Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um leve drama familiar, é posto em pauta em “Noturno”, parceria entre a Blumhouse e a Amazon, disponível no Prime Vídeo.

Dirigido e roteirizado por Zu Quirke, o filme acompanha Juliet (Sydney Sweeney), uma jovem pianista que quer alcançar o sucesso acadêmico, mas, para isso, precisa superar sua irmã gêmea, considerada um prodígio. Tudo muda quando encontra o caderno de uma antiga colega que se suicidou. Seus planos começam a dar certo, mas isso lhe custa muito.

Os caminhos apresentados pelo roteiro adotam abordagens comuns em filmes que partem dessa mesma premissa. Há um quê de “Cisne Negro” e “Whiplash” no desenvolvimento dos personagens e na própria essência da obra. Assim como nos filmes citados, entramos no mundo e na mente de uma artista determinada a ser a melhor, e, para isso, disposto a passar por cima de qualquer obstáculo e sacrificar a si e a todos que aparecem em seu caminho. No entanto, o roteiro de Quirke mostra-se inconsistente: em parte, deve-se a condução teen que remete a trama com questionamentos e evoluções próprios a filmes televisivos do Lifetime.

CAPÍTULO ALONGADO DE ANTOLOGIA?

Juliet parece focada, no entanto, essa construção contribui para engrandecer suas fragilidades. Por um lado, é fácil se identificar com a personagem de Sweeney por ela viver a sombra da irmã e tudo parecer contribuir para que leve uma vida infeliz. Seja o distanciamento dos pais, o professor que a inibe, a falta de amigos ou a sua própria indole retraída. É válido ressaltar, contudo, que todos ao seu redor se mostram indiferentes à protagonista, o que culmina na cena final. É nítido a dor e sofrimento que acometem Juliet, assim como o fato de que todos estão preocupados com suas próprias vidas para dar importância ao que se passa com ela.

Tal comportamento soma-se ao carisma de Sweeney que nos faz compreensivelmente torcer por sua protagonista. A atriz demonstra estar num momento interessante de sua carreira, o que pode ser notado por trabalhos como “Euphoria”, “The Handmaids Tale” e “Everybody Sucks”. O ar angelical que carrega dá lugar à sensação de dor e pesar que suas personagens carregam. Diria sem muitas dúvidas que ela transmite, por meio de sua interpretação, a essência de uma juventude apegada ao espetáculo e carente de afetos.

Por isso, é uma pena que a protagonista seja reduzida ao sonho de se tornar uma pianista reconhecida e a inveja que nutre pela irmã, enquanto havia outras facetas que poderiam ser exploradas. Porém, mesmo as que são apresentadas, sofrem em algum motivo pela narrativa apressada e rasa, dados que, assim como “Black Box”, apontam para certa inconsistência na parceira da Amazon com a Blumhouse. A cada novo projeto parece que estamos diante de um longo capítulo de uma série antológica; o problema é quando essa escolha enfraquece a obra e afeta tudo que está relacionado a ela.

A verdade é que “Noturno” busca várias fontes para criar um suspense interessante, mas o tiro saiu pela culatra e o resultado é uma obra que só não é totalmente esquecível devido a presença de Sidney Sweeney.

Dicas imperdíveis de Filmes de Terror para o Dia das Bruxas

“No Dia das Bruxas, todo mundo tem direito a um bom susto”, já dizia o xerife Brackett no clássico Halloween: A Noite do Terror (1978). Aqui no Brasil não celebramos Dia das Bruxas, mas podemos celebrar o terror no cinema. Então, encerrando o nosso Especial Terror de...

De ‘O Homem Invisível’ a ‘O Chalé’: o ano de 2020 para o terror

Neste artigo, vamos repassar um pouco sobre o que foi 2020 para o cinema de terror mundial, um ano em que a atividade cinematográfica enfrentou uma crise sem precedente em sua história. O terror sempre foi um dos gêneros mais resistentes – e lucrativos – do cinema, e...

‘A Tortura do Medo’: O Mais Cinematográfico dos Assassinos

Existem filmes que fazem com que a gente se divirta vendo cenas de assassinato e mutilação. Tudo bem, faz parte do acordo tácito do cinema, o de “comprarmos” a fantasia toda vez que entramos na sala escura ou damos “play” em casa. Existem também filmes que fazem com...

‘#Alive’ e ‘Host’: A dobradinha emblemática do horror em 2020

Dois filmes de terror, produzidos em parte diferentes do mundo, calharam de serem lançados mais ou menos na mesma época no fatídico ano de 2020, que está mais assustador que a grande maioria das produções de terror. Porém, ao se assistir a ambos, fica claro que...

Como o cinema de terror pode ajudar a lidar com as ansiedades de um ano terrível?

Permita-me uma reflexão, caro leitor. Este ano confesso que fiquei na dúvida se valia a pena fazer o tradicional Especial Terror do Cine Set, por algumas razões. Primeiro, porque por motivos de conflito de agenda, o eminente Danilo Areosa, meu querido amigo e parceiro...

Seis Filmes Para Conhecer o Cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão

José Mojica Marins teve papel fundamental no meu amor pelo cinema de horror em dois momentos da minha vida: A primeira quando tinha 13 anos e passava as tardes assistindo o finado Cine Trash na rede Bandeirantes apresentado por ele. Ali, meu caráter e amor pelo horror...

José Mojica Marins: uma vida de resistência no cinema brasileiro

José Mojica Marins, o Zé do Caixão, faleceu neste dia 19 de fevereiro, devido a uma broncopneumonia. Tinha 83 anos e já estava com a saúde frágil há algum tempo, então essa notícia não é totalmente inesperada. Ainda assim, é um momento triste para o cinema e a cultura...

40 anos de ‘Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos’: saga italiana do cinema zumbi

Em certo momento de Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos é difícil você não coçar a cabeça e pensar que está diante de uma obra um tanto quanto “fora da casinha”, ensandecida, uma daquelas experiências únicas de pura diversão que só certos filmes italianos de horror com...

Podcast Cine Set #14 – Cinema Giallo: ‘Seis Mulheres Para o Assassino’

Outubro está chegando ao fim, mas ainda tem os últimos episódios do nosso Especial Terror aqui no podcast! Desta vez, nossos membros Danilo Areosa e Ivanildo Pereira se reúnem com a convidada Michelle Henriques, do Cine Varda. A conversa? Um bate-papo sobre o cinema...

35 anos de ‘A Hora do Pesadelo’ e o legado de Freddy Krueger

Quando estava assistindo a It: Capítulo 2 no cinema, vendo as “palhaçadas” do Pennywise, um pensamento me veio à mente. Algo que, aliás, já tinha me ocorrido quando vi o primeiro filme em 2017: “Puxa, o Freddy Krueger bem que podia processar o Pennywise, o cara tá...