Ruim, negligente e problemático. 

Com a missão de falar sobre a nova atração da Netflix, ‘365 Dias’, não encontro melhores palavras que estas para apresentar o longa – apesar de “pior filme de 2020” também ser uma boa opção. Baseado no romance homônimo da polonesa Blanka Lipinska, a produção é recheada com tudo que há de pior: um roteiro bagunçado, personagens superficiais, cenas românticas excessivas para esconder os furos da história e, o pior de tudo, atitudes abusivas sendo vendidas como um romance. Ou seja, além de ser sofrível de assistir, a popularidade do longa ainda é um enorme desserviço para seus espectadores. 

Descrito como um romance erótico polonês, o longa apresenta Laura Biel (Anna Maria Sieklucka), uma diretora de vendas que tem sua vida virada do avesso quando, em uma viagem a Sicília, o mafioso Massimo Torricelli (Michele Morrone) a sequestra lhe dando 365 dias para se apaixonar por ele. 

Já pela sinopse podemos perceber que, de romance, “365 Dias” não tem nada, afinal, como apostar em uma relação iniciada em um sequestro? Mas é exatamente isso que o longa faz. Além de raptada, Laura passa por diversas agressões físicas e psicológicas, sem contar, é claro, com a imposição de uma nova rotina em razão do abandono de sua vida anterior. Assim, apesar da protagonista em diversas situações, reafirmar não ser apenas um objeto, o filme mostra exatamente o contrário já que tanto ela quanto Massimo estão ali apenas cumprindo falas e sendo objetificados. 

A superficialidade nos protagonistas é tangível e mostra o quanto “365 Dias” não se preocupa em atingir uma profundidade narrativa em momento nenhum. Então, se todo resto é descartável, supostamente as cenas de sexo deveriam ser o grande atrativo e destaque positivo, tudo o que não acontece. Esses momentos, além de serem protagonizados por atuações quase cômicas, ainda têm direito a uma música brega no fundo, seguindo sempre o mesmo padrão. 

SERVE COMO COMÉDIA?

Porém, se como romance erótico o filme dá errado, como comédia ele poderia ter tido maior sucesso. Afinal, já temos um roteiro totalmente improvisado, personagens unidimensionais e cenas que rendem boas risadas. A união de todos esses fatores cria uma enorme bagunça visual e, quando o público acha que pior não pode ficar, um plot twist de novela mexicana (com todo respeito às produções da Televisa) surge para nos brindar. 

No final das contas, ‘365 Dias’ não passa de uma história que, em nenhum momento, se preocupa em explicar seus desdobramentos, somente criando situações aleatórias para continuar a saga sexual do casal protagonista. Antes fosse uma comédia, para que seus acontecimentos pudessem ser ironizados, entretanto, o grande problema de se vender como um romance é ser mais uma narrativa a qual trata mulheres de forma tão negligente, com toques de machismo, relacionamento abusivo e tudo aquilo que nós mulheres não precisamos ver sendo reproduzido em pleno 2020. 

Ah! E sabe qual a pior parte de tudo isso? A chance de ter uma continuação. 

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...