Uma das coisas mais bonitas em contemplar durante a experiência fílmica são as relações humanas e seus impactos na vida. São os laços forjados que unem diferentes pessoas em períodos sombrios. É a forma melancólica de como o ser humano lida com os horrores da guerra, da solidão e do amor. É nesta base poética que o cineasta alemão Christian Petzold constrói ‘Em Trânsito’.

A produção marca o último filme da trilogia ‘Amor em Tempos de Sistemas Opressivos’ composta ainda por “Bárbara” (2012) e “Phoenix” (2014). Baseada no livro “Transit”, de Anna Seghers, “Em Trânsito”, entretanto, independe de seus precursores. A trama minimalista de Petzold tem a intenção de nos deixar imersos nas vivências e infortúnios de um homem fadado às relações líquidas e emoções usurpadas.  

O filme conta a história de Georg (Franz Rogowski) e se passa na França de 1940, nas semanas anteriores a chegada dos nazistas. É nesse cenário de fuga e desespero que o protagonista recebe o pedido de um amigo para encontrar o escritor Franz Weidel. Após descobrir que Weidel está morto, Georg foge para Marselha e acaba assumindo a identidade do autor. Durante sua jornada na cidade portuária, na tentativa de se refugiar no México, Georg encontra a bela Marie (Paula Beer) esposa do falecido escritor, por quem acaba se apaixonando.

A obra de Petzold, que também assina o roteiro, não é de simples apreciação. Com o perdão da analogia, ela é como um prato requintado em um restaurante fino, que precisa ser degustada com calma e com um paladar aguçado.  ‘Em Trânsito’ é belíssimo ao retratar a vida de refugiados, o terror causado pela guerra e de como o ser humano é capaz de se apegar ao mais ínfimo afeto por pura solidão. Mesmo utilizando uma ‘trama de guerra’ já conhecida e retratada a exaustão no cinema, aqui, a invasão na França é deixada sabiamente a segundo plano pelo diretor.

DENSIDADE E MINIMALISMO

Com uma narrativa linear, repleta de surpresas e simbolismo, casado a uma atmosfera depressiva, que a todo momento desperta no público uma angústia na espera que o pior aconteça, um dos fatores primordiais para o sucesso da trama é seu protagonista. O ator alemão Franz Rogowski parece confortável ao viver um personagem literário trágico. Suas feições, sua fala e seus gestos me lembraram bastante de Jean Batiste (vivido por Ben Whishaw em “Perfume: A História de um Assassino”).

É praticamente impossível não sentir as emoções de Georg, seja quando ele desenvolve uma relação “paternal” com o menino Driss (Lilien Batman) ou com Marie. A história deixa claro que tudo ali é passageiro e que todos, em algum momento, vão embora. Outro ponto a ser analisado na obra de Petzold são suas escolhas peculiares por uma fotografia clara, viva, que preza pelos tons de azul e amarelo, nunca deixando o cenário escuro.

Mesmo ambientado na França de 1940, a Marselha de ‘Em Trânsito’ não faz questão de ser fiel ao período, outra escolha que reforça a diegese literária do filme. Reforçando o tom lírico da obra, um narrador é adicionado na história, responsável por nos apresentar sentimentos que o protagonista nunca expõe. De certa maneira, é aceitável a narrativa que vai de encontro ao estilo do diretor, no entanto, o narrador é desnecessário quando escolhe relatar o que estamos vendo em tela.

Outro ponto crítico do filme é como usa Marie. A personagem aparece sempre com tons de vermelho, seja na roupa ou no batom, e se torna apenas um objeto de afeto do protagonista, sem nunca acrescentar a trama. No terceiro ato, ela serve como um artifício final fácil demais, para uma obra tão densa e minimalista como esta. De qualquer modo, é preciso dizer que ‘Em Trânsito’ serve como uma experiência cinematográfica profunda, que deixa seu público à deriva minutos após o desfecho.

‘O Massagista’: brechas incômodas atrapalham boa premissa

Dirigido pelo filipino Brillante Mendoza e lançado em 2005, “O Massagista” - selecionado como parte da seção Open Doors do Festival de Cinema de Locarno deste ano - é uma produção que tem mais potencial do que sua execução consegue realizar, embora possa ser de...

Semana Claire Denis – ‘35 Doses de Rum’: a magia da vida cotidiana

Para muitos, o cinema é a arte dos sonhos. Viver momentos que só existem nesse ambiente. O que importa são as grandes cenas de ação, os melodramas que comovem seus personagens a agir. É o close, é a câmera na mão correndo atrás de alguém, é a cena de solidão na morte...

Semana Claire Denis: ‘Minha Terra, África’ (2009): cinema de fluxo na guerra armada

Chega a ser curioso notar que uma das cineastas mais interessantes de sua geração, Claire Denis, seja tão pouco conhecida pelo grande público. Nome respeitadíssimo dentro do circuito dos festivais de arte e do meio audiovisual europeu, Denis é uma diretora que você...

Semana Claire Denis – ‘Bom Trabalho’ (1999): ótica inovadora do cotidiano militar

Constantemente, eu falo nos textos e vídeos do Cine Set sobre a massiva presença de diretores e roteiristas homens ao retratarem narrativas femininas. Entretanto, confesso que nunca pensei na chance do contrário acontecer e, felizmente, pude contemplar esta...

Semana Claire Denis – ‘Chocolate’ (1988): memórias de uma África Colonial

A pandemia de Covid-19 fez com que a distância se tornasse uma convenção social em prol da saúde. Talvez este seja o motivo que, ao observar um filme como “Chocolate”, ela se torne algo incômodo. Em 1988, Claire Denis estreava na direção de longas-metragens com um...

‘Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive’: o ácido tratado de Rosa von Praunheim

O Brasil de 2019 vive um momento no qual nosso presidente acha pertinente vetar o financiamento de produção audiovisual que trabalhe a temática LGBT+ e o prefeito do Rio de Janeiro decide agir como um típico censor ao mandar recolher livros por causa de um beijo. Ao...

‘Old-Timers’: humor na busca de vingança gera ótima comédia tcheca

Com pouco tempo de vida pela frente, dois velhos amigos partem para encontrar e matar um promotor comunista que os prendeu na década de 1950. Essa é a premissa de “Old-Timers”, comédia que teve uma recepção muito calorosa no Festival Internacional de Cinema de Karlovy...

‘Monos’: coming-of-age da Colômbia com ecos de ‘O Senhor das Moscas’

Crescer não é fácil, mas certamente fica ainda mais complicado se você é membro de um esquadrão paramilitar em uma região selvagem e desolada. “Monos”, novo filme do diretor colombiano Alejandro Landes, cria uma psicodélica jornada de crescimento que pode ser estranha...

‘Na Fábrica’: o vestido assassino do mestre da estranheza da atualidade

Nova produção do diretor britânico Peter Strickland, “Na Fábrica” conta a bizarra história de um vestido com instinto assassino. Você pode ler isso de novo. Depois de aclamadas passagens pelos festivais de Londres e Toronto em 2018 e uma ótima recepção no Festival...

‘My Thoughts Are Silent’: ótima viagem sarcástica em road movie ucraniano

A procura por uma saída move os protagonistas de “My Thoughts Are Silent” – comédia excêntrica lançada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Ganhador do prêmio especial do júri na competição East of the West, que reúne filmes...