Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco intrigante para um suspense policial e terminar a temporada com diversas questões em aberto, a série conta com o destaque de Omar Sy como protagonista e grandes referências a sua obra de origem, sendo tanto uma homenagem ao “ladrão de casaca”, como também uma porta de entrada para a literatura francesa. 

Conhecido como “Robin Hood da Belle Époque”, Lupin se tornou um gênio do crime na Paris do início do século 20. Tal personalidade inspira Assane Diop (Omar Sy), um homem que, 25 anos atrás, viu sua vida virar de cabeça para baixo com a morte de seu pai, acusado injustamente de um crime. Já nos dias atuais, ele está em busca de vingança e, para isso, se inspira em Lupin para descobrir o que aconteceu com o pai. 

Assim como em outras produções que já atuou (‘Samba’ e ‘Intocáveis’), Omar Sy interpreta um imigrante negro vivendo em Paris. Esse tipo de destaque para a política de imigração na França é um tema bem comum em produções do cinema e TV por ser o debate ainda atual. Neste aspecto, ‘Lupin’ não tem receio em criticar a cultura do país e até mesmo apontar o racismo como algo decorrente na vida de Assane. 

Tanto pela atuação quanto pela construção de identidade, o personagem de Omar Sy consegue ser extremamente carismático. Todas as vezes que ele começa a passar do ponto, elementos de seu passado são revelados justificando as atitudes atuais. Essa estratégia em alterar a linha temporal entre passado e presente cria extrema empatia com Assane mesmo em suas atitudes mais extremas como o sequestro do tenente Gabriel Dumond. Também ajuda nesse quesito a humanização do personagem em mostrar sua família ao exibir uma história que não diz respeito unicamente a vingança, mas também a injustiças. 

NARRATIVA PREVISÍVEL 

Por outro lado, os caminhos apontados pelo roteiro são previsíveis, deixando a trama bem menos viciante e original. Assim como a produção espanhola da Netflix, ‘La Casa de Papel’, a série de George Kay apresenta anti-heróis, no papel de bandidos enganando a polícia e, nas duas produções é até interessante assistir inicialmente como o sistema policial é desafiado, porém, depois de dois ou três episódios se torna cansativo as consecutivas fugas e planos mirabolantes. Nesse aspecto, ao menos, ‘Lupin’ leva a melhor por basear grande parte de suas soluções no protagonista e sua expertise e não em planos mirabolantes que contam com a previsibilidade da polícia. 

Com apenas cinco episódios, a primeira temporada é finalizada totalmente em aberto, relembrando até mesmo o formato mais antigo dos seriados de deixar todos os ganchos no final do episódio puxando a continuação. Entre uma ótima adaptação literária e uma trama não tão surpreendente, ‘Lupin’ é, na verdade uma série mediana com uma boa narrativa, a qual não é suficiente para sozinha fazer a produção ser excelente. 

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...

‘A Superfantástica História do Balão’: as dores e delícias da nostalgia

Não sou da época do Balão Mágico. Mesmo assim, toda a magia e pureza desse quarteto mais que fantástico permeou a infância da pessoa que vos escreve, nascida no final daquela década de 1980 marcada pelos seus excessos, cores vibrantes, uma alegria sem igual e muita...