Al Pacino.  

Só de falar esse nome dá vontade de fazer uma reverência, afinal, se trata de uma das maiores lendas da história do cinema. A Academia, entretanto, não teve a melhor das relações com o ator e, apesar das nove indicações, ele venceu apenas uma vez. 

Neste vídeo, eu presto uma homenagem ao Al Pacino para eleger da pior à melhor nomeação, além, claro, da maior esnobada. 

Aproveita para se inscrever e ativar as notificações aqui no canal porque este é mais um vídeo do Cine Set 

9. DICK TRACY 

Depois de passar praticamente todos os anos 1980 esquecido, o Al Pacino voltou a ser indicado ao Oscar em 1991. Só que o personagem não ajudava muito. 

Com uma pesada maquiagem, o Al Pacino interpreta o vilão de “Dick Tracy”. Igual o filme como um todo, a atuação do astro é totalmente caricatural e nada levado à sério.

Vale pela despretensão, mas, muito longe dos melhores momentos dele. 

Em Melhor Ator Coadjuvante daquela edição, o vencedor foi o Joe Pesci merecidamente por “Os Bons Companheiros”. 

8. JUSTIÇA PARA TODOS 

Em 1980, o Al Pacino foi indicado a Melhor Ator por “Justiça para Todos”. 

No longa do Norman Jewison, ele faz um advogado idealista convocado para defender um juiz acusado de estupro.

Aqui, o Pacino faz um esforço gigante para tirar o filme da vala comum, mas, só faz remeter a um personagem que irá aparecer mais à frente na lista. 

Ainda assim, a cena final no tribunal é um dos pontos altos da carreira dele. Na corrida pelo prêmio de Melhor Ator, o Pacino acabou perdendo para o Dustin Hoffman, de “Kramer Vs Kramer”, uma vitória justa. 

7. SUCESSO A QUALQUER PREÇO 

Em 1993, o Al Pacino foi indicado ao Oscar duas vezes. A primeira que aparece aqui é “Sucesso a Qualquer Preço”. 

Com um ótimo roteiro do David Mamet em mãos e parceiros de cena como Jack Lemmon, Ed Harris e Kevin Spacey, ele está ótimo como um habilidoso vendedor de terrenos capaz de convencer qualquer um com a sua lábia.

Apesar de praticamente não dar as caras na primeira hora do filme, sempre que surge consegue hipnotizar o público. 

Perdeu o Oscar de Ator Coadjuvante para o Gene Hackman, de “Os Imperdoáveis”. Não tenho nem o que o contestar, né. 

6. O IRLANDÊS 

Foram inacreditáveis 27 anos longe do Oscar, porém, o Al Pacino retornou à premiação em 2020 com “O Irlandês”. 

Na primeira parceria com o Martin Scorsese, o ator faz o público lamentar disso não ter acontecido antes.

Vivendo o sindicalista Jimmy Hoffa, o Pacino oferece os momentos de explosão e fúria do longa marcado por protagonistas comedidos como os vividos por Joe Pesci e Robert De Niro, sendo uma presença forte em toda trama. 

A vitória em Ator Coadjuvante foi para o Brad Pitt, de “Era uma vez em Hollywood”, resultado que, particularmente, gosto ainda que se fosse para o Pacino seria muito bom também. 

5. SERPICO 

Quando falei que o Al Pacino lembrava um personagem já feito por ele em “Justiça Para Todos”, minha referência era justamente “Serpico”. 

Neste policial do Sidney Lumet, o astro vive um policial honesto em uma Nova York dominada pela corrupção e extorsão feita pelos agentes do Estado.

Chama a atenção a angústia crescente do personagem em ver aquele estado de coisas praticamente impossível de solução e como ele se deteriora psicologicamente com isso. 

No Oscar de 1974, ele perdeu para o Jack Lemmon, de “Sonhos do Passado”.

Acho mais absurdo o Lemmon ter vencido por este filme e não por filmes como “Se Meu Apartamento Falasse” do que pela derrota do Pacino. 

4. PERFUME DE MULHER

Voltamos ao Oscar 1993 quando finalmente o Al Pacino conseguiu vencer o tão aguardado Oscar por “Perfume de Mulher”. 

Interpretando um tenente-coronel deficiente visual em viagem à Nova York, o astro eleva um filme comum para uma produção acima da média.

O Pacino tem momentos excepcionais como as sequências da Ferrari, do tribunal e, claro, do tango. 

Azar do Clint Eastwood, de “Os Imperdoáveis”, e do Denzel Washington, de “Malcolm X”, que, em qualquer outro ano, sairiam vencedores menos em 1993. 

3. UM DIA DE CÃO 

Falando de falta de sorte, o Al Pacino sofreu com isso na edição de 1976, o ano mais espetacular do Oscar. 

Afinal, o astro tem um desempenho inesquecível em “Um Dia de Cão”.

A intensidade em cena movimenta o longa do Sidney Lumet e atinge níveis cada vez maiores à medida em que a situação se complica por caminhos cada vez mais imprevisíveis. 

O problema foi que, no Oscar de Melhor Ator, ele teve pela frente o Jack Nicholson, de “Um Estranho no Ninho”. O resto é história. 

2. O PODEROSO CHEFÃO

Marlon Brando e Al Pacino em O Poderoso Chefão

A primeira indicação do Al Pacino aconteceu em 1973 e foi cercada de polêmica. 

Nomeado em Ator Coadjuvante por “O Poderoso Chefão” ao interpretar Michael Corleone, o Pacino ficou revoltado por acreditar que se tratava uma fraude de categoria.

Para ele, a indicação deveria ter sido em Melhor Ator por ter mais tempo em cena do que o seu colega Marlon Brando. Ele acabou não indo para a cerimônia. 

O prêmio de Ator Coadjuvante ficou com o Joel Grey, de “Cabaret”. Independente da melhor categoria em que deveria ter sido indicado, o Al Pacino está brilhante na transformação do jovem delicado em um gângster capaz de tudo para salvar a família. Pegar as primeiras cenas dele e comparar com as últimas dão uma dimensão desta atuação 

1. O PODEROSO CHEFÃO 2

Al Pacino em O Poderoso Chefão - Parte 2

E chegamos ao maior trabalho do Al Pacino indicado ao Oscar.  

Como pode alguém fazer ainda melhor uma atuação já brilhante? 

É justamente o que ocorre na segunda parte do clássico comandado por Francis Ford Coppola. Aqui, Michael vai ao fundo do poço, isolando-se dos princípios do início da jornada para manter a qualquer custo o poder do clã Corleone. Pacino torna esta uma jornada pesada, dura como deve ser criando um dos personagens mais ricos da história do cinema. 

Em um erro constrangedor, a Academia decidiu premiar o Art Carney, de “Harry, o Amigo de Tonto”. De todos os prêmios pelo conjunto da obra, este foi o mais equivocado de longe da história do prêmio. 

AS MAIORES ESNOBADAS – “PARCEIROS DA NOITE” E “SCARFACE”

O Al Pacino teve nove indicações, mas, com certeza, deveria ter, pelo menos, mais cinco nomeações. Foram os casos de “Donnie Brasco”, “O Informante” e “O Pagamento Final”. 

Porém, duas delas são esnobadas imperdoáveis. 

A primeira vem de “Parceiros da Noite”, filme maldito do William Friedkin em que interpreta um detetive infiltrado na comunidade gay de Nova York.

É um trabalho ousado demais como poucos atores do porte e fama dele topariam fazer no auge da fama. Merecia, pelo menos, a indicação em 1981.

scarface al pacino

Três anos depois, a Academia não quis saber dele em Melhor Ator pelo excepcional “Scarface”.

Enquanto Tony Montana ficou eternizado até hoje na cultura pop, o vencedor do Oscar foi o Robert Duvall, pelo esquecível “A Força do Carinho”. 

Oscar: TOP 10 Ganhadores Melhor Filme Internacional nos Anos 2010

De "O Segredo dos Seus Olhos", da Argentina, a "Roma", do México, Caio Pimenta elege o TOP 10 dos Ganhadores de Melhor Filme Internacional nos Anos 2010. PS: até 2019, a categoria se chamava Melhor Filme de Língua Não-Inglesa, porém, para fins de maior entendimento,...

Oscar: Os Quase Indicados a Melhor Filme (2000 a 2022)

De "Quero ser John Malkovich" a "Apresentando os Ricardos", Caio Pimenta traz as obras que bateram na trave para serem indicadas a Melhor Filme no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=vPU4Vhgr55Y 2000 a 2009 Com apoio de Harvey Weinstein, “Regras da Vida”...

Oscar: 10 Atuações Masculinas que não deram sorte na Premiação (2000-2020)

De Gary Oldman a Michael Keaton, Caio Pimenta traz um TOP 10 com atuações masculinas que não sorte no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=GdrLBWPhCys 10. GARY OLDMAN, POR "O ESPIÃO QUE SABIA DEMAIS" O décimo lugar deste TOP 10 ocorreu há 10 anos.   O Jean Dujardin...

Oscar: 10 Atuações Femininas que não deram sorte na Premiação (2000-2020)

De Nicole Kidman, por "Moulin Rouge", a Ellen Burstyn, de "Réquiem Para um Sonho", Caio Pimenta traz um TOP 10 com atrizes que não sorte no Oscar, seja por concorrer contra uma mega favorita ou estar no meio de uma disputa entre duas candidatas fortes....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Saoirse Ronan e Penélope Cruz

Das nomeações por "Desejo e Reparação" e "Volver" a "Adoráveis Mulheres" e "Mães Paralelas", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Saoirse Ronan e Penélope Cruz no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=0awFQcqEwSw 4. "BROOKLYN" Começando com a...

Oscar 2023 – Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 9

De Steven Spielberg a Alejandro González Iñarritu, Caio Pimenta aponta os últimos 10 candidatos ao Oscar 2023. "THE FABELMANS" E "BARDO" Steven Spielberg fez uma campanha digna com “Amor, Sublime Amor” no Oscar 2022 ainda que se esperasse mais do musical na briga com...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Christian Bale e Joaquin Phoenix

Das nomeações por "O Vencedor" e "Gladiador" a "Vice" e "Coringa", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Christian Bale e Joaquin Phoenix no Oscar. 4. A GRANDE APOSTA Começo com o Christian Bale e a indicação mais fraca dele ao Oscar, para mim,...

Brasil no Oscar 2023: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 8

No especial dos candidatos do Oscar 2023, Caio Pimenta traz uma lista com sete filmes brasileiros que podem representar o país. https://www.youtube.com/watch?v=AMOUGgQqXiM "MARTE UM", "O LIVRO DOS PRAZERES" E "A Primeira Morte de Joana” Vamos então aos candidatos...

Oscar: TOP 10 Maiores Momentos da Década 1950

Dos recordes de "Gigi" e "A Malvada" às indicações póstumas de James, Caio Pimenta traz os 10 maiores momentos do Oscar nos anos 1950. 10. IMPROVISO DE JERRY LEWIS EM 1959 https://www.youtube.com/watch?v=2riKdGOdU3E&t=157s A lista do Oscar nos anos 1950 continua...

Oscar 2023: Quem Pode Surgir na Disputa? – Parte 7

No especial dos candidatos do Oscar 2023, Caio Pimenta traz uma lista com oito filmes brasileiros que podem representar o país. MEDUSA https://www.youtube.com/watch?v=3yW1VUtYXN0 A lista começa com “Medusa”, novo filme de Anita Rocha da Silveira.   Premiado no...