Surgida em plena era da explosão do #MeToo, “Big Little Lies” teve uma primeira temporada superestimada. Exceto pelo brilhante final com o surgimento da sororidade entre as protagonistas, a então minissérie contava com altos (Nicole Kidman, Laura Dern) e baixos (Reese Witherspoon, Shailene Woodley) dentro da trama. Mesmo que ainda irregular, o segundo ano consegue harmonizar melhor todas as histórias ao trazer retratos mais complexos para as protagonistas. 

A âncora da segunda temporada de “Big Little Lies” é a superação dos traumas passados e recentes, especialmente, a morte de Perry (Alexander Skarsgard). Igual ocorrera no primeiro ano, Celeste Wright (Nicole Kidman) segue sendo o ponto alto da história.  

Aqui, a personagem encarna um drama vivido por diversas vítimas de violência doméstica mundo afora: sentir-se culpada pelos atos agressivos do marido a que era submetida. Por diversos momentos, a vemos apontar que se tivesse agido de maneira diferente, as agressões não teriam ocorrido. Isso abre uma série de angústias desde a sexualidade da personagem até o próprio passado dela com Perry 

Kidman espelha esta turbulência interna com brilhantismo como, por exemplo, na importante cena em que Celeste coloca a melhor amiga, Madeline (Reese Witherspoon), no lugar dela ao ser espancada durante uma sessão de terapia. O grito desesperado ao voltar para si realça a dimensão do horror. 

A chegada de Mary Louise (Meryl Streep), mãe de Perry, amplifica a tensão de Celeste. Porém, se os primeiros momentos deste embate são interessantes ao ficar concentrado em um jogo duplo, sem ficar claro a intenção da avó, a metade final vai para o tradicional conflito de tribunal – aliás, não há como não associar com “Kramer Vs Kramer” em que Streep faz praticamente a mesma persona. Apesar de render sequências interessantes, o roteiro força bastante a amizade com o surgimento de um vídeo e uma recordação do nada para o desfecho. 

DERN BRILHA E REESE VOLTA A FICAR POR BAIXO  

Falando em ponto alto, o que é Laura Dern, senhoras e senhores?  

Com um estilo muito mais exagerado que as colegas, a atriz rouba a cena como Renata Klein. Interessante notar como o roteiro de David E. Kelly Liane Moriarty até busca com que ela seja o alívio cômico de “Big Little Lies” como ocorre na briga constante com o detector de metais ou na explosão final com o marido, porém, o talento de Dern permite também a existência do drama de alguém perder tudo após tanta luta, o que gera a empatia imediata. 

Comove também todo o desenrolar sensível de Jane (Shailene Woodley). Pode até ser cansativo aquele romance quase juvenil com Corey (Douglas Smith) em alguns momentos, porém, ela cresce quando foca nos temores internos da personagem, auxiliada pela própria concepção visual com roupas de mangas longas, como se tivesse vergonha do próprio corpo e servisse de uma espécie de camuflagem para evitar nova violência. 

Nesta segunda temporada, “Big Little Lies” ainda abre maior espaço para Bonnie. Afetada psicologicamente após o empurrão fatal dado em Perry, a personagem deixa de ser aquela garota cheia de vida dos primeiros episódios para mergulhar em um desespero silencioso, muito bem defendida por Zoe Kravitz.  

Porém, igual ocorre com Celeste, David E. Kelly e Liane Moriarty parecem não acreditar que somente este duelo interno seja suficiente para o drama. Daí, surge a mãe dela, um passado turbulento e confuso da forma como foi transposto para a tela, além de um toque sobrenatural desnecessário. Só não é ruim como um todo devido a um sensível momento em que, finalmente, Bonnie consegue colocar para fora (quase) todas as angústias. 

Diante de tantos bons núcleos, é uma pena que, mais uma vez, Madeline acabe ficando de lado. Espécie de protagonista por ser o núcleo de ligação entre todas as ‘cinco de Monterrey’, a personagem tendo a história mais desinteressante. A proposta da temporada é até interessante ao colocar Ned (Adam Scott) em uma posição quase sempre exclusiva da mulher na ficção: a vítima da traição.  

Mas, aguentar o personagem de Adam Scott com seu pseudo-humor sarcástico (o que são as tretas dele com Ned?) e a cara de emburrado é dureza, servindo apenas para empurrar Reese Witherspoon ladeira abaixo. A salvação poderia ter sido a reflexão de Madeline sobre o fato de não ter feito faculdade e se sentir sem destino, mas, o roteiro não leva isso adiante. 

Independente do final em aberto e de pequenas pontas soltas deixarem espaços abertos para uma possível continuação, “Big Little Lies” sai do ar com uma impressão mais satisfatória do que a causada no primeiro ano. Apesar do mistério sobre a morte de Perry perseguir as protagonistas e da mentira ser a amizade, como afirma Celeste no último episódio, o que fica mesmo são os dramas internos de cada uma delas e a forma como lutaram para superá-los. 

Juntas e unidas, as cinco de Monterrey apontaram novos caminhos para a indústria, tanto em lucro quanto de qualidade, e também permitiram a mulheres espalhadas mundo afora de que é possível vencer traumas, seguir adiante e se impor dia após a dia. Uma mensagem necessária cada dia mais. 

‘Carne’: a difícil realidade de ser uma mulher em premiado curta

“Toda mulher não vive o corpo que ela tem” Em uma sociedade fundamentada em conceitos patriarcais, a mulher precisa encaixar-se no padrão pré-estabelecido. E, quando isso não acontece, ela se torna objeto de violência até mesmo entre as pessoas do mesmo sexo. Camila...

Pequenas, porém diferentes: mulheres, raça e classe e ‘Docinho da América’ e ‘Branquinha’

Há filmes que apresentam uma intencionalidade de representação fiel da realidade, seja por seu uso da linguagem cinematográfica, trama, ou ambos. “Docinho da América” (American Honey, 2016), de Andrea Arnold, e “Branquinha” (White Girl, 2016), de Elizabeth Wood,...

Onde se localiza o mal: interseções entre ‘Elle’ e ‘Nathalie Granger’

"Elle" (2015) e "Nathalie Granger" (1971) são dois filmes que contam com improváveis pontos de interseção. O primeiro, dirigido por Paul Verhoeven, e o segundo, por Marguerite Duras, tratam suas mulheres-centros de ação com uma dubiedade que perturba o espectador por...

Espectador, cinefilia e crítica: o gênero influencia percepções?

O cinema nos transforma na medida em que nos transporta para os universos que cabem em telas. Pela duração do filme, passamos por um fluxo duplo, no qual somos outra pessoa ao passo que mudamos ou reforçamos quem somos através da fruição. Para as cinéfilas, esse...

‘A luz azul’ e as duas faces de um filme que previu a estética nazista no cinema

Leni Riefenstahl é uma diretora intrigante: por um lado, ela é a responsável por “O Triunfo da Vontade” (Triumph des Willens, 1935), o filme de propaganda nazista mais conhecido da história do cinema, o que, por si só, já a colocaria no hall de realizadores a não...

#52filmsbywomen: filmes dirigidos por Mulheres para ver em 2020

Pra quem quer seguir o desafio #52filmsbywomen ou, simplesmente, aumentar o número de filmes assistidos que tenham sido dirigidos por mulheres, 2020 é um ano que promete (quase rimou, rs). Dee Rees, Naomi Kawase e Sofia Coppola são apenas algumas das diretoras com...

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...