Caro leitor, você conhece a expressão “massavéio”? É um daqueles neologismos divertidos que brasileiros criam com a língua portuguesa. No caso, é usado por tiozinhos como eu, quarentões que ocasionalmente ainda leem histórias em quadrinhos de super-heróis. O “massavéio” é melhor exemplificado por uma ideia: algo como ver uma ilustração do Batman empunhando um sabre de luz enquanto enfrenta dinossauros armados com metralhadoras, entendeu? A gente dizia “É massa, véio!” quando via algo assim, e virou a corruptela “massavéio”. É algo maneiro, cool, que não faz muito sentido, mas desperta atenção pelo espetáculo que se basta por si só. Aliás, tenho certeza que alguém, em algum lugar, já desenhou essa imagem…

Liga da Justiça de Zack Snyder é o “massaveísmo” em forma de cinema. É a expressão máxima do cineasta Zack Snyder, sem filtros, sem notas de estúdio ou preocupações além de colocar na tela a sua visão dos super-heróis DC. Você provavelmente conhece os bastidores desse projeto: Snyder fez O Homem de Aço (2013) e Batman vs. Superman: A Origem da Justiça (2016) como o arquiteto do Universo DC no cinema, que o estúdio Warner queria que competisse de igual para igual com o do Marvel Studios. Os dois filmes foram bem nas bilheterias, mas dividiram opiniões e fãs. Pressionado pelo estúdio, Snyder filmou sua versão de Liga, mas não pôde terminá-la por uma tragédia pessoal – sua filha Autumn cometeu suicídio. A Warner, em vez de dar um tempo para que se recuperasse, o colocou de escanteio e chamou Joss Whedon, de Os Vingadores (2012), para concluir o filme e o resultado foi um Frankenstein feito por comitê com pitadas “marvelizadas” que decepcionou nas bilheterias, embora nem seja assim tão desastroso. Dentre os filmes Warner/DC recentes, Esquadrão Suicida (2016) e Mulher Maravilha 1984 (2020) são muito, muito piores que Liga da Justiça.

Snyder conseguiu completar seu Liga depois de uma campanha maciça na internet e também graças ao desejo da Warner em alavancar o streaming da HBO Max. O resultado é este épico de 4 horas de muito “massaveísmo”. A trama, em si, é a mesma do filme lançado em 2017: temos “MacGuffins”, as tais caixas maternas que são perseguidos por heróis e vilões, o fim do mundo está vindo e blá blá blá. No time dos heróis, Batman (Ben Affleck) e Mulher Maravilha (Gal Gadot) tentam recrutar os demais superpoderosos para formar uma equipe. O time dos vilões é chefiado pelo Lobo da Estepe (Ciáran Hinds), que ganhou um upgrade espinhoso na sua armadura na visão de Snyder.

FESTIVAL SNYDER DE CÂMERA LENTA

A nova versão tem alguns dos mesmos problemas da anterior: a história é boba e bem rasa, e o Lobo da Estepe continua o vilão mais sem graça dos últimos anos num grande blockbuster de heróis – deve ter sido o personagem em computação gráfica mais fácil de animar em todos os tempos, visto que só tem uma expressão facial. E em vários momentos, parece um videogame quando a ação começa. Mas a visão de Snyder traz seus próprios temperos à receita…

Para começar, ele se aproveita da liberdade que o streaming lhe deu e, incentivado por sua legião de fãs, coloca tudo e mais a pia da cozinha no filme. Sua versão de Liga é um filme inchado, especialmente nas duas primeiras horas (!). São muitas redundâncias: o Aquaman (Jason Momoa) recusa duas vezes embarcar na aventura, a batalha das Amazonas contra o Lobo da Estepe parece que não acaba nunca. E a câmera lenta não ajuda. Snyder é muito talentoso na criação de suas composições visuais. Há planos nesse filme que poderiam virar quadros nas paredes de nerds em todo o mundo. Mas é tanta câmera lenta que, brincando, podemos até achar que o filme diminuiria em uma hora se os planos alongados transcorressem em velocidade normal.

Claro, Snyder usa desse artifício para engrandecer personagens e situações. Mas, quando tudo é épico, quase nada acaba sendo. A situação chega a um ponto que até uma semente de gergelim de um pão de sanduíche aparece caindo em câmera lenta; não há outra reação possível a não ser o riso. É cinema do excesso em último grau. E se os heróis DC são deuses na visão do diretor, é difícil se relacionar com eles: Snyder continua sem compreender alguns deles ou já deixou de se importar – bizarro é o momento em que uma menininha pergunta à Mulher Maravilha se pode ser como ela, depois de vê-la pulverizar um vilão. O único personagem que ganha um arco dramático verdadeiro é o Ciborgue (Ray Fisher), cuja participação é bastante expandida em relação à versão de cinema. Desenvolver o Ciborgue e transformá-lo na alma da equipe é uma boa ideia na teoria, mas fica devendo na prática porque o personagem continua um pesadelo de design, um pedaço de CGI esquisito que não cativa apesar do esforço de Fisher.

PARADOXO SNYDER

Ainda assim… Depois que a trama realmente engrena – e demora até lá – Liga de Snyder começa a se tornar algo… divertido? O cinema do excesso de repente se torna mais focado, e Snyder sempre se deu melhor quanto mais simples eram as narrativas de seus filmes. O diretor manda fanservices bobos que deixarão confusos espectadores sem familiaridade com as HQs, inclui algumas piadas (!), cria um clímax inegavelmente empolgante e, definitivamente, põe na tela o espetáculo que os super-heróis mais icônicos do mundo merecem e que a versão de cinema, de forma meio banal, tentou criar. Ainda assim, há várias semelhanças entre as duas versões, talvez mais do que muitos fãs queiram admitir.

Liga da Justiça de Zack Snyder é bom? Mais ou menos. Quem não gosta de Snyder não vai se converter; quem já o idolatra vai rezar dobrado no altar dele depois de vê-lo. De certa forma, é um filme à prova de crítica. E a sua existência levanta debates até mais interessantes sobre a questão de autoralidade em Hollywood e, no fim das contas, Snyder é autor, goste-se ou não. Apesar de tudo, esse Liga era o que deveria ter chegado aos cinemas – claro, não com quatro horas de duração… É mais épico, a trama faz um pouco mais de sentido, tem identidade. O filme inegavelmente funciona, a partir de certo ponto, de um jeito bem primitivo, apelando para a porção lagarto do cérebro do espectador que se empolga com o Batman disparando raios laser em monstros insectóides, com a Mulher Maravilha decapitando inimigos, ou com o Superman (Henry Cavill) vestido de preto.  Momentos como esses e outros em Liga da Justiça de Zack Snyder apelam à nossa fantasia de infância, a empolgação com aventuras e fantasias.

Liga da Justiça de Zack Snyder é um filme paradoxal: seu diretor posa de adultão, mas seu filme é para todos que são crianças de alma. Ele devia admitir isso, não há nada de errado. Afinal de contas, certos tipos de “massaveísmo” são muito, muito difíceis de resistir.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...