais quanto em relação a seus superpoderes, a Umbrella Academy consegue evoluir aos olhos do público. 

Já no que diz respeito aos vilões da série não existe tanta originalidade, salvo por Kate Walsh, a qual além de se manter interessante também conta com figurinos belíssimos e únicos. Ademais a personagem, Lila (Ritu Arya) e o trio assassinos suecos não anima tanto quanto o desejado, criando apenas empecilhos na história. Mas, olhando pelo lado efetivo de quem realmente causou mais danos aos personagens e atingiu diretamente suas histórias, o próprio Reginald Hargreeves e seu posicionamento como um pai exigente definitivamente é um bom contraponto ao grupo de heróis. 

Melhor que a primeira temporada? 

Apostando em outra época, o visual adotado é marcante e totalmente imersivo com direito a cenários, figurinos e efeitos visuais exemplares. Esse último quesito inclusive é muito importante para adaptar elementos mais futuristas e surreais da HQ como o personagem AJ e os poderes de Vanya. Isso, é claro, sem contar com o grande uso dos efeitos em cenas de luta sem deixar um aspecto robotizado ou irreal.   

Por sua vez, as cenas de ação sempre são fortemente marcadas pela direção de fotografia dinâmica, seguindo movimentos corporais dos personagens, e pela constante trilha sonora. Esse segundo elemento também é utilizado como forma de popularizar a série entre o público ao apresentar covers de artistas como Billie Elish e Adele, apelando também com canções originais da banda Kiss, Frank Sinatra e Aretha Franklin. A trilha é encarada de forma tão importante para a série que também vai para os diálogos de Klaus como ensinamentos para sua seita, rendendo até mesmo a grande sequência ao som de ‘everybody’ dos Backstreet Boys.   

De assassinatos ao som pop dos anos 1990 a cenas de protestos antirracistas, a segunda temporada de ‘The Umbrella Academy’ possui uma qualidade difícil de ignorar devido a narrativa que dialoga com diferentes tipos de espectadores. Ao melhorar os elementos utilizados anteriormente, a produção mantém um ritmo digno de maratona, sem ficar preso somente a um ou dois personagens, criando um incrível quebra-cabeça para ser desvendado da forma mais problemática, disfuncional e prazerosa possível. 

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...