AVISO: Spoilers leves no texto a seguir.

Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e um vírus, tiveram de se contentar em rever os filmes e os momentos icônicos que eles contêm, e que transformaram o estúdio na maior força da cultura pop mundial. Eu, de minha parte, senti falta.

E eis que em 2021, a Marvel lança no mundo a minissérie WandaVision no streaming do Disney +. WandaVision é justamente sobre isso: sobre sentir falta de algo, sobe querer fugir da realidade e buscar conforto no que é familiar, no que está próximo, na própria cultura pop. É a obra mais “meta” da Marvel em toda a sua trajetória, um filme Marvel dividido em nove episódios que comentam sobre a própria mídia da TV e fazem referência a filmes de cinema, dentro de um serviço de streaming, e com um núcleo emocional bem claro e firme. Quem mais, na Hollywood de hoje, conseguiria fazer funcionar essa mistureba metalinguística além da Marvel?

A série começa já de forma até meio ousada, emulando o estilo de uma sitcom dos anos 1950, do tipo que os bisavós e avós de grande parcela dos assinantes do Disney + devem reconhecer. Numa cidadezinha pequena, e em preto-e-branco, vemos as peripécias domésticas do casal Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) e seu marido “sintozóide” Visão (Paul Bettany). Com direito até a claque de risadas. Sempre por perto, está a vizinha ultra-prestativa Agnes (Kathryn Hahn). Porém, já sabemos de cara que algo está errado, pois… O Visão não deveria estar morto? A série não se passa após os eventos de Vingadores: Ultimato (2019)? O mistério – que, aliás, é bem fácil de adivinhar, ainda mais para quem conhece a trajetória recente da Wanda nas HQs – se revela ao espectador ao longo dos episódios.

HOMENAGENS E BOAS NOVIDADES

E os episódios são… esquisitinhos. E divertidos. A cada novo segmento, avançamos uma década no estilo de sitcom, e seriados como The Dick Van Dyke Show, A Feiticeira, Jeannie é um Gênio, Full House, Malcolm in the Middle, são todos referenciados e servem de base para a estranha realidade da série. Há também desvios narrativos para a realidade do Universo Marvel, com os personagens da organização E.S.P.A.D.A tentando descobrir o que está se passando na cidadezinha onde Wanda e o Visão estão. Coadjuvantes de filmes anteriores da Marvel aparecem.

Até uma figura importante do passado de Wanda retorna, mas interpretado não pelo ator que o viveu nos filmes dos Vingadores, mas pelo que o interpretou na franquia dos X-Men do estúdio Fox! E no final, a série começa a se transformar numa história de super-herói mais tradicional, com direito a vilões e confrontos cheios de efeitos visuais.

O maior feito do diretor Matt Shakman e do criador e produtor-executivo Jac Schaeffer é fazer tudo isso funcionar. No programa, os roteiros e a direção dão conta de manipular e fazer coexistir vários tons e gêneros: comédia exagerada, comédia mais sutil, fantasia, drama, ação com super-heróis. E o fazem de maneira inteligente: Os figurinos e a direção de arte recriam com perfeição o visual e o espírito dos programas de TV nos quais WandaVision se inspira. E sempre sabemos em que “realidade” estamos, por causa dos diferentes formatos de tela utilizados, de maneira muito esperta, na cinematografia da minissérie.

FILME MARVEL ESTICADO

Tudo isso contribui para o clima especial de WandaVision, que parece estar quase sempre dando umas piscadelas para o espectador. A minissérie nem faz questão de paparicar possíveis recém-chegados ao Universo Marvel: ela é feita mesmo para os iniciados, para quem viu todos os filmes e está acompanhando os recentes desdobramentos do MCU. Só que agora num formato diferente, um pouco mais expansivo e consideravelmente mais experimental, pelo menos, durante os primeiros episódios.

Quanto mais a minissérie avança, mais fica claro que estamos vendo um filme Marvel esticado, e elementos mais tradicionais dos filmes começam a aparecer. Porém, são nesses últimos episódios que os astros da série, Olsen e Bettany, realizam os seus melhores trabalhos em toda a sua longa história com esses personagens. Olsen, em particular, demonstra por toda a série um hábil domínio das sutilezas da Wanda, nos fazendo intuir seus estados interiores com um trabalho preciso, muito consistente e admirável. Além dela, Hahn se torna a outra figura de destaque de WandaVision, divertindo-se a valer com a sua personagem e marcando presença como uma nova figura marcante no universo Marvel.

ENTRETENIMENTO PERFEITO DOS TEMPOS ATUAIS

WandaVision só peca mesmo pela sensação ocasional de que estamos vendo uma quantidade de episódios maior do que a história pedia – um “efeito Netflix”, mas em grau muito menor, ainda bem – e pela resolução, que talvez seja mais convencional do que deveria ser. Mas esses problemas são pequenos em comparação com a diversão da série, e as suas qualidades. Ora, pode-se dizer que a Marvel – de maneira não proposital, claro – acabou criando com WandaVision o entretenimento perfeito para os nossos tempos. No fundo, apesar de tudo, é a história de alguém que fugiu da realidade, para dentro das fantasias de que mais gosta. E quem não se sentiu assim nesses últimos tempos? Quem não buscou o escapismo dos seus filmes, seriados e programas de TV favoritos para esquecer o medo, a tristeza e o luto desses últimos meses, desse último ano? Isso é algo muito humano, e é o que alimenta essa história maluca e que remete ao escapismo a que somos expostos desde a nossa infância.

De fato, a minissérie demonstra a verdadeira magia da Marvel e porque ela é uma força sem par no mundo do entretenimento moderno: Seus personagens podem até não serem lá muito profundos, mas parecem humanos e vivem dilemas com os quais podemos nos relacionar. Enquanto o estúdio mantiver isso em mente, sua mágica seguirá imbatível.

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...

‘A Escada’: direção criativa acerta ao contar narrativa repetida

Em 2018, a Netflix colocou em seu streaming a produção documental “The Staircase”, dirigida por Jean-Xavier de Lestrade (vencedor do Oscar de melhor documentário por “Assassinato numa manhã de domingo”). A série true-crime acompanha o escritor Michael Peterson,...

‘Em Casa com os Gil’: palco de afeto e musicalidade

“Em Casa com os Gil”, nova aposta da Amazon Prime, é um convite para adentrar a casa de um dos maiores artistas da história da música e cultura brasileira, Gilberto Gil. Ali, naquele casarão em Araras (RJ), com o seu clã todo reunido, Gil abre a suas portas e...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 5: oportunidades perdidas

Quem está acompanhando as críticas de Obi-Wan Kenobi aqui no Cine Set deve ter notado que tenho considerado a personagem Reva problemática. Por quatro episódios, ela parecia malvada demais, exageradamente determinada em encontrar o herói da trama sem que houvesse uma...

‘Maldivas’: diversão inofensiva made in Netflix

Nada como uma boa diversão inofensiva, né? Tem dias que pedem (se bem que, sendo brasileira, isso é a todo momento). Foi com isso na cabeça que comecei a assistir a “Maldivas”, nova série nacional da Netflix. No caso dessa produção, é difícil desassociar-se da...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 4: série avança ao resgatar essência de ‘Star Wars

“Star Wars” nunca deve ser enfadonho. É uma das lições que a trilogia original ainda lega aos cineastas que seguem seus passos e continuam explorando o universo que George Lucas criou, seja no cinema e, agora, no streaming. Às vezes, o roteiro ou a história em si...

‘Iluminadas’: Wagner Moura brilha em série sobre misoginia nos anos 1990

Se remakes e a onda de nostalgia tem sido alguns dos propulsores da cultura pop, “Iluminadas” consegue homenagear os filmes de suspense e serial killer populares nos anos 1990. Baseada no livro homônimo de Lauren Beukes, a produção original da Apple TV+ conta com um...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 3: o retorno de Darth Vader

Bem... Sabíamos que ele iria aparecer, certo? A Disney já tinha divulgado uma foto dele antes da estreia de Obi-Wan Kenobi e a cena final da Parte 2 da minissérie praticamente garantia que veríamos ninguém menos que Darth Vader. Agora, neste novo episódio, o lorde...

‘Stranger Things 4’ – Volume 1: força do elenco move temporada

Quando “Lost” começou a ruir definitivamente, os resilientes fãs permaneceram acompanhando a série muito mais pelo apego a Jack, Kate, Sawyer, Sayid, Desmond do que pela vã esperança de que os mistérios teriam uma resolução diga. Da mesma forma ainda que (bem) longe...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódios 1 e 2

Antes de tudo, uma confissão, leitor, em nome da honestidade: eu me desliguei de Star Wars desde o final de 2019, quando fui ao cinema testemunhar o desastre A Ascensão Skywalker. Sério, o filme do J. J. Abrams conseguiu realizar a façanha de pegar meu entusiasmo pela...