Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, Silêncio, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas violentas. Com três horas e meia, é o filme mais longo da carreira do célebre cineasta, mas com o vigor e a técnica em cena, o tempo voa.

Quase todo drama de máfia acaba sendo comparado com outro filme de Scorsese: “Os Bons Companheiros“, clássico absoluto do gênero. Ao escalar Robert de Niro e Joe Pesci em papéis principais, “O Irlandês” se presta facilmente a essa comparação, mas o ponto de vista aqui é completamente distinto – de certa forma, eles são lados opostos da mesma moeda.

O irlandês do título é Frank Sheeran (De Niro), que, velho e preso a uma cadeira de rodas, relembra a sua vida de matador para o clã mafioso comandado por Russell Bufalino (Pesci), no noroeste dos Estados Unidos. A serviço do grupo, ele se tornou o ponto de contato entre os mafiosos e o líder sindical Jimmy Hoffa (Al Pacino), com quem desenvolve uma forte amizade. Eventualmente, os interesses da máfia e de Hoffa divergem, colocando Sheeran num dilema.

Só esse conflito já daria um filme, mas o roteiro de Steven Zaillian – baseado no livro de não-ficção do promotor Charles Brandt, que colheu diversos depoimentos de Sheeran – está mais interessado em fazer um retrato macroscópico da vida no crime e de como o tempo eventualmente consome tudo, não deixando nada além de mágoa e arrependimento em seu rastro.

 HUMOR, CGI, GIGANTES DA ATUAÇÃO: OS PONTOS ALTOS

Por conta disso, o longa tem um ritmo muito mais lento que o esperado de um feito por Scorsese. No entanto, ele confirma um talento do diretor que não costuma receber muito alarde: seu timing cômico impecável. Na medida em que o ponto de vista principal é o de um matador em seus últimos dias, ele lembra com humor das execuções e das brigas entre mafiosos, na ciência de que todas as pessoas que conheceu estão mortas e que nada pode ser feito contra ele.

De Niro, Pesci e Pacino estão impecáveis, ainda que a tecnologia que os rejuvenesceu e permitiu que interpretassem seus papeis durante todo o período da história (por volta de 50 anos) chegue a distrair nos primeiros minutos de flashback. No entanto, passada a sensação de estranhamento, é possível apreciar o trabalho do departamento de efeitos visuais – um dos mais impressionantes desde o oscarizado “As Aventuras de Pi”, de Ang Lee.

A despeito da técnica, as camadas de CGI não seriam nada sem o peso da experiência que os artistas trazem para o filme. Tanto Scorsese e seu trio de atores principais já ultrapassaram os 75 anos e é através desse prisma que a máfia é vista em “O Irlandês” – o prisma de quem sabe que nem todo o dinheiro nem todo o sangue do mundo prepara alguém para o fim.

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

Festival de Londres 2020: Parte 2 – Almodóvar intenso e Spike Lee histórico

Caio Pimenta segue a conversa com o correspondente europeu do Cine Set, Lucas Pistilli, sobre o Festival de Londres 2020 destacando os novos filmes de Pedro Almodóvar e Spike Lee.  https://www.youtube.com/watch?v=z-NCqSVhUnA

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

Festival de Londres 2020 – Mads Mikkelsen brilhante e ‘Ammonite’ decepciona

O correspondente internacional do Cine Set, Lucas Pistilli, conversa com Caio Pimenta sobre os destaques do Festival de Londres 2020. https://www.youtube.com/watch?v=XhaVGD7TQF8

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Instinct’: desejo sexual gera jogo arriscado em suspense holandês

Como qualquer estudioso de Freud pode afirmar, tesão pode ser algo complicado. Em "Instinct", estreia da atriz Halina Reijn na direção, uma nefasta atração dentro de um presídio explora os limites entre desejo e razão. Ancorado em uma atuação corajosa de Carice van...

‘O Irlandês’: o peso da violência em obra-prima de Martin Scorsese

Depois de demorar 26 anos para tirar do papel seu filme anterior, “Silêncio”, Martin Scorsese finalizou “O Irlandês”, seu novo projeto, em ‘apenas’ 12 anos. Parece adequado para uma história tão enérgica quanto intimista que aborda como o tempo afeta a vida de pessoas...

‘A Hidden Life’: teste de fé e paciência no cinema de Terrence Malick

Mantendo a fase mais prolífera de sua carreira, desencadeada pelo ganhador da Palma de Ouro em 2011, “A Árvore da Vida”, Terrence Malick está de volta com “A Hidden Life”. O projeto marca seu retorno ao uso de roteiros bem-estruturados - depois do experimentos com...