Orbitando entre a ficção científica e o melodrama familiar, ‘Away’ estreia na Netflix como uma surpresa positiva não somente para os fãs de sci-fi, mas também para qualquer um que aprecie uma boa narrativa. Diferente de muitas produções atuais do streaming, a série protagonizada por Hilary Swank não precisa se apegar a muletas como ganchos finais ou reviravoltas contínuas pelo simples fato de conseguir criar uma história e personagens que valem a pena acompanhar. 

Away” acompanha a missão internacional de levar cinco astronautas para Marte. Comandados por Emma Green (Hilary Swank), a equipe precisa sobreviver aos contratempos da viagem enquanto lidam com o distanciamento familiar, algo que nem mesmo a comandante está totalmente preparada. Assim, entre o espaço e a Terra, a série acompanha a rotina dos astronautas e de suas famílias, revelando também as motivações pessoais para a missão. 

Com a proposta de levar cinco nacionalidades diferentes à Marte, a missão inicia com estereótipos comuns sobre seus personagens: os Estados Unidos comandam com Emma, a qual logo tem sua liderança questionada pelo russo Misha (Mark Ivanir) e a chinesa Lu (Vivian Wu) (representando um pensamento bem típico nas narrativas norte-americanas), da mesma forma que o representante indiano Ram (Ray Panthaki) e o ganense-britânico Kwesi (Ato Essandoh) a apoiam cegamente. Por isso, é preciso passar dos primeiros dois capítulos para que a narrativa tenha a oportunidade de explorar mais densamente seus personagens. 

Apesar de Emma ainda ser a protagonista, cada um dos personagens apresenta uma história bem construída ao final dos 10 episódios, contando com flashbacks e revelações pessoais. Assim, percepções variadas sobre os astronautas passam a ser possíveis como Misha e Lu, inicialmente presos ao estereótipo de antagonistas, tornam-se figuras carismáticas e complexas gradualmente ao mesmo tempo que Emma mostra suas fragilidades pessoais e de liderança. 

Um quase sci-fi 

Away’ é a primeira série de Andrew Hinderaker como showrunner e é perceptível a delicadeza na escrita vinda da experiência como roteirista de ‘Penny Dreadful’. Os roteiros, além de condizentes com a narrativa dos personagens, também buscam ao máximo fechar questões deixadas durante os episódios, conseguindo até mesmo se referenciar em momentos posteriores. Por outro lado, toda parte espacial e técnica sobre a missão é explicada de forma extremamente didática para o público e, para piorar, alguns problemas e soluções envolvendo o mau funcionamento da nave não convencem tanto quanto gostariam. 

Embora sejam simples ou irreais, os problemas técnicos da missão são muito bem pensados a longo prazo. A forma como os empecilhos são analisados tanto pelos tripulantes quanto pela base da missão na Terra dinamiza tais conflitos. Além disso, os problemas se desenvolvem pensando em vários elementos narrativos como a fotografia e cenografia: grande exemplo disto é concepção visual da caminhada espacial de Emma e Ram, a qual além de abordar um problema presente em vários episódios, também desenvolve a trama dos dois personagens – este momento ainda confirma a grande máxima da série de que a parte científica sempre será deixada de lado para o verdadeiro foco assumir. 

As relações humanas 

Para Emma, a principal dificuldade de sua viagem é o distanciamento do marido Matt (Josh Charles) e a filha Alexis (Talitha Eliana Bateman), sendo a narrativa construída principalmente sobre isso. Neste ponto, existe uma dualidade muito grande de interesses já que Hilary Swank e Josh Charles brilham quando a trama fala sobre seu casamento, ao mesmo tempo, que os conflitos de Alexis desmotivam o público por sua falta de ritmo. 

Sim, se o espaço tem Hilary Swank, a Terra tem a atuação muito bem colocada de Josh Charles. As cenas mais surrealistas onde os dois aparecem juntos na nave são grandes ápices durante os episódios, assim, a narração e a correspondência entre os dois por mensagem de voz nunca é tediosa ou repetitiva. Em contrapartida, todo desenvolvimento de Alexis é preocupante: “Away” possui um grande esforço em realizar uma boa construção da personagem, mas, ora isso ocorre de forma muito rápida, ora gradualmente, sendo bastante cansativo e tedioso, quando outros personagens mais interessantes existem. 

Mesmo com dificuldades, “Away” consegue mostrar uma coesão narrativa muito grande no que diz respeito a seus personagens e a missão de chegar a Marte. Um dos melhores momentos definitivamente é o episódio cinco, o qual trata sobre o Natal e todo drama familiar pode vir à tona, sendo até mesmo um divisor de águas na temporada já que as últimas vídeochamadas são realizadas no episódio também, possibilitando um crescimento do relacionamento entre a tripulação no restante da temporada. 

Depois de flertar com a temática espacial em ‘Perdidos no Espaço’ e ‘Space Force’, a Netflix apresenta mais uma boa opção de seriado com ‘Away’. Com a ficção científica em segundo plano, a produção pode ser um pouco frustrante para os fãs do gênero, mas, como um interessante drama familiar, ‘Away’ pode ser considerada tão boa quanto, por exemplo, uma ‘This Is Us’ da vida. 

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...