Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A justiça não embarcou”, a série se aproveita justamente desta noção para deixar claro como, mesmo nas circunstâncias mais extremas, e por mais ilógico que seja, a humanidade simplesmente não consegue deixar certas coisas para trás. Como dividir as pessoas por classes sociais ou poder econômico.

O miolo do episódio é o julgamento da jovem LJ por homicídio. Obviamente uma sociopata – e de novo, merece ser elogiada a atuação da jovem Annalise Basso – ela é a culpada pelo grande rolo que testemunhamos a bordo do trem desde o começo da temporada. No entanto, é também uma privilegiada passageira da primeira classe. Em nome da justiça, Melanie até admite entre o corpo de jurados alguns cidadãos da segunda e da terceira classe. Mas a justiça não é cega no Snowpiercer, e até Melanie percebe que não tem tanto poder a bordo do trem quanto pensa.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

Novamente dirigido por Frederick E. O. Toye, o episódio se move num ritmo ágil. Embora ele não tenha tantas reviravoltas ou tantas oportunidades visuais quanto o anterior, é realmente interessante como a direção mantém o espectador interessado com cenas rápidas e montagem alternada – pulando do julgamento para a cena nas “gavetas” perto do final do episódio. E o roteiro também é ágil: o outro grande acontecimento deste episódio é a busca de Josie por Layton, tensa e até se resolve de maneira mais rápida do que o esperado.

DILEMAS E RASTROS DE HUMANIDADE

Mas o cerne do episódio é realmente o julgamento e sua conclusão, que promete ter desdobramentos bem interessantes. É curiosa a transição da Melanie: de início quase uma antagonista gelada, ela vem se tornando nestes últimos episódios uma figura mais humana – na cena de sexo entre ela e o condutor do trem, a personagem demonstra lamento pela situação em que vive e até um pouco de calor humano. Jennifer Connelly vem exibindo uma atuação sutil e bem construída, transmitindo a luta interna de Melanie com grande competência. Ela começa a sentir a pressão e isso fica claro para o espectador.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

A tensão vem do julgamento e da percepção dela de que consequências virão. O problema de se agarrar às velhas estruturas de classe – especialmente quando elas não fazem mais muito sentido – é que classe gera revolta, e revolta sempre traz consigo potencial para violência e revolução. É o que o final deste episódio parece indicar, e o cerco em torno da administradora do trem está se fechando. E com isso, Expresso do Amanhã está se configurando como uma série bem interessante de se assistir.

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...