Quando assisti “Fora de Série”, me chamou atenção o quanto a diretora Olivia Wilde sintetizou no projeto a adolescência da última década. Se ela fez isso de maneira leve e descontraída, essa não foi a mesma pretensão de Sam Levinson em “Euphoria”. Responsável pela primeira produção para o público adolescente da HBO, o showrunner entregou um retrato sensível, porém cru e explícito da juventude contemporânea, encontrando ecos na própria trajetória do criador.

“Euphoria” se dedica a contar diferentes situações experimentadas por um grupo de adolescentes no ensino médio ao longo de oito episódios. Sem identificação de onde pertencem esses estudantes – não é informado a cidade nem o nome da escola – o que vemos é o quadro real do que é ser adolescente hoje em dia com seus traumas, vícios, depressão e amor.

SEM IDEALIZAÇÕES DOS TRAUMAS

A série é construída a partir da perspectiva de Rue (Zendaya, na melhor performance de sua carreira), que narra os acontecimentos e a trajetória dos outros personagens apresentados. Cada episódio recapitula a infância e o passado de um deles, realizando um estudo profundo de por que a geração contemporânea se sente afundada em traumas e tão perdida a ponto de buscar válvulas de escape em opções que prejudicam sua saúde física, mental ou emocional.

Curiosamente, o roteiro assinado por Levinson discute consideravelmente a influência da infância e as relações familiares na construção da persona e dos distúrbios dos adolescentes. Todos que lidam com algum dilema em “Euphoria” possuem histórico problemático na primeira infância seja por abandono, perda de um dos pais, doenças ou traumas. E isso é o que diferencia a série de outras produções voltadas ao mesmo público: há uma busca constante de equilíbrio ao discutir as temáticas densas da produção.

De certa maneira, a abordagem e seu conteúdo podem despertar eventuais gatilhos, porém, existe o cuidado em não gerar “o choque pelo choque”, mas desenvolver autoconsciência e responsabilidade. “Euphoria” toma para si estas duas qualidades ao escancarar momentos tão delicados, como uma overdose ou estupro, sem idealizá-los de nenhuma forma.

ESTÉTICA DELICADA

O equilíbrio buscado pelo roteiro também pode ser sentido na estética de “Euphoria”, um de seus grandes trunfos. A fotografia predominantemente saturada recorre há um constantemente contraponto entre cores: geralmente azul em contraste com o rosa e o verde com o laranja. Enquanto isso, a iluminação utilizada favorece o jogo de luz e sombra que destaca o brilho presente nos glitters utilizados na maquiagem, nos paetês e nas luzes de neon, especialmente nos episódios 04 e 07.

Além disso, o trabalho da direção de fotografia merece um destaque adicional. Em muitos momentos há o uso de duas câmeras no set – algo não muito corriqueiro nas gravações de produções seriadas – tudo projetado para abarcar a variedade de planos e angulações inusitadas que oferecem ao público de “Euphoria” uma imersão dinâmica e impressionante. A fotografia consegue acompanhar as viagens de Rue como se nós estivéssemos presos a sua mente, o que fica explícito na sequência do corredor giratório, ainda no episódio piloto.

A trilha sonora e a montagem também se destacam. No primeiro, ter Drake como um dos produtores executivos se torna um indicativo do amadurecimento sonoro do projeto e até mesmo dos títulos dos episódios, que recordam músicas de rap. Quanto ao segundo elemento técnico, a competência de Julio Perez (“O Mistério de Silver Lake”, “Feito na América”) dá o tom a dinamicidade da produção por meio dos cortes secos, o jogo rápido de projeção e a quebra de linearidade. Esta última funciona especialmente com o casamento entre montagem, direção e trilha sonora. Os episódios 4 e 8 se destacam nesse sentido ao estabelecerem um clima sufocante e claustrofóbico, em que dificilmente saberemos quais eventos se desencadeiam primeiro – o que não faz diferença alguma na coroação dos episódios.

RETRATO DA JUVENTUDE

A última peça para o eficiente funcionamento de “Euphoria” são as atuações. Com poucos atores do núcleo adolescentes conhecidos do grande público, a escalação de Zendaya como protagonista é eficaz. Ela parece confortável no papel e, finalmente, se distancia da vibe Disney que a lançou. A atriz se entrega ao papel de forma catártica, atestando seu talento e versatilidade, além de oferecer ao espectador sensibilidade e veracidade ao projeto. Ao seu lado, Hunter Schafer mostra possuir o carisma da produção. Em seu primeiro trabalho, ela demonstra uma desenvoltura leve e natural que se confunde com sua própria trajetória. A química entre ela e Zendaya é forte e convincente, oferecendo mais um ponto positivo à produção.

Quem também merece destaque é Barbie Ferreira, muito segura no papel de Kat, um dos mais interessantes e representativos da narrativa. A personagem, com certeza, se junta ao hall de personagens gordos que vale a pena se inspirar, como Rae de “My Mad Fat Diary”. Essa é uma ótima oportunidade para você conferir como as produções seriadas enxergam a adolescente gorda. Se junta a ela, Sydney Sweeney e Jacob Elordi, que parece se encaixar perfeitamente na figura do “chernoboy”.

“Euphoria” consegue retratar a juventude contemporânea, evidenciando como essa geração tornou-se adoecida devido às relações basilares e os efeitos das redes sociais. Os comportamentos e discussões explorados por Levinson são um estudo do que é viver no século XXI com todas as cobranças e acabam por oferecer aos mais velhos uma visão verossímil de quem são os adolescentes e as temáticas que os envolvem. Um prato cheio para que eles possam compreender a conduta da juventude e um passo importante para aceitação do adolescente contemporâneo. Vale a pena acompanhar.

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...