Neil Gaiman com o seu fantástico “Deuses Americanos” inseriu como os deuses antigos viveriam nos tempos atuais. A série norueguesa “Ragnarok” apresenta proposta semelhante, mas, diferente da road Ttip do consagrado escritor, introduz os seres mitológicos nórdicos no mundo adolescente. A ideia poderia render situações instigantes, pois a Mitologia Nórdica tão rica e com figuras interessantes, contribuiriam naturalmente para isso. Entretanto, o projeto da Netflix se revela uma produção dispersa, sem foco e com uma narrativa que não acerta o ritmo.

Estamos em Edda, a última cidade norueguesa a abrir mão da fé nos deuses nórdicos e se entregar ao cristianismo. Turid (Henriette Steenstrup) está de volta com os dois filhos: o tímido e desajeitado Magne (David Stakston) e o esperto e popular Lauritis (Jonas Strand Gravill). Enquanto ela começa no novo emprego, os filhos precisam se adaptar à escola.

Inesperadamente, Magne adquire força descomunal, sentidos ampliados, velocidade e atração por chuva e raios; em resumo, o rapaz tem os poderes de Thor. Apesar de sua dificuldade para aprender e fazer amizades, o jovem fica amigo de Isolde (Ylva Bkjorkaas Thedin), engajada em causas ambientais e contra a poluição causada pela fábrica da cidade. A moça logo atrai o amigo para sua luta, e o mesmo entende que pode usar suas habilidades em prol da causa.

“Ragnarok” possui todos os elementos de uma série teen em busca do sucesso com o público de sua faixa etária. Dilemas adolescentes regados a uma trilha sonora pop, e não deixa de ser interessante como a série, ao tentar criar uma conexão desse mundo com a temática mitológica, acabe se sabotando. A velocidade de acontecimentos importantes quebra qualquer chance de impacto emocional com quem está assistindo.

Podemos aqui citar a morte de uma personagem com grande potencial, mas, que por ter um fim prematuro, não é capaz de gerar muita comoção. Sem falar da apresentação do segredo dela, sem relevância nenhuma na trama, pois, logo é descartada.

Se essas situações ocorrem de maneira rápida ou rasteira, a ação vai pelo caminho inverso. As cenas de luta demoram a acontecer, e quando ocorrem, não empolgam. O orçamento de “Ragnarok”, com certeza, pesou aqui. E não podemos deixar de citar a subtrama ambientalista, um tema de grande potencial para ser explorado no futuro, mas que acaba sendo prejudicada pelos elementos acima citados.

BOAS IDEIAS MAL EXECUTADAS

Dentro dos seus seis episódios o que “Ragnarok” tem de melhor são os elementos de fantasia. As referências aos Gigantes de Gelo, hoje uma família rica de empresários e destruidores da natureza através de suas fábricas, é uma boa sacada. O nome da fábrica Joutu é uma clara referência a Joutunheim, o mundo de origem das criaturas. Fica claro também que Lauritis é Loki, o deus da trapaça, sempre buscando destaque e aprontando com o irmão, apesar de, em alguns momentos, colaborar com ele. As paisagens são muito bem exploradas com panorâmicas que contextualizam muito bem onde se passa a trama.

E fica aqui a maior frustração da série: o protagonista. Magne não é muito esperto e acaba afundando em seus dilemas. Claramente tentando fazer um paralelo das descobertas da adolescência, mas simplesmente não funciona pela falta de astúcia do mesmo – ele não fotografar ou filmar um certo local descoberto para criar respaldo é um deles.

Se houver uma segunda temporada, isso precisa ser resolvido urgente, mas confesso que não estou muito afim de encarar. “Ragnarok” precisa primeiro definir o seu foco para evitar o seu fim prematuro, além de responder todas as dúvidas deixadas.

Crítica | ‘Bridgerton’ 3ª Temporada – Parte 1: a crença de que podemos viver uma história de amor

Querido e gentil leitor,  Ouvi essa semana que é difícil para um crítico escrever sobre o que ele ama. Meu teste de fogo será trazer para vocês a análise da primeira parte da terceira temporada de “Bridgerton”. Estamos na era Polin, ship de Penelope e Colin, e esta...

‘Bebê Rena’: a desconcertante série da Netflix merece todo sucesso inesperado

E eis que, do nada, a minissérie britânica Bebê Rena se tornou um daqueles fenômenos instantâneos que, de vez em quando, surgem na Netflix: no momento em que esta crítica é publicada, ela é a série mais assistida do serviço de streaming no Brasil e em diversos países,...

‘Ripley’: série faz adaptação mais fiel ao best-seller

Vez por outra, o cinema – ou agora, o streaming – retoma um fascínio pela maior criação da escritora norte-americana Patricia Highsmith (1921-1995), o psicopata sedutor Tom Ripley. A “Riplíada”, a série de cinco livros que a autora escreveu com o personagem, já...

‘O Problema dos 3 Corpos’: Netflix prova estar longe do nível HBO em série apressada

Independente de como você se sinta a respeito do final de Game of Thrones, uma coisa podemos dizer: a dupla de produtores/roteiristas David Benioff e D. B. Weiss merece respeito por ter conseguido transformar um trabalho claramente de amor - a adaptação da série...

‘True Detective: Terra Noturna’: a necessária reinvenção da série

Uma maldição paira sobre True Detective, a antologia de suspense policial da HBO: trata-se da praga da primeira temporada, aquela estrelada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson, e criada pelo roteirista/produtor Nic Pizzolato. Os grandiosos oito episódios...

‘Avatar: O Último Mestre do Ar’: Netflix agrada apenas crianças

Enquanto assistia aos oito episódios da nova série de fantasia e aventura da Netflix, Avatar: O Último Mestre do Ar, me veio à mente algumas vezes a fala do personagem de Tim Robbins na comédia Na Roda da Fortuna (1994), dos irmãos Coen – aliás, um dos filmes menos...

‘Cangaço Novo’: Shakespeare e western se encontram no sertão

Particularmente, adoro o termo nordestern, que designa o gênero de filmes do cinema brasileiro ambientados no sertão nordestino, que fazem uso de características e tropos do western, o bom e velho faroeste norte-americano. De O Cangaceiro (1953) de Lima Barreto,...

‘Novela’: sátira joga bem e diverte com uma paixão nacional

Ah, as novelas! Se tem uma paixão incontestável no Brasil é as telenovelas que seguem firmes e fortes há 60 anos. Verdade seja dita, as tramas açucaradas, densas, tensas e polêmicas nos acompanham ao longo da vida. Toda e em qualquer passagem de nossa breve...

‘Gêmeas – Mórbida Semelhança’: muitos temas, pouco desenvolvimento

Para assistir “Gêmeas – Mórbida Semelhança” optei por compreender primeiro o terreno que estava adentrando. A série da Prime Vídeo lançada em abril é um remake do excelente “Gêmeos – Mórbida Semelhança” do genial David Cronenberg, como já dito aqui. O mundo mudou...

‘A Superfantástica História do Balão’: as dores e delícias da nostalgia

Não sou da época do Balão Mágico. Mesmo assim, toda a magia e pureza desse quarteto mais que fantástico permeou a infância da pessoa que vos escreve, nascida no final daquela década de 1980 marcada pelos seus excessos, cores vibrantes, uma alegria sem igual e muita...