O fim do contrato entre a Marvel e a Netflix, finalmente, chegou ao capítulo final com a terceira temporada de “Jessica Jones”. Apesar desta oportunidade ser aproveitada para concluir a história da heroína sem interrupções abruptas como ocorreu em ‘Os Defensores’ e ‘Demolidor’, a série não consegue apresentar uma trama envolvente e acaba replicando os problemas apresentados em anos anteriores.

De volta como protagonista, Krysten Ritter continua carregando a produção nas costas. Desta vez, Jessica Jones deve lidar com a morte de sua mãe ao mesmo tempo em que confronta o serial killer Gregory Sallinger (Jeremy Bobb). Para completar a narrativa, sua antiga conhecida Trish Walker (Rachael Taylor) retorna após ter adquirido superpoderes. Assim, a perseguição contra Sallinger passa a envolver tanto Jessica quanto Trish em uma trama cada vez mais pessoal e familiar.

Apesar de possuir uma boa história como base, a terceira temporada de “Jessica Jones” não consegue aproveitar esta trama para criar um grande envolvimento com o público. Sallinger é um bom vilão, porém, a forma como Jessica e Trish passam a lidar com a frustração de não conseguir incriminá-lo se torna um arco muito cansativo para uma produção que já foi bem enérgica em seu primeiro ano.

Leia a crítica da primeira temporada de “Jessica Jones”

Dentre as cenas de investigação e perseguições, Jessica continua com o discurso sobre as definições de heroísmo e qual seu verdadeiro objetivo. Mesmo sendo questionamentos válidos para personagens na posição de super-heróis aguentar uma nova definição da palavra para cada um dos 13 episódios é dose.

Para além dos conflitos de Jessica, o seriado também apresenta subtramas com textos interessantes, os quais deveriam ser melhor aproveitados em seus episódios. A advogada Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss) é um grande exemplo de personagem multifacetada que envolve diversos temas relevantes como sua doença degenerativa, violência contra mulher e até mesmo o conceito de justiça. Esta situação talvez apresente o principal defeito da série: possuir boas intenções que não conseguem se transformar em uma trama interessante.

Antigos Problemas

A terceira temporada tinha chances de criar um desfecho digno para Jessica Jones, principalmente por conseguir apresentar boas cenas de ação. Entretanto, o formato da série volta a ser um empecilho na dinâmica com o espectador: os 13 episódios parecem muitos para pouco conteúdo, o que, combinado com a duração de uma hora de cada episódio corrobora para a sensação de que a série continua a dar voltas sem avançar efetivamente.

A própria história do serial killer Sallinger poderia ser facilmente resolvida em três ou quatro capítulos. Porém, desde o terceiro, acompanhamos o vilão e a reciclagem de sua história por mais 10 (!!) episódios e, infelizmente, a força da presença de um antagonista como Kilgrave (David Tennant) nunca voltou a ser presente no seriado. Uma situação que a showrunner Melissa Rosenberg tem conhecimento e usa como última tentativa em emplacar um final impactante com a lembrança de Kilgrave nos minutos finais do episódio derradeiro.

Leia a crítica da segunda temporada de “Jessica Jones”

Para completar o problema do formato, a narração de Jessica Jones nunca foi tão superficial e mal aproveitada. Ao invés de relevar conflitos e pensamentos internos da personagem, o voice-over explica a trama de forma extremamente didática, assim como quais serão os próximos passos da protagonista, deixando qualquer tentativa de reviravolta ofuscada.

Junto com ‘Demolidor’, ‘Jessica Jones’ protagonizou os melhores momentos da Marvel na Netflix. Apesar de não encerrar sua história de forma grandiosa ou, ao menos, satisfatória, a improvável heroína, definitivamente, apresentou avanços significativos para o gênero de super-heróis em seriados, deixando um marco para a história do entretenimento. E isto é algo que muitas séries, com o dobro de temporadas, não foram capazes de fazer.

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 2: Polin dá espaço para a centralidade feminina

Querido e gentil leitor, chegamos ao fim da era Polin.  Preciso compartilhar que uma mescla de sentimentos me assolam neste momento. Me sinto feliz por ter visto Penélope sair do casulo e assumir seu lugar como borboleta, enganada pelas poucas cenas Polin nesse...

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...