Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração pelas possibilidades múltiplas não terem sido exploradas ao máximo. 

Dirigido e roteirizado por Tiago Neves, “Remoinho” acompanha o retorno de uma mulher, ao lado do filho, para a casa da mãe no interior da Paraíba. Silenciosa e de olhar distante, passa os dias entre a solidão e escutando outros conversarem com ela sem esboçar maiores reações. 

A sensação de angústia predomina em “Remoinho” graças à habilidosa construção do roteiro. Tiago Neves não dá respostas claras sobre o que pode ter acontecido com a vida de sua protagonista. Podemos supor uma violência familiar pela forma como se livra do chip do celular após a ligação do marido logo na primeira cena ou a frustração com a vida artística e os sonhos que não deram certo ou não se sentir apta em ser mãe ou simplesmente não estar feliz com a vida que leva.  

Este caráter indecifrável e impenetrável da protagonista, defendida de forma comovente por Cely Farias, alimenta a teia de possibilidades para o espectador preencher com interpretações diversas, sendo a única certeza o sofrimento enorme ali dentro. O contraponto fica por conta da mãe vivida por Zezita Matos (também muito bem): cabe a ela fazer as quebras no silêncio e fornecer pistas sobre o que ocorreu, além de dar uma dimensão social das transformações sociais do povo nordestino e da figura feminina e seus sonhos.  

Com uma direção de fotografia das mais belas dos filmes do Festival de Gramado (apesar de um ligeira desfocada na sequência da chegada da família), “Remoinho” derrapa justo na reta final. Não que fosse necessário respostas fáceis ou didática à la Hollywood, porém, a maneira como tudo se conclui, quase abruptamente, deixa uma sensação de incompletude, de que faltaram peças, elementos para concluir aquele painel tão rico demonstrado até ali.  

Um bom e intrigante filme com um final decepcionante. 

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Homem-Aranha 3’, um filme coerente ainda que bagunçado

Se hoje em dia a cena mais famosa do primeiro Homem-Aranha é do beijo entre o herói e sua amada Mary-Jane, a cena mais famosa de Homem-Aranha 3 é... a dancinha do Peter Parker malvado e com penteadinho estilo emo, achando que está abafando, em uma referência ao...

‘Alerta Vermelho’: nem todo dinheiro do mundo é o bastante

Custando US$ 200 milhões, ‘Alerta Vermelho’ é o filme mais caro da Netflix até então e não é para menos: Gal Gadot, Ryan Reynolds e Dwayne Johnson – nomes extremamente carismáticos e solicitados em Hollywood – conduzem a trama de humor e aventura em mais um filme...