Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco intrigante para um suspense policial e terminar a temporada com diversas questões em aberto, a série conta com o destaque de Omar Sy como protagonista e grandes referências a sua obra de origem, sendo tanto uma homenagem ao “ladrão de casaca”, como também uma porta de entrada para a literatura francesa. 

Conhecido como “Robin Hood da Belle Époque”, Lupin se tornou um gênio do crime na Paris do início do século 20. Tal personalidade inspira Assane Diop (Omar Sy), um homem que, 25 anos atrás, viu sua vida virar de cabeça para baixo com a morte de seu pai, acusado injustamente de um crime. Já nos dias atuais, ele está em busca de vingança e, para isso, se inspira em Lupin para descobrir o que aconteceu com o pai. 

Assim como em outras produções que já atuou (‘Samba’ e ‘Intocáveis’), Omar Sy interpreta um imigrante negro vivendo em Paris. Esse tipo de destaque para a política de imigração na França é um tema bem comum em produções do cinema e TV por ser o debate ainda atual. Neste aspecto, ‘Lupin’ não tem receio em criticar a cultura do país e até mesmo apontar o racismo como algo decorrente na vida de Assane. 

Tanto pela atuação quanto pela construção de identidade, o personagem de Omar Sy consegue ser extremamente carismático. Todas as vezes que ele começa a passar do ponto, elementos de seu passado são revelados justificando as atitudes atuais. Essa estratégia em alterar a linha temporal entre passado e presente cria extrema empatia com Assane mesmo em suas atitudes mais extremas como o sequestro do tenente Gabriel Dumond. Também ajuda nesse quesito a humanização do personagem em mostrar sua família ao exibir uma história que não diz respeito unicamente a vingança, mas também a injustiças. 

NARRATIVA PREVISÍVEL 

Por outro lado, os caminhos apontados pelo roteiro são previsíveis, deixando a trama bem menos viciante e original. Assim como a produção espanhola da Netflix, ‘La Casa de Papel’, a série de George Kay apresenta anti-heróis, no papel de bandidos enganando a polícia e, nas duas produções é até interessante assistir inicialmente como o sistema policial é desafiado, porém, depois de dois ou três episódios se torna cansativo as consecutivas fugas e planos mirabolantes. Nesse aspecto, ao menos, ‘Lupin’ leva a melhor por basear grande parte de suas soluções no protagonista e sua expertise e não em planos mirabolantes que contam com a previsibilidade da polícia. 

Com apenas cinco episódios, a primeira temporada é finalizada totalmente em aberto, relembrando até mesmo o formato mais antigo dos seriados de deixar todos os ganchos no final do episódio puxando a continuação. Entre uma ótima adaptação literária e uma trama não tão surpreendente, ‘Lupin’ é, na verdade uma série mediana com uma boa narrativa, a qual não é suficiente para sozinha fazer a produção ser excelente. 

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...

‘Them’: ecos de ‘Poltergeist’ em incômoda série sobre racismo

No começo da década de 1980, Steven Spielberg e Tobe Hooper lançaram Poltergeist: O Fenômeno (1982), que acabaria se tornando um pequeno clássico do terror ao mostrar uma típica família norte-americana de um subúrbio californiano aparentemente perfeito enfrentando...