Quando assisti “Fora de Série”, me chamou atenção o quanto a diretora Olivia Wilde sintetizou no projeto a adolescência da última década. Se ela fez isso de maneira leve e descontraída, essa não foi a mesma pretensão de Sam Levinson em “Euphoria”. Responsável pela primeira produção para o público adolescente da HBO, o showrunner entregou um retrato sensível, porém cru e explícito da juventude contemporânea, encontrando ecos na própria trajetória do criador.

“Euphoria” se dedica a contar diferentes situações experimentadas por um grupo de adolescentes no ensino médio ao longo de oito episódios. Sem identificação de onde pertencem esses estudantes – não é informado a cidade nem o nome da escola – o que vemos é o quadro real do que é ser adolescente hoje em dia com seus traumas, vícios, depressão e amor.

SEM IDEALIZAÇÕES DOS TRAUMAS

A série é construída a partir da perspectiva de Rue (Zendaya, na melhor performance de sua carreira), que narra os acontecimentos e a trajetória dos outros personagens apresentados. Cada episódio recapitula a infância e o passado de um deles, realizando um estudo profundo de por que a geração contemporânea se sente afundada em traumas e tão perdida a ponto de buscar válvulas de escape em opções que prejudicam sua saúde física, mental ou emocional.

Curiosamente, o roteiro assinado por Levinson discute consideravelmente a influência da infância e as relações familiares na construção da persona e dos distúrbios dos adolescentes. Todos que lidam com algum dilema em “Euphoria” possuem histórico problemático na primeira infância seja por abandono, perda de um dos pais, doenças ou traumas. E isso é o que diferencia a série de outras produções voltadas ao mesmo público: há uma busca constante de equilíbrio ao discutir as temáticas densas da produção.

De certa maneira, a abordagem e seu conteúdo podem despertar eventuais gatilhos, porém, existe o cuidado em não gerar “o choque pelo choque”, mas desenvolver autoconsciência e responsabilidade. “Euphoria” toma para si estas duas qualidades ao escancarar momentos tão delicados, como uma overdose ou estupro, sem idealizá-los de nenhuma forma.

ESTÉTICA DELICADA

O equilíbrio buscado pelo roteiro também pode ser sentido na estética de “Euphoria”, um de seus grandes trunfos. A fotografia predominantemente saturada recorre há um constantemente contraponto entre cores: geralmente azul em contraste com o rosa e o verde com o laranja. Enquanto isso, a iluminação utilizada favorece o jogo de luz e sombra que destaca o brilho presente nos glitters utilizados na maquiagem, nos paetês e nas luzes de neon, especialmente nos episódios 04 e 07.

Além disso, o trabalho da direção de fotografia merece um destaque adicional. Em muitos momentos há o uso de duas câmeras no set – algo não muito corriqueiro nas gravações de produções seriadas – tudo projetado para abarcar a variedade de planos e angulações inusitadas que oferecem ao público de “Euphoria” uma imersão dinâmica e impressionante. A fotografia consegue acompanhar as viagens de Rue como se nós estivéssemos presos a sua mente, o que fica explícito na sequência do corredor giratório, ainda no episódio piloto.

A trilha sonora e a montagem também se destacam. No primeiro, ter Drake como um dos produtores executivos se torna um indicativo do amadurecimento sonoro do projeto e até mesmo dos títulos dos episódios, que recordam músicas de rap. Quanto ao segundo elemento técnico, a competência de Julio Perez (“O Mistério de Silver Lake”, “Feito na América”) dá o tom a dinamicidade da produção por meio dos cortes secos, o jogo rápido de projeção e a quebra de linearidade. Esta última funciona especialmente com o casamento entre montagem, direção e trilha sonora. Os episódios 4 e 8 se destacam nesse sentido ao estabelecerem um clima sufocante e claustrofóbico, em que dificilmente saberemos quais eventos se desencadeiam primeiro – o que não faz diferença alguma na coroação dos episódios.

RETRATO DA JUVENTUDE

A última peça para o eficiente funcionamento de “Euphoria” são as atuações. Com poucos atores do núcleo adolescentes conhecidos do grande público, a escalação de Zendaya como protagonista é eficaz. Ela parece confortável no papel e, finalmente, se distancia da vibe Disney que a lançou. A atriz se entrega ao papel de forma catártica, atestando seu talento e versatilidade, além de oferecer ao espectador sensibilidade e veracidade ao projeto. Ao seu lado, Hunter Schafer mostra possuir o carisma da produção. Em seu primeiro trabalho, ela demonstra uma desenvoltura leve e natural que se confunde com sua própria trajetória. A química entre ela e Zendaya é forte e convincente, oferecendo mais um ponto positivo à produção.

Quem também merece destaque é Barbie Ferreira, muito segura no papel de Kat, um dos mais interessantes e representativos da narrativa. A personagem, com certeza, se junta ao hall de personagens gordos que vale a pena se inspirar, como Rae de “My Mad Fat Diary”. Essa é uma ótima oportunidade para você conferir como as produções seriadas enxergam a adolescente gorda. Se junta a ela, Sydney Sweeney e Jacob Elordi, que parece se encaixar perfeitamente na figura do “chernoboy”.

“Euphoria” consegue retratar a juventude contemporânea, evidenciando como essa geração tornou-se adoecida devido às relações basilares e os efeitos das redes sociais. Os comportamentos e discussões explorados por Levinson são um estudo do que é viver no século XXI com todas as cobranças e acabam por oferecer aos mais velhos uma visão verossímil de quem são os adolescentes e as temáticas que os envolvem. Um prato cheio para que eles possam compreender a conduta da juventude e um passo importante para aceitação do adolescente contemporâneo. Vale a pena acompanhar.

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 5: oportunidades perdidas

Quem está acompanhando as críticas de Obi-Wan Kenobi aqui no Cine Set deve ter notado que tenho considerado a personagem Reva problemática. Por quatro episódios, ela parecia malvada demais, exageradamente determinada em encontrar o herói da trama sem que houvesse uma...

‘Maldivas’: diversão inofensiva made in Netflix

Nada como uma boa diversão inofensiva, né? Tem dias que pedem (se bem que, sendo brasileira, isso é a todo momento). Foi com isso na cabeça que comecei a assistir a “Maldivas”, nova série nacional da Netflix. No caso dessa produção, é difícil desassociar-se da...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 4: série avança ao resgatar essência de ‘Star Wars

“Star Wars” nunca deve ser enfadonho. É uma das lições que a trilogia original ainda lega aos cineastas que seguem seus passos e continuam explorando o universo que George Lucas criou, seja no cinema e, agora, no streaming. Às vezes, o roteiro ou a história em si...

‘Iluminadas’: Wagner Moura brilha em série sobre misoginia nos anos 1990

Se remakes e a onda de nostalgia tem sido alguns dos propulsores da cultura pop, “Iluminadas” consegue homenagear os filmes de suspense e serial killer populares nos anos 1990. Baseada no livro homônimo de Lauren Beukes, a produção original da Apple TV+ conta com um...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 3: o retorno de Darth Vader

Bem... Sabíamos que ele iria aparecer, certo? A Disney já tinha divulgado uma foto dele antes da estreia de Obi-Wan Kenobi e a cena final da Parte 2 da minissérie praticamente garantia que veríamos ninguém menos que Darth Vader. Agora, neste novo episódio, o lorde...

‘Stranger Things 4’ – Volume 1: força do elenco move temporada

Quando “Lost” começou a ruir definitivamente, os resilientes fãs permaneceram acompanhando a série muito mais pelo apego a Jack, Kate, Sawyer, Sayid, Desmond do que pela vã esperança de que os mistérios teriam uma resolução diga. Da mesma forma ainda que (bem) longe...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódios 1 e 2

Antes de tudo, uma confissão, leitor, em nome da honestidade: eu me desliguei de Star Wars desde o final de 2019, quando fui ao cinema testemunhar o desastre A Ascensão Skywalker. Sério, o filme do J. J. Abrams conseguiu realizar a façanha de pegar meu entusiasmo pela...

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...