Orbitando entre a ficção científica e o melodrama familiar, ‘Away’ estreia na Netflix como uma surpresa positiva não somente para os fãs de sci-fi, mas também para qualquer um que aprecie uma boa narrativa. Diferente de muitas produções atuais do streaming, a série protagonizada por Hilary Swank não precisa se apegar a muletas como ganchos finais ou reviravoltas contínuas pelo simples fato de conseguir criar uma história e personagens que valem a pena acompanhar. 

Away” acompanha a missão internacional de levar cinco astronautas para Marte. Comandados por Emma Green (Hilary Swank), a equipe precisa sobreviver aos contratempos da viagem enquanto lidam com o distanciamento familiar, algo que nem mesmo a comandante está totalmente preparada. Assim, entre o espaço e a Terra, a série acompanha a rotina dos astronautas e de suas famílias, revelando também as motivações pessoais para a missão. 

Com a proposta de levar cinco nacionalidades diferentes à Marte, a missão inicia com estereótipos comuns sobre seus personagens: os Estados Unidos comandam com Emma, a qual logo tem sua liderança questionada pelo russo Misha (Mark Ivanir) e a chinesa Lu (Vivian Wu) (representando um pensamento bem típico nas narrativas norte-americanas), da mesma forma que o representante indiano Ram (Ray Panthaki) e o ganense-britânico Kwesi (Ato Essandoh) a apoiam cegamente. Por isso, é preciso passar dos primeiros dois capítulos para que a narrativa tenha a oportunidade de explorar mais densamente seus personagens. 

Apesar de Emma ainda ser a protagonista, cada um dos personagens apresenta uma história bem construída ao final dos 10 episódios, contando com flashbacks e revelações pessoais. Assim, percepções variadas sobre os astronautas passam a ser possíveis como Misha e Lu, inicialmente presos ao estereótipo de antagonistas, tornam-se figuras carismáticas e complexas gradualmente ao mesmo tempo que Emma mostra suas fragilidades pessoais e de liderança. 

Um quase sci-fi 

Away’ é a primeira série de Andrew Hinderaker como showrunner e é perceptível a delicadeza na escrita vinda da experiência como roteirista de ‘Penny Dreadful’. Os roteiros, além de condizentes com a narrativa dos personagens, também buscam ao máximo fechar questões deixadas durante os episódios, conseguindo até mesmo se referenciar em momentos posteriores. Por outro lado, toda parte espacial e técnica sobre a missão é explicada de forma extremamente didática para o público e, para piorar, alguns problemas e soluções envolvendo o mau funcionamento da nave não convencem tanto quanto gostariam. 

Embora sejam simples ou irreais, os problemas técnicos da missão são muito bem pensados a longo prazo. A forma como os empecilhos são analisados tanto pelos tripulantes quanto pela base da missão na Terra dinamiza tais conflitos. Além disso, os problemas se desenvolvem pensando em vários elementos narrativos como a fotografia e cenografia: grande exemplo disto é concepção visual da caminhada espacial de Emma e Ram, a qual além de abordar um problema presente em vários episódios, também desenvolve a trama dos dois personagens – este momento ainda confirma a grande máxima da série de que a parte científica sempre será deixada de lado para o verdadeiro foco assumir. 

As relações humanas 

Para Emma, a principal dificuldade de sua viagem é o distanciamento do marido Matt (Josh Charles) e a filha Alexis (Talitha Eliana Bateman), sendo a narrativa construída principalmente sobre isso. Neste ponto, existe uma dualidade muito grande de interesses já que Hilary Swank e Josh Charles brilham quando a trama fala sobre seu casamento, ao mesmo tempo, que os conflitos de Alexis desmotivam o público por sua falta de ritmo. 

Sim, se o espaço tem Hilary Swank, a Terra tem a atuação muito bem colocada de Josh Charles. As cenas mais surrealistas onde os dois aparecem juntos na nave são grandes ápices durante os episódios, assim, a narração e a correspondência entre os dois por mensagem de voz nunca é tediosa ou repetitiva. Em contrapartida, todo desenvolvimento de Alexis é preocupante: “Away” possui um grande esforço em realizar uma boa construção da personagem, mas, ora isso ocorre de forma muito rápida, ora gradualmente, sendo bastante cansativo e tedioso, quando outros personagens mais interessantes existem. 

Mesmo com dificuldades, “Away” consegue mostrar uma coesão narrativa muito grande no que diz respeito a seus personagens e a missão de chegar a Marte. Um dos melhores momentos definitivamente é o episódio cinco, o qual trata sobre o Natal e todo drama familiar pode vir à tona, sendo até mesmo um divisor de águas na temporada já que as últimas vídeochamadas são realizadas no episódio também, possibilitando um crescimento do relacionamento entre a tripulação no restante da temporada. 

Depois de flertar com a temática espacial em ‘Perdidos no Espaço’ e ‘Space Force’, a Netflix apresenta mais uma boa opção de seriado com ‘Away’. Com a ficção científica em segundo plano, a produção pode ser um pouco frustrante para os fãs do gênero, mas, como um interessante drama familiar, ‘Away’ pode ser considerada tão boa quanto, por exemplo, uma ‘This Is Us’ da vida. 

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...