Dois anos após o sucesso estrondoso de ‘A Maldição da Residência Hill’, o showrunner Mike Flanagan voltou a nos assombrar com sua forma sensível de contar histórias sobre fantasmas. Mas, embora tenha uma proposta parecida com a série anterior, ‘A Maldição da Mansão Bly’ mostra um lado muito mais emocional e romântico de Flanagan, resultando em uma obra com muita qualidade. Entre momentos emocionantes e episódios muito bem estruturados, apenas o terror acaba deixado de lado espaço na história.

‘A Maldição da Mansão Bly’ acompanha a americana Dani (Victoria Pedretti). Fugindo de um relacionamento, ela acaba indo para o Reino Unido, onde encontra um trabalho como babá de duas crianças em uma mansão interiorana. Presa aos fantasmas de seu passado e ainda tendo que lidar com espíritos da mansão, Dani faz de tudo para proteger seus pupilos, Miles (Benjamin Evan Ainsworth) e Flora (Amelie Bea Smith), ao mesmo tempo, em que encontra um novo interesse romântico.

Tanto os episódios isolados quanto toda a temporada em si possuem uma estrutura muito bem idealizada. Os momentos de tensão, comoção e revelações são constantes, mas, sem atropelar a história que está sendo contada. Neste caso, o único grande defeito é insistir em colocar um episódio inteiro de flashback no final da temporada como forma de prolongar o suspense até o final. É claro que a trama possui uma função muito importante na história, mas, poderia ter sido inserida de forma bem mais orgânica no decorrer de ‘A Maldição da Mansão Bly’

Hill x Bly

Já o elenco com rostos conhecidos da série anterior também se mostra uma sábia decisão de Flanagan, mas os verdadeiros destaques na atuação ficam por conta dos atores mirins: Benjamin Evan Ainsworth e Amelie Bea Smith conseguem manter o mesmo nível de atuação de Predetti. Inclusive, esta estratégia de repetir o elenco em diferentes papéis em uma série de terror lembra muito o que “American Horror Story” faz, sendo possivelmente um universo a ser explorado pela Netflix, a qual não tem os direitos de exibição da série de Ryan Murphy.

Da mesma forma que fez no trabalho anterior, Flanagan apela para sentimentalismo e uma pegada dramática para contar histórias sobre fantasmas. Ele basicamente mostra as criaturas fantasmagóricas como pessoas, personagens para serem trabalhados completamente pela trama e não apenas um recurso do terror. Embora consiga criar uma história interessante, a série ainda parece uma versão mais fraca da residência Hill.

Isto ocorre basicamente por dois elementos: tanto os sustos e suspense são diminuídos quanto a narrativa familiar é substituída por um romance pouco desenvolvido e alguns bons personagens. Apesar dos erros pontuais, o resultado é bastante animador e – o melhor – envolvente. ‘A Maldição da Mansão Bly’ possui episódios longos e um número considerável, o que lhe permite dividir muito bem suas histórias e se encaminhar para um desfecho com coesão e boas revelações.

CRÍTICA | ‘A Casa do Dragão’ 2×02: entre espelhamentos e as consequências de Otto e Daemon

Duas coisas se destacam no segundo episódio desta temporada de “A Casa do Dragão”: o luto e as consequências de escolhas. Enquanto no episódio anterior acompanhou-se o luto de Rhaenyra (Emma D’Arcy) e a forma como a filha de Viserys lidou diretamente com a perda do...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...