Até agora, a série Lovecraft Country explorou mais os ingredientes de terror e de fantasia das obras da literatura pulp e do autor H. P. Lovecraft. Mas literatura pulp também é território da ficção-científica… Já sabíamos, desde a menção de uma tal “máquina do tempo” por Christina alguns episódios atrás, que a série iria se aventurar pela seara da ficção-científica eventualmente. Pois a hora chegou, neste sétimo episódio da temporada, intitulado “Eu Sou”.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

O principal desenvolvimento deste episódio é a investigação de Hippolyta sobre… bem, todas as maluquices que ocorreram nos primeiros episódios e que custaram a vida do seu marido George. Ela encontra as ruínas de Ardham, depois descobre como fazer funcionar o planetário de Hiram e determina a localização da máquina. Isso a levará a ter uma viagem que… bem, é a maior viagem que a série mostrou até agora.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

Pelo que dá para se entender, a máquina é parte um instrumento de viagem temporal, parte um portal. E graças a ele, Hippolyta vai experimentar um pouco da realização de seu sonho, como uma dançarina na companhia da estrela Josephine Baker; vai descobrir sua força, como uma guerreira tribal; e se impor frente ao seu marido numa tocante cena que traz o retorno do ator Courtney B. Vance como George. Por todo o episódio, a atuação de Aunjanue Ellis é muito forte, e é graças a ela – e aos incríveis efeitos visuais, claro – que engolimos as maluquices do episódio. Algumas são bastante visuais: acho que pela primeira vez num filme ou seriado de que me recordo, um penteado afro gigantesco é usado para caracterizar uma personagem extraterrestre.

QUALIDADES SUPERAM IMPERFEIÇÕES

“Eu Sou” é a história da libertação e empoderamento de Hippolyta frente a circunstâncias fantásticas, tal como Ruby teve alguns episódios atrás. Este episódio é um pouco menos sutil, e mais óbvio que aquele anterior, o que atrapalha um pouco a experiência. Há uma boa dose de diálogo expositivo para transmitir o dilema da personagem e nos discursos, especialmente no segmento da guerreira africana. De novo, a atuação de Aunjanue consegue fazer funcionar as situações, mas o episódio poderia ser ainda melhor se fosse menos “na cara”, menos óbvio.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

Paralelamente à trama principal, vemos Ruby descobrindo secretamente que Hippolyta tem o planetário – até que ponto a aliança dela com Christina será forte, isso ainda teremos que ver no futuro. E Tic investiga o lado materno da sua família, descobrindo algumas pistas interessantes. Aliás, o ponto mais fraco do roteiro é o virtual “teletransporte” dele até o local onde Hippolyta está, para salvá-la num momento crucial… É uma conveniência narrativa que não chega a estragar o episódio, mas com certeza o diminui um pouco.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

Ainda assim, em meio aos visuais malucos, que incluem visões de planetas alienígenas, e uma jornada tocante de uma personagem, Lovecraft Country produz mais uma hora interessante e criativa de TV. Imperfeita, mas uma na qual as qualidades superam os problemas. E demonstra novamente que as duas maiores qualidades da série até agora são o seu elenco e a sua “elasticidade”, ou seja, a capacidade dos roteiristas de explorar conceitos variados de fantasia, terror e, agora, ficção-científica. Realmente, parece que tudo vale em Lovecraft Country, e isso é uma qualidade do seriado.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×06

*Fui pesquisar sobre a cena em que uma mulher negra de moto passa ao lado de Hippolyta enquanto ela dirige na estrada, e é uma referência a uma figura real: Bessie Stringfield, a primeira mulher negra a cruzar de moto todos os 48 Estados norte-americanos conectados. É o tipo de coisa que muitos espectadores talvez nem peguem, mas demonstra a atenção e o cuidado da produção em celebrar e fazer referências a figuras negras importantes. É legal pensar que essa figura real acaba influenciando Hippolyta na sua jornada pessoal de libertação pela viagem no portal.

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...