Caro leitor, você conhece a expressão “massavéio”? É um daqueles neologismos divertidos que brasileiros criam com a língua portuguesa. No caso, é usado por tiozinhos como eu, quarentões que ocasionalmente ainda leem histórias em quadrinhos de super-heróis. O “massavéio” é melhor exemplificado por uma ideia: algo como ver uma ilustração do Batman empunhando um sabre de luz enquanto enfrenta dinossauros armados com metralhadoras, entendeu? A gente dizia “É massa, véio!” quando via algo assim, e virou a corruptela “massavéio”. É algo maneiro, cool, que não faz muito sentido, mas desperta atenção pelo espetáculo que se basta por si só. Aliás, tenho certeza que alguém, em algum lugar, já desenhou essa imagem…

Liga da Justiça de Zack Snyder é o “massaveísmo” em forma de cinema. É a expressão máxima do cineasta Zack Snyder, sem filtros, sem notas de estúdio ou preocupações além de colocar na tela a sua visão dos super-heróis DC. Você provavelmente conhece os bastidores desse projeto: Snyder fez O Homem de Aço (2013) e Batman vs. Superman: A Origem da Justiça (2016) como o arquiteto do Universo DC no cinema, que o estúdio Warner queria que competisse de igual para igual com o do Marvel Studios. Os dois filmes foram bem nas bilheterias, mas dividiram opiniões e fãs. Pressionado pelo estúdio, Snyder filmou sua versão de Liga, mas não pôde terminá-la por uma tragédia pessoal – sua filha Autumn cometeu suicídio. A Warner, em vez de dar um tempo para que se recuperasse, o colocou de escanteio e chamou Joss Whedon, de Os Vingadores (2012), para concluir o filme e o resultado foi um Frankenstein feito por comitê com pitadas “marvelizadas” que decepcionou nas bilheterias, embora nem seja assim tão desastroso. Dentre os filmes Warner/DC recentes, Esquadrão Suicida (2016) e Mulher Maravilha 1984 (2020) são muito, muito piores que Liga da Justiça.

Snyder conseguiu completar seu Liga depois de uma campanha maciça na internet e também graças ao desejo da Warner em alavancar o streaming da HBO Max. O resultado é este épico de 4 horas de muito “massaveísmo”. A trama, em si, é a mesma do filme lançado em 2017: temos “MacGuffins”, as tais caixas maternas que são perseguidos por heróis e vilões, o fim do mundo está vindo e blá blá blá. No time dos heróis, Batman (Ben Affleck) e Mulher Maravilha (Gal Gadot) tentam recrutar os demais superpoderosos para formar uma equipe. O time dos vilões é chefiado pelo Lobo da Estepe (Ciáran Hinds), que ganhou um upgrade espinhoso na sua armadura na visão de Snyder.

FESTIVAL SNYDER DE CÂMERA LENTA

A nova versão tem alguns dos mesmos problemas da anterior: a história é boba e bem rasa, e o Lobo da Estepe continua o vilão mais sem graça dos últimos anos num grande blockbuster de heróis – deve ter sido o personagem em computação gráfica mais fácil de animar em todos os tempos, visto que só tem uma expressão facial. E em vários momentos, parece um videogame quando a ação começa. Mas a visão de Snyder traz seus próprios temperos à receita…

Para começar, ele se aproveita da liberdade que o streaming lhe deu e, incentivado por sua legião de fãs, coloca tudo e mais a pia da cozinha no filme. Sua versão de Liga é um filme inchado, especialmente nas duas primeiras horas (!). São muitas redundâncias: o Aquaman (Jason Momoa) recusa duas vezes embarcar na aventura, a batalha das Amazonas contra o Lobo da Estepe parece que não acaba nunca. E a câmera lenta não ajuda. Snyder é muito talentoso na criação de suas composições visuais. Há planos nesse filme que poderiam virar quadros nas paredes de nerds em todo o mundo. Mas é tanta câmera lenta que, brincando, podemos até achar que o filme diminuiria em uma hora se os planos alongados transcorressem em velocidade normal.

Claro, Snyder usa desse artifício para engrandecer personagens e situações. Mas, quando tudo é épico, quase nada acaba sendo. A situação chega a um ponto que até uma semente de gergelim de um pão de sanduíche aparece caindo em câmera lenta; não há outra reação possível a não ser o riso. É cinema do excesso em último grau. E se os heróis DC são deuses na visão do diretor, é difícil se relacionar com eles: Snyder continua sem compreender alguns deles ou já deixou de se importar – bizarro é o momento em que uma menininha pergunta à Mulher Maravilha se pode ser como ela, depois de vê-la pulverizar um vilão. O único personagem que ganha um arco dramático verdadeiro é o Ciborgue (Ray Fisher), cuja participação é bastante expandida em relação à versão de cinema. Desenvolver o Ciborgue e transformá-lo na alma da equipe é uma boa ideia na teoria, mas fica devendo na prática porque o personagem continua um pesadelo de design, um pedaço de CGI esquisito que não cativa apesar do esforço de Fisher.

PARADOXO SNYDER

Ainda assim… Depois que a trama realmente engrena – e demora até lá – Liga de Snyder começa a se tornar algo… divertido? O cinema do excesso de repente se torna mais focado, e Snyder sempre se deu melhor quanto mais simples eram as narrativas de seus filmes. O diretor manda fanservices bobos que deixarão confusos espectadores sem familiaridade com as HQs, inclui algumas piadas (!), cria um clímax inegavelmente empolgante e, definitivamente, põe na tela o espetáculo que os super-heróis mais icônicos do mundo merecem e que a versão de cinema, de forma meio banal, tentou criar. Ainda assim, há várias semelhanças entre as duas versões, talvez mais do que muitos fãs queiram admitir.

Liga da Justiça de Zack Snyder é bom? Mais ou menos. Quem não gosta de Snyder não vai se converter; quem já o idolatra vai rezar dobrado no altar dele depois de vê-lo. De certa forma, é um filme à prova de crítica. E a sua existência levanta debates até mais interessantes sobre a questão de autoralidade em Hollywood e, no fim das contas, Snyder é autor, goste-se ou não. Apesar de tudo, esse Liga era o que deveria ter chegado aos cinemas – claro, não com quatro horas de duração… É mais épico, a trama faz um pouco mais de sentido, tem identidade. O filme inegavelmente funciona, a partir de certo ponto, de um jeito bem primitivo, apelando para a porção lagarto do cérebro do espectador que se empolga com o Batman disparando raios laser em monstros insectóides, com a Mulher Maravilha decapitando inimigos, ou com o Superman (Henry Cavill) vestido de preto.  Momentos como esses e outros em Liga da Justiça de Zack Snyder apelam à nossa fantasia de infância, a empolgação com aventuras e fantasias.

Liga da Justiça de Zack Snyder é um filme paradoxal: seu diretor posa de adultão, mas seu filme é para todos que são crianças de alma. Ele devia admitir isso, não há nada de errado. Afinal de contas, certos tipos de “massaveísmo” são muito, muito difíceis de resistir.

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...