Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na genialidade de Chaplin, mas, com certeza, foi um de seus favoritos por mostrar Carlitos em sua melhor forma na comédia. 

‘Em Busca do Ouro’ apresenta Carlitos (Charles Chaplin) tentando a sorte como garimpeiro em meio a corrida do ouro no ano de 1898, no Alasca. No local, ele conhece Jim McKay (Mack Swain), com o qual enfrenta uma tempestade de neve e a dançarina Georgia (Georgia Hale), a qual torna-se seu interesse amoroso. Baseado em um acontecimento propriamente norte-americano, a trama ressalta exatamente comportamentos controversos de seus habitantes locais. 

LEIA TAMBÉM – Classic Movies: “O Garoto” (1921)

Mesmo com o humor pastelão presente em todas suas cenas, ‘Em Busca do Ouro’ mostra um lado mais crítico de Chaplin, o qual chega a quase gerar desconforto no público. Esse elemento é encontrado principalmente nas cenas em que destacam a luta por sobrevivência em um cenário inóspito contra a ganância de seus personagens. 

Apesar de ter sido relançado em 1942 com novos efeitos sonoros (feito que ganhou duas indicações ao Oscar), a trilha sonora do longa já se apresentava como uma característica notável em sua primeira estreia, fato que não se atribui somente à ausência de falas. Seja para criar a atmosfera de aventura ou para os momentos românticos, a música funciona muito bem, sendo inclusive interessante assemelhar o tom romântico utilizado tanto nos momentos com Georgia quanto nas poucas refeições feitas por Carlitos. 

MELANCOLIA AGRIDOCE 

Mais memorável que o próprio título do filme são algumas de suas cenas que mostram o estilo marcante de Chaplin na comédia. Além da dança com pés de pão, o grande destaque volta para as singelas críticas sociais com a icônica cena de Carlitos e McKay comendo um sapato cozido de forma quase gourmetizada. 

No decorrer de todo longa, é possível notar que cada uma das cenas protagonizadas por Carlitos são acompanhadas de humor, o qual, por vezes, também apresenta traços melancólicos. Essa característica relembra muito os curtas protagonizados por Chaplin, como se cada cena fosse um próprio curta com a intenção de entreter por si só. É claro que, se tratando de um longa, estes momentos criam um entendimento e mensagem final ao serem unidos. 

É este tipo de entendimento sobre o filme, seu equilíbrio entre humor pastelão e melancolia que tornam ‘Em Busca do Ouro’ uma obra a qual vale a pena ser revisitada após quase 100 anos de seu lançamento. Mesmo sem falas, a concepção de Chaplin assim como sua presença garantem um filme fácil de ser assistido, com um humor leve e que ainda é capaz de surpreender por suas sutilezas críticas. 

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...