Terapia de casal: essa é a tônica de boa parte da terceira e nova temporada de Ozark, a série de suspense da Netflix sobre uma família criminosa forçada a se virar ao ser cooptada por um cartel mexicano do narcotráfico.  Durante boa parte dos episódios, vemos Marty e Wendy Byrde, vividos pelos impecáveis Jason Bateman e Laura Linney, “discutindo a relação” em frente à terapeuta e discordando do curso das atividades criminosas. Coisas típicas de casal.

Esta terceira temporada se passa seis meses depois da segunda – isso é perceptível até pela espichada do jovem ator Skylar Gaertner, que faz o filho dos Byrdes. Desde que os Byrdes conseguiram instaurar o seu cassino à beira do rio nas regiões montanhosas das Ozarks, a tensão se intensificou ao invés de diminuir. O desconfiado Marty quer manter a operação de lavagem de dinheiro como está, sem chamar a atenção. Já Wendy tem um plano meio arriscado para legitimizar o negócio e salvar a família do rolo em que se meteram. Uma guerra entre os cartéis, uma agente do FBI incorruptível e a chegada do irmão de Wendy, Ben (Tom Pelphrey, de Punho de Ferro) fazem com que o cerco se feche ao redor dos Byrdes e levam a relação do casal ao limite durante a maior parte destes novos episódios.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA DA PRIMEIRA TEMPORADA

Bem, podem-se falar várias coisas sobre a série, mas não se pode dizer que os produtores e roteiristas de Ozark não têm confiança no que estão fazendo. O estilo da série permanece o mesmo: aquele clima frio e visual azulado na cinematografia; episódios longos, às vezes até mais do que precisavam ser; sem espaço para humor. A essa altura, a série já se encontra consolidada, visual e tematicamente. Os atores também: de novo, por mais que Bateman e Linney sejam os astros e chamarizes para o público, quem rouba a cena é a jovem Julia Garner como Ruth – vencedora do Emmy pelo papel. Cínica, durona e xingando mais do que o Samuel L. Jackson num filme de Tarantino, a jovem atriz comanda todas as suas cenas e aumenta a tensão, intensificando o temperamento e, de vez em quando, a imprevisibilidade da sua personagem.

O que não significa que os roteiristas não possam lançar surpresas para o espectador. Por exemplo, depois da segunda temporada pareceria que a personagem Darlene (Lisa Emery) não teria mais função na série. Pois nesta temporada, os roteiros encontram um lugar para ela, bem imprevisível, e que se adequa tematicamente a uma noção presente nestes episódios: as mulheres – Ruth, Darlene, Wendy e a sombria Helen, a “advogada” do cartel vivida por Janet McTeer – é que dão as cartas, e apesar dos homens, se mostram mais frias e calculistas, melhores criminosas do que eles.

Dentre os personagens masculinos, o destaque mesmo acaba sendo Pelphrey, que cria um retrato sensível de uma pessoa com transtorno bipolar. A atuação dele é boa o bastante para nos fazer ignorar o fato desse irmão da Wendy não ter sido mencionado antes – um velho truque da TV, o parente desconhecido que aparece do nada.

LONGE DE SER A GRANDE SÉRIE QUE PODERIA

Por causa dessas qualidades, é uma pena que vez ou outra os roteiristas deem umas derrapadas. Por exemplo, a certa altura da temporada, Marty é sequestrado pelo cartel e torturado de um modo “existencialista”: o chefão do narcotráfico só pergunta “o que ele quer”. E o trauma dessa experiência é esquecido já no episódio seguinte… A terapeuta do casal, vivida pela ótima Marylouise Burke, é um achado… Até que os roteiristas decidem, para mover a trama, fazer com que ela aja de forma irresponsável e comece a atrair atenção para si mesma. E o Ben… entendemos a bipolaridade, mas o nono episódio o personagem força um pouco a barra para gerar tensão e drama para a Wendy.

LEIA TAMBÉM: CRÍTICA DA SEGUNDA TEMPORADA

A essa altura, quando uma série chega à sua terceira temporada, suas qualidades, assim como seus defeitos, já estão enraizados. Pelo talento reunido, Ozark poderia – e deveria – ser uma grande série. A essa altura, já podemos perceber que nunca será. Mas é uma boa série, ocasionalmente chega a ser ótima, com um elenco fenomenal e personagens interessantes o suficiente para nos manter assistindo. Os protagonistas Wendy e Marty são dois seres humanos terríveis, e continuam a espalhar sua influência como um vírus, mas sentimos empatia porque no universo ao seu redor, existem piores. E às vezes, até nos pegamos torcendo pelos coadjuvantes mais do que pelos principais.

A resolução definitiva da situação do casal e da família fica para a próxima temporada, que promete um domínio ainda maior das personagens femininas e mais tensão e intriga. De minha parte, estou curioso para continuar assistindo, e isso não deixa de ser uma marca da nossa “era de ouro” atual da TV norte-americana: Ozark pertence à “série B” dos seriados, mas isso não significa que não entretenha ou não envolva. Muito pelo contrário.

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...

‘O Legado de Júpiter’: Netflix perde o bonde para ‘The Boys’

Levando em conta todo o conteúdo de super-heróis disponível hoje no terreno das séries de TV e streaming – e é bastante – ainda há muito espaço para o heroísmo, digamos, tradicional: embora brinquem com formatos e gêneros e adicionem algumas complexidades aqui e ali,...