De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. “Never Gonna Snow Again“, drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da DC, mas se permite ser lido como uma história de origem de super-herói em pleno Leste Europeu. Após estrear em Veneza e ser escolhido pela Polônia para representar o país na corrida rumo ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro 2021, o filme co-dirigido por Małgorzata Szumowska e seu frequente diretor de fotografia Michał Englert tem sido bem-recebido nos eventos onde é exibido. Se conseguir bons distribuidores, sua história emocionante tem tudo para torná-lo um sucesso de público para além dos festivais. 
 
O filme acompanha Zhenia (Alec Utgoff, o Alexei de “Stranger Things“), um ucraniano que está tentando sobreviver na Polônia e que consegue um trabalho como massagista em um condomínio fechado habitado por ricaços. Suas massagens, parecem ter um estranho poder, confortando o pleno âmago de seus clientes. Ele toca – física e espiritualmente – nos traumas das pessoas e, no decorrer de um ano, ele lentamente vai mudando a vida do lugar. 
 
O roteiro, assinado pelos diretores, é astuto ao dar deixas e jogar pistas para o espectador, ao mesmo tempo em que se recusa a fazer afirmações categóricas. Ele implica, por exemplo, que o poder de Zhenia seja devido ao fato de ele ter nascido em Pripyat, cidade vizinha a Chernobyl, e logo possa ter algo de radioativo, mas não confirma essa hipótese. Ele sugere que ele encontra sua mãe em determinado momento do filme – algo importante dentro da narrativa – mas não faz nenhuma menção posterior a isso. 
 
Da mesma maneira com que brinca com a estrutura do filme de herói, os realizadores também bebem da fonte do filme de forasteiro – o ser estrangeiro que chega como se vindo de nenhum lugar específico e altera todo o seu entorno. Encerrados em suas mansões luxuosas, os condôminos que Zhenia visita estão profundamente doentes e ele se propõe a salvá-los – algo que ele chega a admitir em certa cena. 

MAGIA ESCONDIDA NO COTIDIANO

 
Utgoff está maravilhoso na pele do protagonista: o olhar dele, com a resolução de quem já viu tudo, deverá permanecer na memória do público. Assim como alterna entre russo e polonês no papel, ele também mostra uma facilidade para transitar entre comédia e drama – muitas vezes na mesma cena. 
 
O humor seco da produção mantém a ação leve durante boa parte de seus 113 minutos. Englert, que assina a fotografia, preenche esses minutos com algumas das cenas mais lindas do 2020. Cada tomada é impecável: as decisões artísticas nesse departamento, do enquadramento até o uso de cor e luz, são de cair o queixo e justificariam a existência do filme ainda que a história não fizesse jus a elas. 
 
Os diretores, no entanto, entregam um conto sobre ser estrangeiro e sobre a magia escondida na vida cotidiana que parece mais do que necessário num ano tão distópico. O mundo está ficando mais quente e eventualmente, como o título em inglês o filme sugere, “nunca nevará de novo”. Mesmo diante do vindouro fim, heróis existem se abrirmos a porta para eles. 

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...