Existe uma bela história sobre feminilidade, privilégios e o problema racial nos Estados Unidos dentro de Little Fires Everywhere (“Pequenos Incêndios por Toda Parte”), minissérie da ABC Signature disponível aqui pelo Amazon Prime Service… Pena que essa história às vezes se perca, ou seja diluída, por clichês dramáticos e elementos “novela das 8”. A minissérie é baseada no livro homônimo de Celeste Ng e estrelada pelas atrizes Reese Witherspoon e Kerry Washington – ambas são também produtoras do seriado.

É uma história ambientada em 1997, sobre duas mulheres bem diferentes vivendo no subúrbio (aparentemente) idílico de Shaker Heights, Ohio. Elena (Witherspoon) é mãe de quatro filhos adolescentes, casada com um advogado bem-sucedido – e só transa com o marido nos dias marcados na semana – e vive bem num estilo “comercial de margarina”, mas sua obsessão por perfeição está aos poucos sufocando emocionalmente seus filhos, especialmente a mais nova, Izzy (Megan Stott). É quando chegam ao lugar a artista Mia (Washington) e sua filha adolescente Pearl (Lexi Underwood). Mia e Pearl vivem uma existência nômade, sem amarras, e acabam cruzando o caminho da família de Elena. Com o tempo, conflitos passam a surgir entre as duas mulheres, temperados pelas divisões raciais e econômicas entre elas. As filhas também são afetadas pela convivência: Pearl começa a ser seduzida pela vida boa a que nunca teve direito e se aproxima dos filhos de Elena; já Izzy, a rebelde, se aproxima de Mia e seu espírito livre, desagradando a mãe controladora.

Claro que, no decorrer da história, aparecem segredos do passado de Mia e as duas mulheres também se envolvem na disputa judicial por um bebê de origem chinesa adotado por um casal branco da vizinhança. Mia é literalmente o “elemento estranho” que desestabiliza a vida na comunidade, e as melhores cenas da minissérie são justamente as que deixam esse conflito provocado por ela vir à tona. Vemos o racismo completamente orgânico daquela sociedade, vindo dos brancos bem intencionados, e essas boas intenções deixam tudo ainda mais perverso. A série também alça voo quando suas duas estrelas interagem.

FANTASMA DE ‘BIG LITTLE LIES’ NO AR

Devido à temática e à produção de Witherspoon, comparações surgem a respeito desta minissérie. Little Fires Everywhere parece, em alguns momentos, um Big Little Lies meio light – Witherspoon também estrelou e foi produtora da série da HBO que também abordava a vida aparentemente feliz de mulheres endinheiradas, mas a aparência escondia abuso domestico e violência.

E talvez este seja realmente o problema desta minissérie: É muito light. A partir de certo ponto da narrativa, os conflitos entre as duas protagonistas e os subtextos raciais e econômicos ficam em segundo plano, quando o foco passa a ser a disputa pelo bendito bebê. E aí começam a aparecer os momentos típicos de novela brega da Globo: Em dado momento, Mia fatia e queima um enorme retrato de Elena; em outro vemos um close na cara de malvadona de Elena ao revelar um segredo de Mia para a filha desta. São cenas para deixar a Glória Perez com inveja, mas talvez elas sirvam a um propósito, o de tornar mais palatável o produto para a audiência em mente – Leia-se, espectadores dos filmes melodramáticos do canal Lifetime ou de seriados da rede ABC. Pena que com isso, a profundidade é sacrificada.

A minissérie é bem dirigida, inclusive, foi o último trabalho da diretora Lynn Shelton, infelizmente recém-falecida. Shelton dirige metade dos oito episódios com um olho preciso, tentando buscar umas sutilezas aqui e ali e, de maneira inteligente, deixa suas estrelas brilharem e carregarem a série. Apesar de Washington e Witherspoon estarem ótimas, infelizmente o mesmo não pode ser dito dos jovens atores que aparecem na minissérie: Todos parecem saídos da escolinha Malhação de atores e não conseguem dar peso dramático a várias das suas cenas, tornando seus personagens opacos – Exceções feitas à Underwood, que é carismática, e à Anna-Sophia Robb, que vive a jovem Elena num episódio em flashback e se mostra uma ótima imitadora dos trejeitos de Witherspoon.

No geral, Little Fires Everywhere é facilmente maratonável e as duas estrelas, com seus desempenhos magnéticos e personagens complexas, que ora se atraem e ora se repelem, fazem valer a experiência. Mas para um espectador mais crítico, é meio que inevitável se decepcionar um pouco ao perceber que a minissérie poderia render mais, poderia ser mais incisiva e mais forte dramaticamente, se prestasse mais atenção aos seus próprios subtextos e não se apoiasse tanto em muletas dramáticas típicas de folhetim. É boa, mas não tem a força, por exemplo, da primeira temporada de Big Little Lies. E bem, posso até queimar a língua depois, mas pelo menos se encerra mesmo e não deve ter segunda temporada. Menos mal, pois nos lembramos de como foi a segunda de Big Little Lies…

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...

‘Falcão e o Soldado Invernal’: legado do Capitão América vira dilema da própria Marvel

ATENÇÃO: O texto a seguir possui SPOILERS de “Vingadores: Ultimato”. Histórias de super-heróis de quadrinhos são, por definição, otimistas. Por terem sido orginalmente criadas como fantasias infanto-juvenis, o otimismo faz parte de seu DNA: há um herói, há um vilão, o...

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...