Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança urbana e dos medos naturais do obscuro. Quatro depois, agora, selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, o diretor retoma boa parte da fórmula do trabalho de estreia em “O Estranho Sem Rosto”. 

Aqui, acompanhamos a história de Bruno (Rodrigo Dueck), um rapaz inseguro no relacionamento com Vanessa (Talita Lima), desejando saber os passos da garota. A paranoia cresce após um comentário de um amigo dela em uma postagem no Facebook. Para piorar, ele acaba assombrado pelo tal estranho sem rosto (Guilherme Bindá), um sujeito alto vestido de terno e gravata pretos no melhor estilo Homem Invisível versão 1933. 

Com pouco mais de 10 minutos de duração, “O Estranho sem Rosto” consegue estabelecer muito bem a tensão da história pela direção e montagem eficientes. Lucas Martins confirma a habilidade na construção de atmosferas sufocantes trabalhadas de forma elegante ao cadenciar o ritmo das informações dadas ao público e também aos personagens. Na melhor sequência do curta, as descobertas feitas por Bruno no perfil da namorada são conduzidas gradualmente, sem pressa, em um constante jogo entre a tela do computador e um semblante cada vez mais desconfiado do protagonista. Isso repete-se pouco tempo depois na troca da foto do perfil de Bruno.  

JUMP SCARE? SÉRIO?

Curiosamente essa elegância se vê ameaçada justamente quando o filme mergulha nos elementos sobrenaturais. A primeira aparição até consegue ser eficiente se aliando ao espírito proposto pela abordagem de Lucas, porém, na mais chamativa presença do estranho sem rosto, o diretor apela para um jump scare dos mais apelativos possíveis e sem necessidade real de existir, quase traindo o elo criado com o espectador até então. 

Com um desfecho apressado deixando a sensação de que mais uns cinco minutos de filme poderiam ter fechado melhor a história, “O Estranho sem Rosto”, ainda que com um sabor agridoce, demonstra como a dupla Lucas Martins & Max Michel com sua veia cinéfila aguçada – vide a homenagem feita ao ‘grande’ Samuel L. Bronkowitz do ‘clássico’ “The Kentuchy Fried Movie”, de 1977, feita nos créditos finais – em promissores apostas do cinema de gênero no Amazonas. 

‘Sol, Pipoca e Magia’: série resgata Joaquim Marinho e a história cultural de Manaus

A websérie documental “Sol, pipoca e magia” se debruça sobre a história de Joaquim Marinho, um dos grandes nomes da cultura amazonense, tendo trabalhado em várias áreas artísticas como agitador e produtor cultural. A obra apresenta a trajetória de Marinho desde a...

‘Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto’: doc. frio de lenda do boi-bumbá

O documentário “Sidney Rezende: Meu Enquanto Canto” introduz o espectador à história de um dos principais compositores de toadas, bastante identificado com o boi Garantido (mas também com passagem pelo Caprichoso) que empresta seu nome ao título da obra. O filme é,...

‘A Hespanhola’: choque da alegoria restrita à mesma bolha

Em 2018, lembro-me de discutir com meu então mentor do programa para formação de críticos do Talent Press Rio, o português Luis Oliveira. O tópico: “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee. Na ocasião, ele defendia que o filme não era bom por ser isento de qualquer sutileza...

‘O Colar’: pedaços de grande filme ficam pelo caminho

O Festival Olhar do Norte acompanha com lupa a trajetória de Romulo Souza. Afinal, em todas as edições do evento, há um filme do jovem diretor e roteirista amazonense atualmente radicado em Santa Catarina. Na primeira edição foi “Personas”, documentário para além da...

‘Mestres da Tradição na Terra do Guaraná’: tema fascinante perde-se em pequenos excessos

O curta documentário “Mestres da Tradição na Terra do Guaraná”, com direção de Ramon Morato, foca nos músicos que mantêm vivos os ritmos de cancioneiro interiorano amazonense. São canções e ritos comunitários, cujas raízes remontam a culturas indígenas e...

‘Reflexos da Cheia’: uma viagem às origens do cinema dentro do Teatro Amazonas

Durante os nove minutos de “Reflexos da Cheia”, o público do Teatro Amazonas vivenciou uma oportunidade de viajar no tempo na terceira noite do Festival do Olhar do Norte. Engana-se quem deduz que este retorno faz referência apenas ao espantoso período de subida...

‘Cercanias / Gatos’: o universo felino e pitoresco de um condomínio de Manaus

“A Terra Negra dos Kawá” deixou a clara impressão de que Sérgio Andrade estava se repetindo em temas já abordados em “A Floresta de Jonathas” e “Antes o Tempo Não Acabava”. Parecia que os caminhos traçados até ali tinham se esgotado, tornando-se urgente e necessário...

‘Stone Heart’: frieza tira potência da mensagem

Vou abrir meu coração, caro leitor: “Stone Heart” me deixa diante de um impasse. De um lado, impossível não ressaltar o que o filme representa um avanço técnico inegável para o ainda incipiente setor da animação no Amazonas, especialmente, do ponto de vista técnico –...

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...