O fim do contrato entre a Marvel e a Netflix, finalmente, chegou ao capítulo final com a terceira temporada de “Jessica Jones”. Apesar desta oportunidade ser aproveitada para concluir a história da heroína sem interrupções abruptas como ocorreu em ‘Os Defensores’ e ‘Demolidor’, a série não consegue apresentar uma trama envolvente e acaba replicando os problemas apresentados em anos anteriores.

De volta como protagonista, Krysten Ritter continua carregando a produção nas costas. Desta vez, Jessica Jones deve lidar com a morte de sua mãe ao mesmo tempo em que confronta o serial killer Gregory Sallinger (Jeremy Bobb). Para completar a narrativa, sua antiga conhecida Trish Walker (Rachael Taylor) retorna após ter adquirido superpoderes. Assim, a perseguição contra Sallinger passa a envolver tanto Jessica quanto Trish em uma trama cada vez mais pessoal e familiar.

Apesar de possuir uma boa história como base, a terceira temporada de “Jessica Jones” não consegue aproveitar esta trama para criar um grande envolvimento com o público. Sallinger é um bom vilão, porém, a forma como Jessica e Trish passam a lidar com a frustração de não conseguir incriminá-lo se torna um arco muito cansativo para uma produção que já foi bem enérgica em seu primeiro ano.

Leia a crítica da primeira temporada de “Jessica Jones”

Dentre as cenas de investigação e perseguições, Jessica continua com o discurso sobre as definições de heroísmo e qual seu verdadeiro objetivo. Mesmo sendo questionamentos válidos para personagens na posição de super-heróis aguentar uma nova definição da palavra para cada um dos 13 episódios é dose.

Para além dos conflitos de Jessica, o seriado também apresenta subtramas com textos interessantes, os quais deveriam ser melhor aproveitados em seus episódios. A advogada Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss) é um grande exemplo de personagem multifacetada que envolve diversos temas relevantes como sua doença degenerativa, violência contra mulher e até mesmo o conceito de justiça. Esta situação talvez apresente o principal defeito da série: possuir boas intenções que não conseguem se transformar em uma trama interessante.

Antigos Problemas

A terceira temporada tinha chances de criar um desfecho digno para Jessica Jones, principalmente por conseguir apresentar boas cenas de ação. Entretanto, o formato da série volta a ser um empecilho na dinâmica com o espectador: os 13 episódios parecem muitos para pouco conteúdo, o que, combinado com a duração de uma hora de cada episódio corrobora para a sensação de que a série continua a dar voltas sem avançar efetivamente.

A própria história do serial killer Sallinger poderia ser facilmente resolvida em três ou quatro capítulos. Porém, desde o terceiro, acompanhamos o vilão e a reciclagem de sua história por mais 10 (!!) episódios e, infelizmente, a força da presença de um antagonista como Kilgrave (David Tennant) nunca voltou a ser presente no seriado. Uma situação que a showrunner Melissa Rosenberg tem conhecimento e usa como última tentativa em emplacar um final impactante com a lembrança de Kilgrave nos minutos finais do episódio derradeiro.

Leia a crítica da segunda temporada de “Jessica Jones”

Para completar o problema do formato, a narração de Jessica Jones nunca foi tão superficial e mal aproveitada. Ao invés de relevar conflitos e pensamentos internos da personagem, o voice-over explica a trama de forma extremamente didática, assim como quais serão os próximos passos da protagonista, deixando qualquer tentativa de reviravolta ofuscada.

Junto com ‘Demolidor’, ‘Jessica Jones’ protagonizou os melhores momentos da Marvel na Netflix. Apesar de não encerrar sua história de forma grandiosa ou, ao menos, satisfatória, a improvável heroína, definitivamente, apresentou avanços significativos para o gênero de super-heróis em seriados, deixando um marco para a história do entretenimento. E isto é algo que muitas séries, com o dobro de temporadas, não foram capazes de fazer.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...