O Amazonas ganhou mais dois novos nomes na Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema: Camila Henriques e Pâmela Eurídice estão entre as novas integrantes da entidade existente desde 2011. A dupla se junta a Susy Freitas, primeira amazonense selecionada em março de 2017.

Formada em Jornalismo, Camila Henriques integra o coletivo Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema e foi uma das criadoras do podcast Biscoiteiras ao lado de Carissa Vieira e Larissa Padron com uma temporada dedicada à corrida rumo ao Oscar. Também escreveu para o site The Film Experience e participa do Cine Set desde 2015.

“É uma honra e uma baita responsabilidade estar junto a colegas que tanto admiro, e representar, junto com a Pâmela e a Susy, não apenas o Cine Set, mas a crítica do Amazonas. Isso só me incentiva a querer crescer mais e aprender mais”, disse Camila.

Pâmela Eurídice também traz o jornalismo como formação profissional e participa do Elviras. Integra a equipe do Cine Set desde 2016, onde realizou neste ano o podcast Visões Femininas em que conversa com sete importantes profissionais mulheres do audiovisual do Amazonas. Atualmente, prepara o livro “Olhar Feminino: O Norte na Direção”, vencedor do Concurso-Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2019.

“Entrar na Abraccine é a concretização de um sonho de infância e o reconhecimento emblemático da minha curta caminhada na crítica cinematográfica. Vem em um período em que tenho buscado aprofundar meus estudos sobre cinema na Amazônia e a produção feminina, o que funciona, ainda, como incentivo para a busca de formação e contribuições mais robustas e significativas. Não posso negar o quanto isso me deixa feliz e aponta a consistência do que temos produzido no Cine Set e no Amazonas”, declarou Pâmela.

A Abraccine atua com ênfase na elevação da crítica cinematográfica no país, promovendo as diversas formas de pensamento crítico, reflexão e debate sobre cinema. A entidade ainda organiza um prêmio anual, júris em diversos festivais de cinema, publica livros especializados, promove cursos e seminários, e trabalha pela inserção da crítica nos mecanismos de discussão das políticas pelo cinema brasileiro. A entidade conta com nomes como Amir Labaki, Arthur Tuoto, Barbara Demerov, Carlos Heli de Almeida, Celso Sabadin, Chico Fireman, Francisco Carbone, Jean Claude-Bernardet, Neusa Barbosa, Pablo Villaça, Simone Zuccolotto, Susy Freitas e, agora, Camila Henriques e Pâmela Eurídice.

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...

Arnaldo Barreto: a experiência de um longa gravado na Fordlândia

Comemorando 30 anos de carreira na cultura amazonense, Arnaldo Barreto se lançou em um de seus maiores desafios nesta trajetória: dirigir o longa-metragem “Entre Nós”. O drama de época foi lançado no fim de 2020 em uma sessão especial em Manaus e deve seguir o caminho...

Giona A. Nazzaro: ‘A Cinemateca Brasileira pode contar com todo o apoio do Festival de Locarno’

2021 ainda é um ano cheio de mistérios para os eventos cinematográficos, muitos dos quais foram cancelados, reduzidos ou virtualizados este ano por conta da pandemia do coronavírus. O Festival de Locarno, um dos maiores do mundo, vai encarar esse desafio sob nova...

Bárbara Paz: ‘Babenco’ é um poema visual em preto e branco’

Como se alivia uma dor? Nas palavras de Bárbara Paz, é “contando uma história”. No caso dela, a história a ser contada realmente envolveu muita dor. Em “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, a atriz e diretora celebra a história de Hector Babenco,...

Maya Da-Rin: ‘’A Febre’ não teria sido possível sem os artistas do Amazonas’

Manaus volta a ganhar as telas dos cinemas brasileiros com a chegada de “A Febre”. Em cartaz desde o dia 12 de novembro, a produção, falada em tukano e português, traz a região metropolitana entre a imposição do modelo capitalista advindo da Zona Franca de Manaus e...