Você é a última voz que eu vou ouvir antes de Satanás.” 

Esse diálogo estabelece bem o que se acompanha durante a projeção de “Morto Não Fala”, filme escrito e dirigido por Dennison Ramalho, uma das mentes responsáveis pelo roteiro de “Supermax” e “Carcereiros”, ambas produções da Rede Globo. Em seu primeiro longa-metragem, o diretor mergulha no thriller sobrenatural para contar a saga de Stênio. 

Stênio (Daniel de Oliveira) é um funcionário do Instituto Médico Legal (IML) que tem o dom de conversar com os mortos, uma linha tênue entre castigo e maldição. Ele consegue lidar com a sua paranormalidade até que quebra a regra mais importante: revela o segredo de um morto. A partir disso, o filme assume os efeitos de causa e conseqüência das escolhas do protagonista. 

Lidando com a morte 

O roteiro de “Morto não Fala” é muito sensível em mostrar como é a vida das pessoas que lidam com a morte diariamente. Isto se torna visível na relação do protagonista com a sociedade: um casamento complicado, dificuldades de se comunicar com os filhos e, até mesmo, com os mortos. Soma-se a isso sua postura reativa, sem nunca ser a pessoa que toma a atitude. Por isso, não é de se espantar que quando ele decide assumir o controle, acaba trocando os pés pelas mãos.  

É curiosa, no entanto, a escolha de utilizar efeitos visuais para representar as expressões faciais dos mortos. Em alguns momentos, quando aparece “sujo”, por exemplo, o CGI é funcional e oferece o aspecto gore que permeia toda a produção. Já em outros casos, como o de Odete (Fabiula Nascimento), o uso da técnica se mostra precário e beira o trash, perdendo o bom desenvolvimento visual que “Morto Não Fala” demonstra no primeiro instante.  

A atmosfera do terror 

Entre o IML e a periferia de São Paulo, o diretor Dennison Ramalho investe no sobrenatural e na violência explícita para contar sua história. Ao mesmo tempo em que cadáveres retalhados e cheios de hematomas ganham espaço, situações de possessão e mediunidade também se fazem presente. 

O gore, junto à fotografia escurecida, são responsáveis por abrir margem para uma tensão crescente que dá, gradualmente, espaço ao progresso dramático junto ao terror. Para isso, várias ocorrências criativas, como a cama de gato e os espelhos, vão surgindo em tela e despertando incômodo no espectador. A partir dessa sensação, é possível observar o desenvolvimento dos personagens e da própria insanidade.  

Já que tocamos na importância fotográfica para construção do horror, é válido apontar que André Faccioli, responsável pela cinematografia, estabelece um diálogo entre a trama e a crônica urbana que a circunda. Os ângulos escolhidos transferem ao espectador a sensação de claustrofobia e pânico que permeia Stênio e sua família. Essa impressão desagradável ganha força com o uso da paleta de cores esverdeada, que transpõe a repulsiva sala do IML para outros ambientes.  

Morto não Fala” é mais um exemplar da boa safra do cinema de horror nacional. Ramalho entrega um thriller com assombrações, violência e a urbanidade presente nas periferias. Cuidadoso na construção de seus personagens e na atmosfera de horror, ele mostra que é possível experimentar, assustar e entreter dentro do cinema de gênero. 

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...