Desde o fiasco de ‘Orgulho e Preconceito e Zumbis’ até o adorado ‘Retrato de Uma Jovem em Chamas’ já assisti uma quantidade razoável de romances de época – todas totalmente influenciadas pelas minhas leituras de Jane Austen. Mas, confesso que não quis me render aos best-sellers de Julia Quinn até sua série de livros ‘Os Bridgertons’ virar um seriado. A produção, a princípio, segue a receita de um romance épico: se trata de uma adaptação literária recheada de clichês românticos a qual insere leves críticas ao modo como a sociedade funcionava. Entretanto, com Shonda Rhimes na produção, alguns ingredientes a mais são acrescentados nesta receita, resultando em um dos maiores sucessos recentes da Netflix. 

Basicamente, a série faz jus ao seu título apresentando a família Bridgerton que, com a morte do patriarca, precisa se esforçar para corresponder ao mercado de casamentos, com atenção especial para Daphne (Phoebe Dynevor), a filha mais velha. Com o sonho de se casar por amor, a protagonista vê seu objetivo mais longe com o irmão Anthony (Jonathan Bailey) afugentando seus pretendentes. Frustrada e denominada como a grande decepção da temporada pela misteriosa Lady Whistledown, Daphne se une ao duque de Hastings (Regé-Jean Page), o solteiro mais requisitado, para voltar ao interesse público. A falsa união logicamente resulta em um romance água com açúcar entre os dois. 

VISUAL DESLUMBRANTE 

Com oito irmãos, a família Bridgerton é apresentada de forma surpreendentemente fácil. Cada um possui um drama único apesar da expectativa sobre Daphne ser o assunto principal. Já a mocinha, por sua vez, peca pelo excesso, tanto de aparições quanto de características incômodas como sua ingenuidade ou romantização de toda e qualquer situação. Para facilitar as coisas, o duque de Hastings é o contraponto essencial e, considerando o público-alvo feminino, a escolha do carismático Regé-Jean Page não precisa de grandes justificativas. 

Assim, a presença de personagens interessantes consegue manter a narrativa funcionando durante grande parte da trama, contando também com reviravoltas mirabolantes e tímidos gestos românticos – tudo apoiado por cenários e situações propícias: excessivos bailes, danças, cenários bucólicos e luxuosos. Nesse aspecto, os figurinos e locações de “Bridgerton” realmente ajudam a compor a história e aderir características aos personagens sem faltar com a verossimilhança à época como ‘Reign’, outra produção voltada ao público jovem, fez na adaptação de diversos figurinos. 

SHONDALAND 

Mesmo não sendo exatamente fácil de ser assistida devido a sua história previsível e cansativa, ‘Bridgerton’ possui pequenos diferenciais que eu atribuo ao selo da Shondaland em toda sua concepção. Como produtora, Shonda Rhimes escolheu um time conhecido como a própria showrunner Chris Van Dusen, com a qual trabalhou em ‘Scandal’ e ‘Grey’s Anatomy’. Esta afinidade por trás das câmeras foi essencial para que os temas específicos da produtora fossem desenvolvidos. 

Como é de praxe em suas obras, Shonda escolheu mais uma vez dar protagonismo a personagens e atores negros. Mesmo isso não sendo nenhuma novidade na Shondaland, no contexto de produções de época, a escolha foi considerada polêmica já que a grande maioria das obras reduz atores negros a papeis de escravos devido a “correspondência histórica”. Encontrando uma alternativa entre esses dois parâmetros, Shonda insere a história da rainha Charlotte, que segundo alguns documentos históricos, seria descendente de africanos. 

TABUS EM DEBATE 

Assim, com uma rainha negra e um protagonista negro sendo o solteiro mais cobiçado, ‘Bridgerton’ faz história com essa escolha, aproveitando também para colocar um pequeno lembrete na trama em como as famílias de descentes negros tiveram uma difícil aceitação na sociedade inglesa.  

Porém, o diferencial não para por aí, além da questão racial, outro assunto muito comum nessas produções é o pudor da época e a grande ausência de cenas ou indicativos sexuais. Deixando tudo isto de lado, Shonda decide criar uma tensão sexual entre os personagens e debater o próprio sexo como tabu entre mulheres, o que era muito comum em 1813 e ainda é em 2021. 

Esses dois importantes diferenciais permitem a série abordar também a questão da gravidez não pretendida, a imposição de classes sociais, a independência feminina e outros temas que continuam bem atuais. Por isso, apesar de não ser nenhum clássico moderno, ‘Bridgerton’ é uma produção importante no aspecto de reinventar e atualizar romances de época. 

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...

‘A Escada’: direção criativa acerta ao contar narrativa repetida

Em 2018, a Netflix colocou em seu streaming a produção documental “The Staircase”, dirigida por Jean-Xavier de Lestrade (vencedor do Oscar de melhor documentário por “Assassinato numa manhã de domingo”). A série true-crime acompanha o escritor Michael Peterson,...

‘Em Casa com os Gil’: palco de afeto e musicalidade

“Em Casa com os Gil”, nova aposta da Amazon Prime, é um convite para adentrar a casa de um dos maiores artistas da história da música e cultura brasileira, Gilberto Gil. Ali, naquele casarão em Araras (RJ), com o seu clã todo reunido, Gil abre a suas portas e...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 5: oportunidades perdidas

Quem está acompanhando as críticas de Obi-Wan Kenobi aqui no Cine Set deve ter notado que tenho considerado a personagem Reva problemática. Por quatro episódios, ela parecia malvada demais, exageradamente determinada em encontrar o herói da trama sem que houvesse uma...

‘Maldivas’: diversão inofensiva made in Netflix

Nada como uma boa diversão inofensiva, né? Tem dias que pedem (se bem que, sendo brasileira, isso é a todo momento). Foi com isso na cabeça que comecei a assistir a “Maldivas”, nova série nacional da Netflix. No caso dessa produção, é difícil desassociar-se da...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 4: série avança ao resgatar essência de ‘Star Wars

“Star Wars” nunca deve ser enfadonho. É uma das lições que a trilogia original ainda lega aos cineastas que seguem seus passos e continuam explorando o universo que George Lucas criou, seja no cinema e, agora, no streaming. Às vezes, o roteiro ou a história em si...

‘Iluminadas’: Wagner Moura brilha em série sobre misoginia nos anos 1990

Se remakes e a onda de nostalgia tem sido alguns dos propulsores da cultura pop, “Iluminadas” consegue homenagear os filmes de suspense e serial killer populares nos anos 1990. Baseada no livro homônimo de Lauren Beukes, a produção original da Apple TV+ conta com um...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 3: o retorno de Darth Vader

Bem... Sabíamos que ele iria aparecer, certo? A Disney já tinha divulgado uma foto dele antes da estreia de Obi-Wan Kenobi e a cena final da Parte 2 da minissérie praticamente garantia que veríamos ninguém menos que Darth Vader. Agora, neste novo episódio, o lorde...

‘Stranger Things 4’ – Volume 1: força do elenco move temporada

Quando “Lost” começou a ruir definitivamente, os resilientes fãs permaneceram acompanhando a série muito mais pelo apego a Jack, Kate, Sawyer, Sayid, Desmond do que pela vã esperança de que os mistérios teriam uma resolução diga. Da mesma forma ainda que (bem) longe...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódios 1 e 2

Antes de tudo, uma confissão, leitor, em nome da honestidade: eu me desliguei de Star Wars desde o final de 2019, quando fui ao cinema testemunhar o desastre A Ascensão Skywalker. Sério, o filme do J. J. Abrams conseguiu realizar a façanha de pegar meu entusiasmo pela...