Caio Pimenta analisa os fatores que levaram “Parasita” a ser o histórico vencedor do Oscar 2020.

Vencer um Oscar envolve muito mais do que ter “apenas” um grande filme em mãos. É preciso levar em conta uma série de fatores para que você consiga o prêmio máximo do cinema americano. “Parasita” soube jogar o jogo como poucos e ainda teve diversos contextos que permitiram essa vitória. Para mim, cinco motivos ilustram isso muito bem.

INTERNACIONALIZAÇÃO DA ACADEMIA

O primeiro deles é a internacionalização da Academia. Desde a presidência da Cheryl Boone Isaacs, o número de novos membros vindos de fora dos EUA tem crescido bastante. Para se ter uma ideia, pessoas de 58 países compõem 20% dos 9 mil membros da entidade.

Essa busca para rejuvenescer o Oscar como resposta às críticas de preconceito contra minorias e para dar maior relevância a importantes mercados para Hollywood contribuiu ajudou “Parasita”.

TEMÁTICA DO MOMENTO

O segundo motivo é que “Parasita” representava a principal temática do ano: a desigualdade social e o abismo entre as classes.

Coringa” e “Indústria Americana”, produções também premiadas no Oscar 2020, tocaram no assunto com diferentes pontos de vista, assim como sucesso nacional “Bacurau”.

PÚBLICO MAIS AMPLO

O terceiro motivo está relacionado à capacidade de “Parasita” falar com um público mais amplo do que as produções do exterior que já disputaram o Oscar de Melhor Filme anteriormente.

Com sua mistura de drama, comédia, suspense dentro de importantes críticas sociais, “Parasita” é uma produção capaz de agradar desde o público mais jovem ao mais velho. Diferente, por exemplo, de “Roma” e “Amor” que poderiam encontrar maior resistência entre os mais jovens e “O Tigre e o Dragão” entre os mais velhos, somente para ficar em casos recentes.

CONCORRENTES ENFRAQUECIDOS

A queda de concorrentes importantes durante a temporada de premiações é o quarto motivo que ajudou “Parasita” a levar o Oscar.

Se “O Irlandês” enfrentou resistência severa pelas 3h30, um pecado para os dias atuais, “Era uma vez em Hollywood” tinha a figura controversa de Quentin Tarantino e as mudanças históricas em relação a Sharon Tate como um empecilho. “História de um Casamento” ruiu no meio do caminho, “Coringa” era muito divisivo  e violento para uma Academia que acabara de premiar “Green Book”, e “Adoráveis Mulheres” e “Jojo Rabbit” nunca se firmaram como potenciais candidatos a Melhor Filme.

Daí, ficou “1917” como maior rival, porém, o quinto motivo explica a derrota do Sam Mendes.

ESTRATÉGIA PERFEITA

Com uma estratégia inteligente de fazer um lançamento pequeno em circuito alternativo, apostando no boca-a-boca positivo e no buzz criado pelas redes sociais, a Neon foi trabalhando a ideia de que não de que não havia oportunidade melhor do que aquela de realizar um feito histórico e premiar a primeira produção não falada em inglês dentro da Academia. O fato poderia até ser visto como uma resposta ao conservadorismo da escolha de “Green Book”, em 2019.

A maior demonstração do clima pró-Parasita aconteceu no SAG quando os atores foram aplaudidos de pé em duas ocasiões e a produção fez história ao levar o prêmio de Melhor Elenco.

Ali começava a ser selado um caminho que “1917” até tentou impedir com conquistas no DGA, PGA e Bafta, porém, acabou sendo mais forte a sensação de que era hora de fazer história.

E O FUTURO?

A vitória de “Parasita” também demonstra uma força dos estúdios menores em relação aos todo-poderosos de Hollywood. Nos últimos anos, vimos a Fox Searchlight vencer três vezes com “12 Anos de Escravidão”, “Birdman” e “A Forma da Água”, a Open Road com “Spotlight”, a A24 com “Moonlight”, e, agora, a Neon com “Parasita”. A exceção ficou com “Green Book” da Universal Pictures.

A grande questão, agora, é saber qual será o impacto desta vitória. O Oscar vai se abrir, finalmente, para as produções ao redor do planeta ou vamos voltar ao conservadorismo? Sinceramente, não acho que a gente vai ver isso virar rotina de vermos produções francesas, alemães, sul-coreanas, brasileiras vencendo Melhor Filme. Acredito sim que a tendência é que haja sempre um espaço para produções de fora dos EUA indicadas até pela questão de mercado da festa.

Pelo menos, a recepção à vitória de “Parasita” tem sido boa dentro de Hollywood até que se prove o contrário devido à boa repercussão da cerimônia deste ano. Porém, a pior audiência da história do Oscar pode jogar contra isso. De qualquer modo, o feito histórico está sendo menos traumático do que ocorreu quando “Hamlet” se sagrou a primeira produção não-americana a vencer o Oscar, em 1949. Em revolta à decisão, os principais estúdios de Hollywood cessaram os repasses financeiros feito à Academia.

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Denzel Washington

De “Um Grito de Liberdade” a “Roman J. Israel Esq”, Caio Pimenta analisa da pior a melhor indicação de Denzel Washington ao Oscar.  https://www.youtube.com/watch?v=EdFS6qS1DOI 8. ROMAN J ISRAEL ESQ  Das oito indicações do Denzel ao Oscar, o pior trabalho ficou...

Oscar 2022: As Possíveis Surpresas e Decepções da Temporada de Premiações

De “Licorice Plzza” a Ben Affleck, Caio Pimenta lista possíveis surpresas e decepções da temporada de premiações rumo ao Oscar 2022. https://www.youtube.com/watch?v=wK7wzJ40eGo AS POSSÍVEIS SURPRESAS  Que “Licorice Pizza” estará no Oscar, isso é mais do que certo....

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Nicole Kidman e Jennifer Lawrence

Das nomeações por "Moulin Rouge" e "Inverno da Alma" a "Lion" e "Joy", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Nicole Kidman e Jennifer Lawrence no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=T_TfJwxVcwI 4. LION  Começamos com a Nicole Kidman e sua...

Lady Gaga e Kristen Stewart: Quem Chega Mais Forte no Oscar 2022?

Caio Pimenta analisa os pontos a favor e contra de Lady Gaga, de "Casa Gucci", e Kristen Stewart, de "Spencer", no Oscar 2022 de Melhor Atriz. https://youtu.be/eoeoDQn7TD0 PONTOS A FAVOR DE LADY GAGA  A Lady Gaga tem boas credenciais para acreditar que pode sim levar...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Jane Fonda

Falar da beleza, carisma e do engajamento político de Jane Fonda é chover no molhado. Porém, a estrela de Hollywood também era uma grande atriz e as sete indicações com duas vitórias provam isso.  Por isso, eu faço esta homenagem a ela trazendo da pior à melhor...

Oscar 2022: Previsões Iniciais de Melhor Animação

De “Flee” a “A Família Mitchell e a Rebelião das Máquinas”, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Animação.  CHANCES MÍNIMAS  Três franquias vão manter a regularidade no Oscar: todas elas seguirão sem indicações.  Se os três primeiros...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Daniel Day-Lewis

Chegou a hora de falar do maior vencedor da categoria de Melhor Ator: Daniel Day-Lewis conseguiu seis indicações e levou a estatueta em três ocasiões.  Nada mais do que justo a um dos maiores de todos os tempos; um intérprete que se entregava de maneira completa aos...

Oscar 2022: Previsões Iniciais de Melhor Filme Internacional e as chances do Brasil

O prazo para cada país enviar o seu candidato ao Oscar de Melhor Filme Internacional chegou ao fim no dia 1 de novembro.   Entre algumas surpresas e outros candidatos já esperados, chegou a hora de apontar quem chega forte para disputa e, claro, analisar a situação...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Woody Allen

O Woody Allen compareceu apenas uma vez à cerimônia do Oscar: foi em 2002 para introduzir um curta de Nora Ephron sobre os filmes rodados em Nova York, cidade que se recuperava dos traumáticos atentados de 11 de setembro do ano anterior.  Apesar de nunca aparecer nas...

Oscar 2022 de Melhor Atriz Coadjuvante: Previsões Iniciais

De Judi Dench a Kirsten Dunst, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Atriz Coadjuvante. CHANCES MÍNIMAS Como sempre, eu inicio pelas candidatas com quase nenhuma chance na disputa. A turma inclui nomes gigantes de Hollywood. Apesar de...