Você é a última voz que eu vou ouvir antes de Satanás.” 

Esse diálogo estabelece bem o que se acompanha durante a projeção de “Morto Não Fala”, filme escrito e dirigido por Dennison Ramalho, uma das mentes responsáveis pelo roteiro de “Supermax” e “Carcereiros”, ambas produções da Rede Globo. Em seu primeiro longa-metragem, o diretor mergulha no thriller sobrenatural para contar a saga de Stênio. 

Stênio (Daniel de Oliveira) é um funcionário do Instituto Médico Legal (IML) que tem o dom de conversar com os mortos, uma linha tênue entre castigo e maldição. Ele consegue lidar com a sua paranormalidade até que quebra a regra mais importante: revela o segredo de um morto. A partir disso, o filme assume os efeitos de causa e conseqüência das escolhas do protagonista. 

Lidando com a morte 

O roteiro de “Morto não Fala” é muito sensível em mostrar como é a vida das pessoas que lidam com a morte diariamente. Isto se torna visível na relação do protagonista com a sociedade: um casamento complicado, dificuldades de se comunicar com os filhos e, até mesmo, com os mortos. Soma-se a isso sua postura reativa, sem nunca ser a pessoa que toma a atitude. Por isso, não é de se espantar que quando ele decide assumir o controle, acaba trocando os pés pelas mãos.  

É curiosa, no entanto, a escolha de utilizar efeitos visuais para representar as expressões faciais dos mortos. Em alguns momentos, quando aparece “sujo”, por exemplo, o CGI é funcional e oferece o aspecto gore que permeia toda a produção. Já em outros casos, como o de Odete (Fabiula Nascimento), o uso da técnica se mostra precário e beira o trash, perdendo o bom desenvolvimento visual que “Morto Não Fala” demonstra no primeiro instante.  

A atmosfera do terror 

Entre o IML e a periferia de São Paulo, o diretor Dennison Ramalho investe no sobrenatural e na violência explícita para contar sua história. Ao mesmo tempo em que cadáveres retalhados e cheios de hematomas ganham espaço, situações de possessão e mediunidade também se fazem presente. 

O gore, junto à fotografia escurecida, são responsáveis por abrir margem para uma tensão crescente que dá, gradualmente, espaço ao progresso dramático junto ao terror. Para isso, várias ocorrências criativas, como a cama de gato e os espelhos, vão surgindo em tela e despertando incômodo no espectador. A partir dessa sensação, é possível observar o desenvolvimento dos personagens e da própria insanidade.  

Já que tocamos na importância fotográfica para construção do horror, é válido apontar que André Faccioli, responsável pela cinematografia, estabelece um diálogo entre a trama e a crônica urbana que a circunda. Os ângulos escolhidos transferem ao espectador a sensação de claustrofobia e pânico que permeia Stênio e sua família. Essa impressão desagradável ganha força com o uso da paleta de cores esverdeada, que transpõe a repulsiva sala do IML para outros ambientes.  

Morto não Fala” é mais um exemplar da boa safra do cinema de horror nacional. Ramalho entrega um thriller com assombrações, violência e a urbanidade presente nas periferias. Cuidadoso na construção de seus personagens e na atmosfera de horror, ele mostra que é possível experimentar, assustar e entreter dentro do cinema de gênero. 

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...