Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu, digamos, há uns cinco ou seis anos, recomendo este artigo (em inglês) do site Collider explicando que a culpa é principalmente de um sujeitinho execrável chamado Ike Perlmutter, ex-executivo da Marvel.

Enfim, só agora em 2021 chega Viúva Negra, ainda com um ano de atraso devido à pandemia. E o resultado final… decepciona. Como espetáculo, o longa dirigido por Cate Shortland funciona: é muito bem produzido, com toda a pompa e circunstância a que a Marvel já nos acostumou no cinema. Mas a história é muito frouxa, banal e mal contada. Não chega a ser um desastre, mas é o pior filme da Marvel em um bom tempo.

E, definitivamente, não é uma despedida à altura da carismática personagem ou de Johansson, que conseguiu fazê-la brilhar numa época em que super-heroínas ainda eram vistas com desconfiança em Hollywood.

ROTEIRO TRÔPEGO

Ambientado entre Capitão América: Guerra Civil (2016) e Vingadores: Guerra Infinita (2018), o longa reencontra Natasha Romanoff, a Viúva Negra, sendo procurada pelas autoridades por violar o tratado de Sokovia. Ela acaba reencontrando sua irmã adotiva Yelena (Florence Pugh), e depois seus pais postiços (interpretados por David Harbour e Rachel Weisz). Todos eles precisarão se unir para deter os planos de um vilão russo (Ray Winstone), empenhado em lançar um exército de Viúvas Negras pelo mundo.

A trama do filme é simples – em essência, não é tão diferente de vários outros filmes de super-herói. Mas é nessa simplicidade que os roteiristas Eric Pearson, Jac Schaeffer e Ned Benson tropeçam. O começo de Viúva Negra faz apenas o mínimo para estabelecer quem é quem, o que é importante para quem, o que o MacGuffin da trama faz. Resumindo: preguiça extrema.

Vemos Natasha sendo ajudada por um sujeito interpretado por O-T Fagbenle, mas nunca sabemos quem ele é ou o motivo de ajudá-la. Fica a cargo de Yelena vomitar vários diálogos expositivos. Eventos importantes da trama – como a razão para inimizade entre Natasha e o vilão da vez – são só mencionados, e não mostrados. Alexei, o personagem de Harbour, foi o herói Guardião Vermelho, uma espécie de Capitão América soviético – mas só sabemos disso pelo seu uniforme, que remete ao do herói estadunidense, pois o que ele fez e o que representou para o povo russo, isso fica no ar.

VILÃO VERGONHOSO E SCARLETT DESPERDIÇADA

Como o próprio filme não tem paciência ou interesse em estabelecer pontos vitais da história, o envolvimento do espectador fica muito prejudicado. E quanto ao vilão, bem, fica com ele a desonra de ser o pior da história da Marvel. No passado, produções do estúdio já foram criticadas por apresentar vilões rasos, mas de uns anos para cá os roteiristas dos filmes conseguiram modificar isso.

Infelizmente, “Viúva Negra” retorna ao estilo das Fases 1 ou 2 com ele dando as caras somente no terceiro ato da trama, faltando meia hora para o filme acabar. E quanto menos se falar a respeito dos tais feromônios dele, melhor…

E o maior pecado do roteiro: ele nos revela bem pouco sobre a Natasha que já não sabíamos. A única grande coisa nova que aprendemos sobre ela é que ela esteve infiltrada nos EUA ainda criança, nos anos 1990, numa célula soviética que se passava por uma família.

Ela não evolui no seu próprio filme, que só repisa o arco de pertencer a uma família, o qual já tinha sido usado para a personagem nos longas dos Vingadores. Como atriz, Scarlett Johansson não tem quase nada a fazer, a não ser o trabalho físico de correr, pular e lutar.

SEM TENSÃO OU SENSAÇÃO DE URGÊNCIA

O que resta é apreciar algumas cenas divertidas com a dinâmica da família disfuncional de espiões e o elenco carismático. Porém, mesmo eles são sabotados um pouco pelo texto: Harbour se diverte a valer com seu personagem, mas ele não é tão legal ou engraçado quanto o filme acha que é; assim como Pugh, que está bem, mas precisa de um pouco mais de força se quiser suceder Johansson.

Também ajuda se deixar levar pela ação, filmada de forma profissional, mas indiferente por Shortland, sua equipe de dublês e de segunda unidade. Mesmo assim, aí reside outro problema sério de Viúva Negra: ao contrário de outros Vingadores, Natasha é badass, mas é uma pessoa comum. Porém, seu filme a trata como invulnerável: a protagonista e sua irmã escapam praticamente ilesas de quedas e batidas de carro bem exageradas.

Ora, Natasha já entra no seu filme solo com uma invulnerabilidade de presente do roteiro, pois sabemos que ela só encontra seu destino em Vingadores: Ultimato (2019). Mesmo assim, os narradores deste filme insistem no erro de colocá-la em perigo, embora saibamos que ela vai escapar. Isso rouba o filme de qualquer tensão ou urgência.

REFERÊNCIA ERRADA

Um longa da Viúva talvez pedisse por uma pegada mais pé no chão, mas, no ato final, temos o confronto mega-explosivo típico da Marvel, com uma nave gigante caindo do chão e Natasha voando pelo ar sem paraquedas, fazendo uma referência direta a 007 Contra o Foguete da Morte (1979), que inclusive aparece numa tela de TV numa cena. Foguete da Morte é um dos filmes mais xaropes de James Bond, o que ressalta o equívoco da Marvel: ao invés de fazer com a Viúva um 007: Cassino Royale (2006), fizeram um Foguete da Morte…

É um filme ruim? Não, tem alguns momentos divertidos e se sustenta no movimento, na sua energia cinética. É assistível – para saber o que é mesmo ruim, é só ver o que a concorrência, a DC, fez com a sua outra super-heroína, a Mulher Maravilha, ano passado.

Mas é triste perceber que, ao longo da sua trajetória, a primeira heroína da Marvel só teve oportunidade de brilhar quando acompanhada de outras figuras heroicas. Na hora de colocá-la sozinha no palco para ter o seu momento, o estúdio deixou a peteca cair. Fica a sensação de que uma personagem marcante no cinema fantástico recente ganhou uma nota de rodapé para chamar de sua, ao invés de uma despedida emocionante. Natasha merecia um pouco mais.

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...

‘Um Jantar Entre Espiões’: morno thriller de espionagem

Os filmes de espionagem sempre tiveram uma ótima capacidade de se adaptarem a novos contextos históricos. Do combate ao nazismo (década de 40-50), a paranoia comunista (década de 60-80) até chegar aos novos “inimigos” surgidos pela face do terrorismo (década de 90 até...