Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco intrigante para um suspense policial e terminar a temporada com diversas questões em aberto, a série conta com o destaque de Omar Sy como protagonista e grandes referências a sua obra de origem, sendo tanto uma homenagem ao “ladrão de casaca”, como também uma porta de entrada para a literatura francesa. 

Conhecido como “Robin Hood da Belle Époque”, Lupin se tornou um gênio do crime na Paris do início do século 20. Tal personalidade inspira Assane Diop (Omar Sy), um homem que, 25 anos atrás, viu sua vida virar de cabeça para baixo com a morte de seu pai, acusado injustamente de um crime. Já nos dias atuais, ele está em busca de vingança e, para isso, se inspira em Lupin para descobrir o que aconteceu com o pai. 

Assim como em outras produções que já atuou (‘Samba’ e ‘Intocáveis’), Omar Sy interpreta um imigrante negro vivendo em Paris. Esse tipo de destaque para a política de imigração na França é um tema bem comum em produções do cinema e TV por ser o debate ainda atual. Neste aspecto, ‘Lupin’ não tem receio em criticar a cultura do país e até mesmo apontar o racismo como algo decorrente na vida de Assane. 

Tanto pela atuação quanto pela construção de identidade, o personagem de Omar Sy consegue ser extremamente carismático. Todas as vezes que ele começa a passar do ponto, elementos de seu passado são revelados justificando as atitudes atuais. Essa estratégia em alterar a linha temporal entre passado e presente cria extrema empatia com Assane mesmo em suas atitudes mais extremas como o sequestro do tenente Gabriel Dumond. Também ajuda nesse quesito a humanização do personagem em mostrar sua família ao exibir uma história que não diz respeito unicamente a vingança, mas também a injustiças. 

NARRATIVA PREVISÍVEL 

Por outro lado, os caminhos apontados pelo roteiro são previsíveis, deixando a trama bem menos viciante e original. Assim como a produção espanhola da Netflix, ‘La Casa de Papel’, a série de George Kay apresenta anti-heróis, no papel de bandidos enganando a polícia e, nas duas produções é até interessante assistir inicialmente como o sistema policial é desafiado, porém, depois de dois ou três episódios se torna cansativo as consecutivas fugas e planos mirabolantes. Nesse aspecto, ao menos, ‘Lupin’ leva a melhor por basear grande parte de suas soluções no protagonista e sua expertise e não em planos mirabolantes que contam com a previsibilidade da polícia. 

Com apenas cinco episódios, a primeira temporada é finalizada totalmente em aberto, relembrando até mesmo o formato mais antigo dos seriados de deixar todos os ganchos no final do episódio puxando a continuação. Entre uma ótima adaptação literária e uma trama não tão surpreendente, ‘Lupin’ é, na verdade uma série mediana com uma boa narrativa, a qual não é suficiente para sozinha fazer a produção ser excelente. 

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...