Neil Gaiman com o seu fantástico “Deuses Americanos” inseriu como os deuses antigos viveriam nos tempos atuais. A série norueguesa “Ragnarok” apresenta proposta semelhante, mas, diferente da road Ttip do consagrado escritor, introduz os seres mitológicos nórdicos no mundo adolescente. A ideia poderia render situações instigantes, pois a Mitologia Nórdica tão rica e com figuras interessantes, contribuiriam naturalmente para isso. Entretanto, o projeto da Netflix se revela uma produção dispersa, sem foco e com uma narrativa que não acerta o ritmo.

Estamos em Edda, a última cidade norueguesa a abrir mão da fé nos deuses nórdicos e se entregar ao cristianismo. Turid (Henriette Steenstrup) está de volta com os dois filhos: o tímido e desajeitado Magne (David Stakston) e o esperto e popular Lauritis (Jonas Strand Gravill). Enquanto ela começa no novo emprego, os filhos precisam se adaptar à escola.

Inesperadamente, Magne adquire força descomunal, sentidos ampliados, velocidade e atração por chuva e raios; em resumo, o rapaz tem os poderes de Thor. Apesar de sua dificuldade para aprender e fazer amizades, o jovem fica amigo de Isolde (Ylva Bkjorkaas Thedin), engajada em causas ambientais e contra a poluição causada pela fábrica da cidade. A moça logo atrai o amigo para sua luta, e o mesmo entende que pode usar suas habilidades em prol da causa.

“Ragnarok” possui todos os elementos de uma série teen em busca do sucesso com o público de sua faixa etária. Dilemas adolescentes regados a uma trilha sonora pop, e não deixa de ser interessante como a série, ao tentar criar uma conexão desse mundo com a temática mitológica, acabe se sabotando. A velocidade de acontecimentos importantes quebra qualquer chance de impacto emocional com quem está assistindo.

Podemos aqui citar a morte de uma personagem com grande potencial, mas, que por ter um fim prematuro, não é capaz de gerar muita comoção. Sem falar da apresentação do segredo dela, sem relevância nenhuma na trama, pois, logo é descartada.

Se essas situações ocorrem de maneira rápida ou rasteira, a ação vai pelo caminho inverso. As cenas de luta demoram a acontecer, e quando ocorrem, não empolgam. O orçamento de “Ragnarok”, com certeza, pesou aqui. E não podemos deixar de citar a subtrama ambientalista, um tema de grande potencial para ser explorado no futuro, mas que acaba sendo prejudicada pelos elementos acima citados.

BOAS IDEIAS MAL EXECUTADAS

Dentro dos seus seis episódios o que “Ragnarok” tem de melhor são os elementos de fantasia. As referências aos Gigantes de Gelo, hoje uma família rica de empresários e destruidores da natureza através de suas fábricas, é uma boa sacada. O nome da fábrica Joutu é uma clara referência a Joutunheim, o mundo de origem das criaturas. Fica claro também que Lauritis é Loki, o deus da trapaça, sempre buscando destaque e aprontando com o irmão, apesar de, em alguns momentos, colaborar com ele. As paisagens são muito bem exploradas com panorâmicas que contextualizam muito bem onde se passa a trama.

E fica aqui a maior frustração da série: o protagonista. Magne não é muito esperto e acaba afundando em seus dilemas. Claramente tentando fazer um paralelo das descobertas da adolescência, mas simplesmente não funciona pela falta de astúcia do mesmo – ele não fotografar ou filmar um certo local descoberto para criar respaldo é um deles.

Se houver uma segunda temporada, isso precisa ser resolvido urgente, mas confesso que não estou muito afim de encarar. “Ragnarok” precisa primeiro definir o seu foco para evitar o seu fim prematuro, além de responder todas as dúvidas deixadas.

‘Turma da Mônica – A Série’: para agradar novas e antigas gerações

Quando o primeiro longa-metragem live action de “Turma da Mônica” saiu, minha amiga e crítica do Cine SET Rebeca Almeida, escreveu que este era um novo caminho para o cinema infantil nacional. Pulamos para 2022 e com mais produções deste universo, Daniel Rezende,...

‘Better Call Saul’ 6×11: ‘Breaking Bad’

Aviso: SPOILERS no texto abaixo. Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. -- O que há em um bigode? Quando conhecemos Saul Goodman em Breaking Bad, era 2009 e o episódio se chamava “Better Call Saul”. Agora, estamos em 2022 e Jesse Pinkman e Walter White...

‘Better Call Saul’ 6×10: ‘Nippy’

Todas as temporadas de Better Call Saul, exceto esta última, começaram com uma sequência em preto-e-branco mostrando a vida triste de Jimmy McGill pós-Breaking Bad. Oops, Jimmy não: Gene Takavic, um sujeito com o cabelo rareando e um bigode deprimido que trabalha em...

‘Better Call Saul’ 6×09: ‘Fun and Games’

Há uma cena neste nono episódio da temporada final de Better Call Saul na qual Jimmy e Kim retornam ao bom e velho escritório da firma de advocacia HHM, um cenário que víamos desde o começo da série. Nele, Clifford diz ao casal que a empresa em breve vai dispensar...

‘Better Call Saul’ 6×08: Point and Shoot

Personagens inteligentes criam grande drama. Em Better Call Saul, desde o fim da quarta temporada, vemos o quanto Lalo é inteligente. Mesmo assim, ainda ficamos despreparados em relação à sagacidade dele enquanto assistimos a este retorno da série com "Point and...

‘The Boys’ – 3ª Temporada: Capitão Pátria rouba a cena no melhor ano da série

Desde o lançamento de “Deadpool” (2016) e, anos depois, de “Watchmen” (2019), há a tentativa de instaurar nesse sub-gênero um discurso paródico, irônico e autoconsciente que não é nenhuma surpresa após tantas produções de heróis ao longo da última década. “The Boys”...

Emmy 2022: Quem Serão os Indicados nas Principais Categorias?

De "Succession" a "Hacks", Caio Pimenta aponta quais deverão ser os indicados nas categorias de Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Série de Comédia, Drama e Minissérie. MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE INDICADOS Andrew Garfield, por “Under The Banner of Heaven” Colin Firth,...

‘A Lista Terminal’: poucos bons momentos para muito mais do mesmo

“A Lista Terminal”, a nova série de ação da Amazon Prime, começa muito bem. O primeiro episódio é dirigido pelo cineasta Antoine Fuqua, de “Dia de Treinamento” (2001) e “O Protetor” (2014), e realmente prende a atenção com um clima de suspense e uma boa condução....

‘Stranger Things 4’ Volume 2 | O Melhor e Pior da Temporada

Inevitável olhar para os dois últimos episódios da quarta temporada de “Stranger Things” e não mirar na duração: por que diabos um capítulo de 1h27 e outro de inacreditáveis 2h22? Nem sou daqueles que leva o tempo como fator decisivo para definir o que assistir (antes...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...