Após toda popularidade da primeira e segunda parte de ‘La Casa de Papel’ na Netflix, a série volta ao streaming com altas expectativas por parte do público. Novamente, os personagens carismáticos se escondem atrás das máscaras de Salvador Dalí para realizar um assalto, porém, além disso, o sucesso espanhol também repete diversos erros do passado como as justificativas fáceis e o esquecimento de tramas e personagens. 

Desta vez, Rio (Miguel Herrán) é capturado pela polícia, obrigando Tóquio (Úrsula Corberó) a contatar o Professor (Álvaro Morte) para salvá-lo. O líder do grupo decide então realizar um assalto ao Banco da Espanha, um alvo teoricamente mais difícil que a Casa da Moeda, roubo anterior do bando. Assim, Denver (Jaime Lorente), Nairóbi (Alba Flores), Helsinque (Darko Peric) e Estocolmo (Esther Acebo) se juntam aos novos integrantes do grupo, Bogotá (Hovik Keuchkerian), Palermo (Rodrigo De la Serna) e Marselha (Luka Peros), para executar o plano. 

Para o bem ou para o mal, esta terceira parte, com grande influência direta da própria Netflix, reflete em uma certa “americanização” de “La Casa de Papel”. De certa forma, a interferência do streaming resulta negativamente em um principal detalhe: a trilha sonora. Diversas músicas americanas são colocadas insistentemente nos episódios, sendo, em muitos momentos, desnecessárias e servindo para uma questão de estilo apenas – sem contar que todos queremos ouvir realmente Bella Ciao. 

Por outro lado, o aumento no orçamento permitiu a inserção de diferentes cenários bem aproveitados durante os episódios. Da mesma forma, a volta de todo antigo elenco também é um grande benefício, pois, a maioria da trama consegue avançar graças ao carisma do grupo, igualmente responsável por manter o interesse do público constante durante os oito episódios. 

Além do elenco repetido, “La Casa de Papel” também reforça bastante a ideia de resistência nesta terceira parte. Este termo sempre utilizado pelo Professor novamente volta ao seu discurso contra o sistema, principalmente, quando o governo dá o famoso chá de sumiço em Rio sem apresentar notícias. Desta vez, a produção investe mais em cenas que representem este embate direto entre o sistema governamental e a população com momentos de protestos e manifestações. 

VELHOS ERROS NOVAMENTE

Entretanto, não são somente as coisas boas que se repetem. Novamente, “La Casa de Papel” exige uma grande suspensão da descrença do público ao apresentar diversas justificativas e saídas fáceis aos problemas inseridos, ou seja, é preciso que o espectador ignore diversas circunstâncias contraditórias para o bem da narrativa, pois esta não apresenta uma história verdadeiramente bem escrita. 

Outra situação é a insistência em contar a história por meio de flashbacks, o que ocorre de forma mais natural desta vez, porém, ainda assim apresenta dificuldades em se encaixar tais momentos nos episódios, considerando toda a nova trama decorrente. Isto também implica na falta de coragem do seriado em se despedir de personagens já que grande parte das histórias antigas retratam Berlim (Pedro Alonso), o qual morreu na última temporada, sendo assim uma forma de prosseguir com sua presença (até mesmo sua personalidade sobrevive por meio de Palermo). 

Esta covardia em abandonar personagens também é notória em dois momentos diferentes da trama, quando a série teve a oportunidade de matar Rio e Denver. Ao invés de se despedir de ambos, “La Casa de Papel” prefere seguir em frente, guardando este recurso para os acontecimentos finais da terceira parte. Assim, momentos que poderiam ser decisivos para a trama se tornam apenas situações interessantes de serem vistas. 

Apesar de não apresentar tantas novidades em sua narrativa, ‘La Casa de Papel’ consegue se sobressair ao continuar explorando a boa dinâmica entre seus personagens. Isto somado a um plano impossível garante mais uma boa maratona da Netflix, porém, é difícil acreditar que somente as repetições positivas da série consigam ser suficientes para manter a produção no ar durante novas temporadas, principalmente com tantos problemas decorrentes. 

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...