“O padre furtou a moça, fugiu.

Pedras caem no padre, deslizam

A moça grudou no padre, vira sombra,

Aragem matinal soprando no padre.

Ninguém prende aqueles dois,

Aquele um

Negro amor de rendas brancas”

 –

Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e capital são corajosos aqueles que se rendem e assumem a paixão. O amor é avassalador e está para além da racionalidade e compreensão. É o agir. Toma conta dos corpos apaixonados. Um calor. Assume os riscos e nos coloca em risco. É agridoce. É eterno. É encantador.

Presente no livro Lição das Coisas (1962), o poema “O Padre, a Moça”, cujo trecho abre este texto, traz o mestre Carlos Drummond de Andrade narrando este amor impossível. A adaptação cinematográfica ficou por conta de Joaquim Pedro de Andrade (“Macunaíma”) e é cercado de polêmicas.

A LUTA CONTRA A CENSURA

Em 1966, o Brasil passava por um dos períodos mais turbulentos de sua história recente, a Ditadura Militar. Naquela época, eram poucos os filmes que conseguiam ver a luz do dia sem alguma intervenção direta do governo.

 “O Padre e a Moça” não passou ileso pelas repressões dos militares e da Igreja: o drama protagonizado por Paulo José e Helena Ignez foi liberado para estrear nos cinemas com classificação indicativa para maiores de 18 anos pelo Serviço de Censura de Diversões Públicas (SCDP), integrado ao Ministério da Justiça. Porém, reclamações chegaram ao órgão vindas de alas da Igreja Católica, levando a uma nova reavaliação.

Logo de cara, o primeiro censor a avaliar “O Padre e a Moça” foi um padre que avaliou o longa como “ofensivo à moral e uma exaltação do amor livre”. A classificação continuou para maiores de 18 anos, entretanto, com três cortes danosos ao entendimento da produção. O diretor resolveu negociar junto ao SCDP para uma solução, o que elevou classificação para 21 anos, mas, em uma versão sem cortes.

AMOR CONTRA JULGAMENTOS SOCIAIS

Aqui, Joaquim Pedro de Andrade busca falar de um amor impossível, mas também da miséria humana em suas diversas faces. Ora, imagine um sujeito que abdicou da carne e das coisas mundanas se apaixonar e ser correspondido por uma jovem moça que desconhece do mundo exterior. A situação se torna ainda mais dramática pela vida dela sempre ter sido naquela pequena vila em algum lugar de Minas Gerais e ser objeto de paixão e cobiça de Fortunato (Mário Lago), homem que a criou como filha, mas que tem o sentimento de posse por ela a pedindo em casamento.

Para além da questão social, Fortunato era um explorador de pedras preciosas e também da mão de obra dos garimpeiros. Há ainda a questão do julgamento de si e do outro: o padre, ao perceber-se envolvido por esta paixão, se questiona, ainda que silenciosamente, como um ceder aos encantos de Mariana? Era padre, afinal.

E os julgamentos da comunidade. Em uma sociedade que estava sob regime militar e regredindo, o ato do amor, entre esses dois, ofendia a moral e os bons costumes estabelecidos socialmente. Para escapar da perseguição, fogem para viver a paixão. Voltam e são perseguidos novamente. A cena final é uma catarse muito simbólica e impactante por conta de assumir os riscos de uma paixão fumegante.

AMAR COMO ATO POLÍTICO

O grande triunfo de Andrade foi construir uma relação nas entrelinhas até a explosão do ato final. O preto e branco casa perfeitamente com a condição desses dois amantes em estarem na obscuridade de uma vida em celibato ou condicionada a uma relação não consensual. Juntos, eles se descobrem assim como descobrem uma força até então que não sabiam que existia para encarar os obstáculos.

Destaque para a dupla Paulo José e Helena Ignez (o padre e a moça), duas forças poéticas da natureza explodindo em química e paixão. Os geniais Mário Lago e Fauzi Arap (Vitorino) também completam o elenco estrelar.

“[…] e na mão lá vai e a moça vai dentro dele, é a reza de padre”, a junção dos corpos apaixonados e luta por viver dessa paixão. Amar, certamente, não é para qualquer um e em períodos turbulentos, é um ato político.

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...

Os 40 Anos de ‘Christiane F., 13 anos, Drogada e Prostituída’

Liberdade, autonomia, diversão e conhecimento sobre si mesmo. Esses parecem ser um dos ingredientes perfeitos na construção de (quase) todos pré-adolescentes/jovens que em determinada época da vida – uma fase bem complicada, diga-se – se vê como um estranho no ninho,...

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...