Até agora, a série Lovecraft Country explorou mais os ingredientes de terror e de fantasia das obras da literatura pulp e do autor H. P. Lovecraft. Mas literatura pulp também é território da ficção-científica… Já sabíamos, desde a menção de uma tal “máquina do tempo” por Christina alguns episódios atrás, que a série iria se aventurar pela seara da ficção-científica eventualmente. Pois a hora chegou, neste sétimo episódio da temporada, intitulado “Eu Sou”.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×01

O principal desenvolvimento deste episódio é a investigação de Hippolyta sobre… bem, todas as maluquices que ocorreram nos primeiros episódios e que custaram a vida do seu marido George. Ela encontra as ruínas de Ardham, depois descobre como fazer funcionar o planetário de Hiram e determina a localização da máquina. Isso a levará a ter uma viagem que… bem, é a maior viagem que a série mostrou até agora.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×02

Pelo que dá para se entender, a máquina é parte um instrumento de viagem temporal, parte um portal. E graças a ele, Hippolyta vai experimentar um pouco da realização de seu sonho, como uma dançarina na companhia da estrela Josephine Baker; vai descobrir sua força, como uma guerreira tribal; e se impor frente ao seu marido numa tocante cena que traz o retorno do ator Courtney B. Vance como George. Por todo o episódio, a atuação de Aunjanue Ellis é muito forte, e é graças a ela – e aos incríveis efeitos visuais, claro – que engolimos as maluquices do episódio. Algumas são bastante visuais: acho que pela primeira vez num filme ou seriado de que me recordo, um penteado afro gigantesco é usado para caracterizar uma personagem extraterrestre.

QUALIDADES SUPERAM IMPERFEIÇÕES

“Eu Sou” é a história da libertação e empoderamento de Hippolyta frente a circunstâncias fantásticas, tal como Ruby teve alguns episódios atrás. Este episódio é um pouco menos sutil, e mais óbvio que aquele anterior, o que atrapalha um pouco a experiência. Há uma boa dose de diálogo expositivo para transmitir o dilema da personagem e nos discursos, especialmente no segmento da guerreira africana. De novo, a atuação de Aunjanue consegue fazer funcionar as situações, mas o episódio poderia ser ainda melhor se fosse menos “na cara”, menos óbvio.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×03

Paralelamente à trama principal, vemos Ruby descobrindo secretamente que Hippolyta tem o planetário – até que ponto a aliança dela com Christina será forte, isso ainda teremos que ver no futuro. E Tic investiga o lado materno da sua família, descobrindo algumas pistas interessantes. Aliás, o ponto mais fraco do roteiro é o virtual “teletransporte” dele até o local onde Hippolyta está, para salvá-la num momento crucial… É uma conveniência narrativa que não chega a estragar o episódio, mas com certeza o diminui um pouco.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×04

Ainda assim, em meio aos visuais malucos, que incluem visões de planetas alienígenas, e uma jornada tocante de uma personagem, Lovecraft Country produz mais uma hora interessante e criativa de TV. Imperfeita, mas uma na qual as qualidades superam os problemas. E demonstra novamente que as duas maiores qualidades da série até agora são o seu elenco e a sua “elasticidade”, ou seja, a capacidade dos roteiristas de explorar conceitos variados de fantasia, terror e, agora, ficção-científica. Realmente, parece que tudo vale em Lovecraft Country, e isso é uma qualidade do seriado.

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×05

CRÍTICA: “Lovecraft Country” 1×06

*Fui pesquisar sobre a cena em que uma mulher negra de moto passa ao lado de Hippolyta enquanto ela dirige na estrada, e é uma referência a uma figura real: Bessie Stringfield, a primeira mulher negra a cruzar de moto todos os 48 Estados norte-americanos conectados. É o tipo de coisa que muitos espectadores talvez nem peguem, mas demonstra a atenção e o cuidado da produção em celebrar e fazer referências a figuras negras importantes. É legal pensar que essa figura real acaba influenciando Hippolyta na sua jornada pessoal de libertação pela viagem no portal.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...