Sabe aquelas histórias que martelam nas nossas cabeças durante semanas? Nós nos remoemos e tentamos achar saídas, significados, razões e, ao final, só percebemos o quanto elas nos envolvem, e, aceitá-las é aquilo que se pode fazer para encarar sua magnitude e continuar imerso nessa história, de forma positiva.

Quando tratamos de términos, essas histórias podem se preservar guardadas durante anos, adormecidas como sentimentos esquecidos, lembranças que permanecem dentro de nós, e mesmo que não percebamos, influenciam em toda regência que damos às nossas vidas. Até o momento em que o gatilho é disparado, e tudo que esteve oculto, ou tentou se manter oculto, transborda e nos leva de volta a essas lembranças e toda a sentimentalidade que elas ainda contém. Términos não são simples e nem duram o tempo de uma lavagem de cabelo. Cicatrizar feridas leva tempo. E esse tempo nem sempre é cronometrado ou transcorre cronologicamente como a volta da terra ao redor do sol.

É preciso falar de términos, fechamentos de ciclo, mesmo que não represente uma tarefa fácil, muitas vezes por não sabermos lidar da melhor maneira possível e nem a conhecermos. Mas Tom Ford assumiu as rédeas desse exercício e mostrou que é possível fazer uma boa história sobre conclusão, términos e tudo o que os envolve.

Amy Adams em Animais Noturnos

No início da projeção, somos apresentados a Susan Morrow (Amy Adams) uma mulher realizada profissionalmente, casada com aquele tipo de homem que conquista toda sogra com apenas um sorriso de bom moço (Armie Hammer), mesmo assim a empresária se mostra frustrada e carregada de arrependimentos, mesmo que eles não estejam tão explícitos. Há um clima no ar, orquestrado pelo ambiente sóbrio, as cores neutras, a trilha sonora baixa quase imperceptível harmonizando com o clima de incompletude e melancolia que transparece o casal Morrow. A distância parece ser a única coisa que os une e enquanto nos indagamos o porquê de ter chegado àquela circunstância e até mesmo o que está acontecendo, Susan é presenteada com o manuscrito do livro de seu ex-marido intitulado “Animais Noturnos”, que parece ser o gatilho para evocar todas as lembranças que ela havia deixado adormecida nos últimos 19 anos.

Só este pequeno trecho do filme, já levanta muitas questões. Como se mede a distância? A partir de que momento o passado para de nos incomodar? Quanto tempo é necessário para que o arrependimento beire ao esquecimento? Enquanto essas perguntas beiram ao subconsciente, acompanhamos a vida de Susan e especulamos os atos de seu esposo e as intenções do ex-esposo. E de repente, não estamos mais na história dela, mas entramos em Animais Noturnos, o livro escrito por Edward (Jake Gyllenhaal) e dedicado a Susan.

O clima de tensão só aumenta. Abel Korzeniowski foi ágil em criar uma trilha sonora que não deixa em momento algum o sentimento de incômodo e ansiedade diminuir. Você prevê que algo está acontecendo, algo irá acontecer e nada é tão inocente quanto possa transparecer. Aliás, nada soa inocente. Cada escolha de cenografia, figurino (uma nobre especialidade de Ford), cores, corte de cabelo e elenco, tudo ressoa a condução magistral de Tom Ford, que já apontava sinais de sua excelência em O Direito de Amar, mas que aqui, grita silenciosamente, dando contornos memoráveis a obra. Pensar na direção de Animais Noturnos é retratar como cada detalhe é importante na construção cinematográfica. Korzeniowski, por exemplo, nomeia sua trilha sonora de acordo com cada sentimento levantado pelos seus acordes, que não se distanciam das temáticas que o filme expõe.

Jake Gyllenhaal em Animais Noturnos

Construído a partir de três tramas paralelas, a película passeia entre a história de Susan, o livro de Edward e os flashbacks do casamento de Susan e Edward. De forma sagaz, a montagem precisa e fluida não confunde nossas mentes, como geralmente este tipo de narrativa tende a fazê-lo, mas acaba por deixar pistas das perguntas iniciadas no início da projeção, ao mesmo tempo em que construímos a Susan do presente, Edward e Susan e observamos atentos e agonizantes ao desenrolar do livro.

É válido ressaltar que embora todos os incidentes e personagens conduzam para conclusões a cerca de Susan, é Edward o grande condutor da história. Existe uma hora certa para se vingar? E qual a melhor maneira de fazê-lo? A impressão que transborda é que ele esteve esperando o melhor momento para dar voz a sua pessoa esquecida e ao seu modo de contar a história, por isso utilizou um artifício que soa como terapia, emprego e, principalmente, como vingança. Talvez seja por isso que a visão que Susan tem de Tony, personagem do livro, não soe tão estranho aos flashbacks que ela tem do ex-esposo, mesmo que as diferenças estejam ali exorbitantes.

É interessante observar o corpo do artista. E não falo no sentindo libidinoso, mas o quanto cada personagem necessita de um corpo diferente e como a preparação do elenco nesta obra, deixa isso evidente. Gyllenhaal consegue dar vida a personagens distintos, sem que isso cause estranhamento ou confusão. São simplesmente pessoas diferentes. Corpos diferentes. Idades diferentes. E o mesmo artista. É impressionante. Embora Adams mostre uma faceta diferente de seus últimos personagens, deixando toda carga dramática presa a frieza e distanciamento de Susan, são os olhos meigos e a ausência e presença de barba de Gyllenhaal o grande nome da película.

Jake Gyllenhaal em Animais Noturnos

Nisto, é preciso lembrar que conhecemos o livro de Edward sobre a perspectiva de Susan. Todos os intervalos decorridos na história também existem por conta dela. Desta forma, podemos nos indagar por que a personagem central do livro traz o rosto de seu ex-marido e a esposa traz traços tão semelhantes aos seus, mesmo que não seja a mesma atriz. O livro representa a projeção de algum momento da história do autor e a quem foi dedicado, para a leitora, que se enxerga não admitindo sua auto representatividade. Por isso, a história do livro forme tantos questionamentos sobre os envolvidos na “realidade” da narrativa apresentada.

E afinal de contas, quem é Edward e por que as decisões de Susan a guiaram para a distância e melancolia crescentes dentro dela? Este é o poder de Animais Noturnos, nos fazer indagar mesmo após semanas sobre a obra e simultaneamente evocar sentimentos e reações difíceis de serem descritas que acabam por nos convidar a refletir e tentar ver o mundo sob a perspectiva das ações finais de Susan, Edward e Tony, personagem central do livro. Afinal, Tom Ford conseguiu criar um filme que domina o imaginário representativo das probabilidades para serem discutidas e lembradas.

‘Dilili em Paris’: os encantos e perigos da capital francesa em ótima animação

Famoso pela conceituada franquia de animação ‘Kiriku’, o francês Michel Ocelot destaca novamente a cultura africana com ‘Dilili em Paris’. Apesar da animação em 2D não surpreender visualmente com as técnicas adotadas, a trama cercada de críticas sociais e...

‘O Preço da Verdade’: sobra ativismo e falta cinema em drama banal

Mark Ruffalo é, de acordo com todos os relatos, um sujeito legal. É ótimo ator, ativista, e que usa sua força de astro, adquirida por participar dos blockbusters do Marvel Studios, para ajudar a viabilizar filmes pequenos, muitos deles com consciência social e que...

‘Harriet’: Cynthia Erivo se salva em cinebiografia decepcionante

Nos últimos anos, temos visto na época de premiações do cinema, a condecoração de atores que interpretaram personagens históricos. Foi assim com Rami Malek, no último ano, por seu papel como Freddie Mercury (“Bohemian Rhapsody”); Eddie Redmayne e seu Stephen Hawking...

‘Aves de Rapina’: Arlequina e cia. apagam ‘Esquadrão Suicida’ com humor e violência

Depois do fatídico ‘Esquadrão Suicida’ ficou a cargo da personagem Arlequina seguir em frente com parte do universo estendido da DC nos cinemas. Assim, com uma roupagem totalmente diferente, o estúdio aponta para uma nova e animadora direção repleta de violência...

‘Jojo Rabbit’: arte para satirizar a cultura do ódio e da ignorância

Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se...

‘O Paraíso Deve ser Aqui’: ironia para ilustrar um estranho mundo

O cinema de Elia Suleiman sempre foi pautado pelo humanismo e pela metalinguem cinematográfica. O Que Resta do Tempo e Intervenção Divina são obras que reproduzem o toque delicado do seu autor em tratar questões da existência humana, ao mesmo tempo, em que se coloca...

‘Joias Brutas’: tensão explode em tela na melhor atuação de Adam Sandler

É sempre estimulante prestar atenção em trabalhos em que comediantes consagrados vão para o registro do drama (e vice-versa). Estes filmes, via de regra, surgem com frescor, pois o rosto conhecido por fazer rir está ali exposto para chegar em outro resultado, às vezes...

‘A Divisão’: policial brasileiro merece ser descoberto pelo grande público

Violento, sangrento, tenso e com atenção especial para cenas de ação: “A Divisão” é um tipo de cinema nacional raro. Deixando de lado o contexto social – mesmo ainda sendo possível enxergá-lo nas entrelinhas – o longa foi produzido para ter o formato de uma série,...

‘For Sama’: história de uma guerra particular

“For Sama” é daqueles documentários que remontam experiências pessoais. Aqui, o objeto é recente e não estranho à produção recente de filmes de não-ficção, mas o viés da obra a coloca em uma categoria por si só. Indicado ao Oscar de Melhor Documentário (longa), o...

‘Jumanji: Próxima Fase’: diversão inofensiva para gastar 2h do dia

Com quase US$ 1 bilhão em bilheteria, “Jumanji: Bem-vindo à Selva” (2018) foi uma grata surpresa para Sony Pictures e claro, se é sucesso de bilheteria, tem continuação garantida. E como em time que está ganhando não se mexe, o estúdio tratou de garantir o retorno do...