SINOPSE

Raimundo Quintela é último caçador de vira porco do Pará. Ele foi treinado durante toda adolescência para esse oficio. Nairton é um motorista de taxi que tem um único cliente que é Raimundo, juntos os dois viajam pelo interior da Amazônia resolvendo casos que ninguém consegue solucionar. Na noite anterior irmão Josué ouviu um bicho rondando seu quintal, de manhã ele se depara com todas as suas galinhas mutiladas. Imediatamente ele chama Raimundo Quintela para desvendar o caso. A primeira missão de Nairton com Raimundo Quintela vai mostrar pra ele que o trabalho não é brincadeira.

TRAILER

O DIRETOR

Robson Fonseca já tem carreira na TV e na realização de documentários, foi diretor e apresentador do programa Invasão, o qual ficou no ar seis anos na TV Cultura do Pará. Em 2012, fez o documentário Pau & Corda Histórias de Carimbó, que recebeu o prêmio de jornalismo em turismo Troféu Comendador Marques dos Reis 2013. Em 2015, o diretor produziu o longa documentário Balanço do Rock a mais Tribal de Todas as Festas, o qual participou da seleção oficial do Festival Internacional de Documentários Musicais, IN-EDIT Brasil 2016.

PRÊMIOS E MAIS PRÊMIOS

“Raimundo Quintela o Caçador de Vira Porco” chega como um dos filmes mais premiados no Olhar do Norte 2020. Entre os principais prêmios da produção paraense estão melhor curta-metragem na mostra Brasil Fantástico, na 9ª edição do Festival Internacional de Cinema Fantástico Cinefantasy e Melhor Ator Coadjuvante com Francisco Gaspar e direção de arte no Festival Maranhão na Tela 2018.

HQS E AMAZÔNIA

Em entrevista ao site da Cinemateca Paraense, o diretor afirmou que as viagens pelo interior do Pará para produção de documentários aliado às inspirações vindas da cultura pop e HQs o ajudaram a criar a história do curta. “Daí surgiu a ideia de misturar tudo isso e criar um personagem que é universal mas, também, traz todo um sotaque amazônico do caboclo paraense”, disse.

FICHA TÉCNICA

Direção, roteiro, montagem, pós -produção e mixagem de som: Robson Fonseca

Elenco: Paulo Marat, Francisco Gaspar, Nanna Reis, Albuquerque Pereira, Natal Silva

Direção de fotografia: André Mardock

Direção de produção: Moana Mendes

Produção Executiva: Lorena Sousa e Robson Fonseca

Preparação de Elenco: Roger Paes

Direção de arte: Jeff Cecim

Preparação de elenco: Roger Paes

Som direto: Luciano Mourão

Assistente de direção: Felipe Cortez

Quando pensei no roteiro, e esse seria minha primeira experiência em roteiro de ficção para o cinema, tentei criar um filme que tivesse humor, suspense e uma pitada de terror e ação. Tudo que o universo fantástico das histórias de visagens paraense tem. Histórias que ouvia na infância quando ia para o interior com os meus país. misturando tudo isso criei um conto sobre a Matinta diferente do já que tinha sido feito, buscando uma estética que trouxesse nossas referências locais que se traduzem no figurino, na arte, na escolha do elenco, na trilha sonora e na cores do filme.

Robson Fonseca

Diretor de "Raimundo Quintela, Caçador de vira porco"

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

Curta amapaense ‘Utopia’ é o grande vencedor do 4º Festival Olhar do Norte

A quarta edição do Festival Olhar do Norte terminou com a vitória do único curta-metragem vindo do Amapá: "Utopia" venceu Melhor Filme na Mostra Norte. O júri era formado pelos diretores Aldemar Matias (“La Arrancada”), Dheik Praia (“Pranto Lunar”), Elaíze Farias...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...