Bem-vindos, caros leitores, à nossa cobertura da nova série da HBO, Lovecraft Country. Pelas próximas semanas, vou comentar episódio a episódio da série e, claro, provavelmente algum spoiler deverá aparecer uma hora ou outra, então fica o aviso. E pelo que dá para se intuir por este primeiro episódio, parece que vai ser uma viagem emocionante.

Primeiro, uma contextualização, para quem talvez não saiba: quem diabos foi H. P. Lovecraft (1890-1937)? Foi um escritor norte-americano que, hoje em dia, é considerado um dos grandes pilares da literatura pulp de fantasia e terror. Embora não tenha alcançado sucesso em vida, Lovecraft escreveu histórias que sobreviveram ao tempo sobre o medo do desconhecido, loucura, cidades e criaturas mitológicas e horrores cósmicos tão grandes que, muitas vezes, não podiam nem ser descritos para o leitor. Ele influenciou grandes nomes como os escritores Neil Gaiman (“Deuses Americanos”), Clive Barker (“Hellraiser”), William S. Burroughs (“Naked Lunch”) e Stephen King (“O Iluminado”); o artista H. R. Giger (criador de “Alien”); e cineastas como John Carpenter (“O Enigma de Outro Mundo”) e Guillermo Del Toro (“A Forma da Água”).

Lovecraft era também um cara muito preconceituoso, especialmente antissemita e racista, e aí entra a série. “Lovecraft Country” é baseada no livro de Matt Ruff e desenvolvida pelos produtores Misha Green, J. J. Abrams (“Star Wars – Episódios IX”) e Jordan Peele (roteirista/diretor dos sucessos Corra! (2017) e Nós (2019))  e coloca protagonistas negros num contexto lovecraftiano, numa história que aborda, ao mesmo tempo, as tensões raciais dos Estados Unidos nos anos 1950 e ameaças sobrenaturais com um tom abertamente pulp. Aliás, só neste primeiro episódio são citadas, além das obras de Lovecraft, outros clássicos da fantasia como John Carter de Marte e O Senhor dos Anéis.

Essas citações surgem naturalmente na história graças à paixão do protagonista, Atticus (vivido por Jonathan Majors) pela literatura pulp, perfeitamente comunicada ao telespectador pela impressionante sequência de abertura do episódio. Ao receber notícias do pai desaparecido, Atticus parte numa viagem acompanhado de seu tio George (Courtney B. Vance) e da durona Letitia (Jurnee Smollett) em busca da misteriosa cidade de Ardham, situada em Lovecraft Country, onde estaria “a herança e o legado” da família, de acordo com o pai de Atticus. Para o rapaz, as histórias de Lovecraft têm chance de serem reais, e as descrições do autor de lugares e cidades podem fornecer dicas para a descoberta de um mundo estranho.

MONSTROS DA NOSSA REALIDADE

Mesmo sendo negro, Atticus ama Lovecraft – “as histórias são como as pessoas, não precisam ser perfeitas para que possamos amá-las”, diz a uma interlocutora num momento do episódio. Pena que, para descobrir esse lugar estranho, ele e seus companheiros de viagem – e não é com uma viagem que a maioria das histórias fantásticas começa? – precisam navegar antes pelos horrores da vida real. O horror de não querer andar na boleia de uma caminhonete dirigida por brancos, de ser perseguido por uma milícia de caipiras armados, de ter seu carro parado pela polícia. No ano em que vimos o caso George Floyd, essa cena adquire uma tensão poderosa. De fato, este primeiro episódio da série, intitulado “Pôr-do-Sol”, já é bastante assustador antes mesmo dos monstros lovecraftianos aparecerem.

O diretor do episódio, Yann Demange – do filme White Boy Rick (2018) – constrói habilmente a tensão desses momentos. A sequência com um xerife – o mais assustador monstro deste episódio – perseguindo os heróis até o limite do condado, com o sol se pondo numa corrida contra o tempo, é de deixar o espectador na ponta da cadeira, com uma montagem precisa e as atuações perfeitamente calibradas dos atores.

Realmente, quando a viagem começa, o episódio se torna realmente tenso e, ao mesmo tempo, incisivo no seu retrato do racismo sistêmico da época. Vemos os personagens percorrendo o meio-oeste americano e experimentando provocações e atribulações geradas do racismo numa sequência extremamente bem montada, enquanto ouvimos na trilha um discurso do escritor, dramaturgo e ativista James Baldwin (1924-1987) sobre a condição do negro nos EUA. É um momento arrepiante, no qual os elementos visuais se complementam ao discurso de maneira poderosa.

INÍCIO EMPOLGANTE

Este vibrante primeiro episódio alia momentos como esse com prazeres, digamos, mais básicos do gênero terror, como personagens lutando para fugir de monstros e sanguinolência explícita. Porém, mesmo neles, é emblemático o momento em que um policial vê um monstro se transformando ao seu lado, mas mantém sua arma apontada para o homem negro.

Ainda é cedo para dizer se essa mistura de alegoria com terror vai ser realmente bem explorada sem que um elemento roube a força do outro. E há mistérios que ficam de gancho para serem desenvolvidos depois: a ligação de Atticus para a Coréia, aquele pessoal branco e esquisito que aparece no final… Tomara que não sejam conduzidos no estilo J. J. Abrams. Mas é certo que este início de Lovecraft Country é muito promissor e empolgante. É difícil não sentir empolgação para ver o próximo. Vamos ver se os roteiristas e produtores vão conseguir a façanha de pegar as palavras e ideias de um racista e usá-las para tecer um forte comentário e uma história poderosa sobre o racismo nos EUA.

Uma coisa já posso dizer, no entanto: não faço ideia de para onde Lovecraft Country vai, mas já estou ansioso para ver o do próximo domingo.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...