Lucas Martins realizou os dois primeiros curtas-metragens da carreira sem qualquer tipo de verba com tudo feito na base da amizade, força de vontade e muita criatividade. Superando as adversidades, “Barulhos” e “O Estranho sem Rosto” se revelaram boas surpresas do audiovisual amazonense dentro do cinema de terror. Agora, pela primeira vez, o diretor conta com um bom orçamento para realizar o policial “À Beira do Gatilho”, projeto contemplado no Prêmio Conexões Culturais 2020 – Lei Aldir Blanc – Audiovisual. 

O curta traz a história de um detetive particular viciado em jogos que está atrás de possíveis suspeitos pela morte de um homem que também apostava. Adriano Holmes interpreta o protagonista do elenco que ainda conta com Alexandre Mourão e Ricardo Gabriel. 

Além da direção, Lucas também é o autor do roteiro e tem na montagem Max Michel, parceiro de longa data desde “O Compromisso”, de 2017. “Eu sempre amei e quis realizar filmes policiais, por isso, tive a ideia de fazer algo no subgênero do detetive particular. A história se passa nos dias contemporâneos com um toque de humor e, com o transcorrer da narrativa, adota um tom mais sério”, disse Lucas ao Cine Set 

PRODUÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA 

Apesar de gravado em apenas dois dias em bairros como Parque 10 e Armando Mendes, “À Beira do Gatilho” contou, segundo o diretor, com um “um planejamento detalhado e elaborado na pré-produção”, facilitando o trabalho da equipe. “A única maior mudança de fato foi o zelo maior que tivemos ao realizar uma produção em tempos de pandemia”, declarou. 

A produção executiva de “À Beira do Gatilho” contou com Michelle Dantas, direção de fotografia de Reginaldo Tyson, montagem de Max Michel, finalização e operação de câmera por Wesley Santos e trilha sonora original de Pablo Araújo, vocalista e guitarrista da banda Luneta Mágica. Além de poder pagar toda a equipe de profissionais com a verba do edital, Lucas pode contar com melhores equipamentos do que os utilizados nos dois curtas anteriores. 

“Foi uma experiência bem feliz poder orquestrar esse time para contar uma história foi uma oportunidade muito prazerosa”, completou. “À Beira do Gatilho” ainda não tem data de lançamento definido. 

Max Michel (à esq) trabalhou com Lucas Martins (à dir) no curta que dirigiu, “O Compromisso”, e nos dois filmes do amigo, “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto”.

 

Projeto foi contemplado no edital Conexões Culturais com recursos provenientes da Lei Aldir Blanc.

 

Equipe precisou se adaptar às condições de gravação durante a pandemia da COVID-19.

 

CONFIRA “BARULHOS”, PRIMEIRO CURTA DE LUCAS MARTINS:

Amazonense ‘O Barco e o Rio’ é selecionado para festival na Espanha

Depois de passagens de sucessos por festivais brasileiros, chegou a hora de “O Barco e o Rio” alcançar novos caminhos: a produção amazonense está selecionada para o Festival Internacional de Cinema de Huesca, na Espanha. O curta-metragem de Bernardo Abinader disputa a...

Quatro filmes representam o Amazonas na Mostra Histórias do Brasil Profundo

Fruto das políticas públicas de regionalização do audiovisual brasileiro, o atual momento do cinema amazonense alcançou feitos considerados impossíveis décadas atrás, incluindo, desde o surgimento de eventos locais importantes como o Amazonas Film Festival, Olhar do...

Em Manaus, curso gratuito prepara realizadores para primeiro filme

Formação cultural através do audiovisual. Essa é a proposta do projeto “Nosso Primeiro Filme”, contemplado pela Lei Aldir Blanc, através do Prêmio Feliciano Lana da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. O curso propõe um panorama dos principais setores...

Curtas de Begê Muniz e Lucas Martins representam o Amazonas no CineFantasy

O cinema amazonense estará representado em dose dupla no 11.º Cinefantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico. Os curtas "À Beira do Gatilho", de Lucas Martins, e "Jamary", de Begê Muniz, serão exibidos no evento previsto para ocorrer entre os dias 16 e 29...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 7: O Que Esperar do Futuro?

Caio Pimenta fala sobre o que esperar do futuro do cinema amazonense e os desafios impostos ao audiovisual local.  https://www.youtube.com/watch?v=rQ79UdbQ4yQ O FUTURO PÓS-ALDIR BLANC A curto prazo, o cinema do Amazonas deve ter um bom 2021 e, talvez, 2022. Falo isso...

Cinemas de Joaquim Marinho no Centro de Manaus serão tema de websérie

Muito antes dos multiplexs dos shoppings centers, os cinemas de rua do Centro de Manaus foram referências de cultura e entretimento durante décadas - atualmente restou apenas o resiliente Casarão de Ideias. Durante os anos 1970 ao início do século XXI, as salas de...

Plataforma digital reunirá dados sobre o audiovisual do Amazonas

Uma plataforma digital com o catálogo de profissionais e empresas de audiovisual do Amazonas somado a um observatório com pesquisas e estudos sobre o setor. Esta é a proposta do projeto Tela Amazônia, da produtora Leão do Norte, organizadora do Matapi – Mercado...

‘O Barco e o Rio’ entra no TOP 10 da Abraccine dos melhores curtas de 2020

A trajetória bem-sucedida do filme amazonense "O Barco e o Rio" segue firme em 2021: a produção dirigida por Bernardo Ale Abinader entrou no TOP 10 dos melhores curtas-metragens de 2020 da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). A lista foi divulgada...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 6: A Tônica da Descontinuidade

Caio Pimenta fala sobre um dos maiores e históricos problemas do cinema produzido no Amazonas: a descontinuidade.  https://www.youtube.com/watch?v=3rosA6214mc ‘A Tônica da Descontinuidade’. Este é o título do livro mais importante sobre o cinema do Amazonas. O autor é...

Cine Set está credenciado para a cobertura do Festival de Berlim 2021

O Cine Set se prepara para uma nova cobertura internacional: a partir de março, o site de cinema produzido em Manaus traz as novidades sobre o Festival de Berlim 2021. O nosso correspondente internacional, Lucas Pistilli, já está credenciado para o evento online...