Não é muito comum ver uma comédia romântica tão consciente do contexto político e social em que é lançada: na sequência de abertura de Casal Improvável, nos deparamos com o personagem de Seth Rogen, um jornalista infiltrado em uma reunião de supremacistas brancos que o obrigam a tatuar uma suástica – e, daí para frente, um mundo em que a extrema direita se encontra em plena ascensão é o principal pano de fundo para a improvável história de amor do título. 

Embora situado nesse contexto, Casal Improvável parte de um dos velhos chavões do universo das comédias românticas: o cara levemente estranho, nerd, que, por acaso, consegue ter uma chance com uma mulher ‘superior’, o famoso caso do “muita areia para seu caminhãozinho”. O cara, neste caso, é Fred Flarsky (Rogen), recém-auto-demitido de seu emprego por não aceitar a compra do site em que escreve por uma grande empresa de mídia, comandada por um figurão que acredita que casamentos homossexuais causam furacões. Já a mulher é Charlotte Field (Charlize Theron), atual Secretária de Estado e uma das mulheres mais influentes do mundo, em plena preparação de terreno para disputar a Casa Branca. Conhecidos de infância, os dois se reencontram de um modo insólito, levando Charlotte a contratar Fred para injetar mais humor e personalidade aos seus discursos enquanto os dois rodam o mundo. 

A dinâmica entre a dupla, claro, logo vai se transformando em romance, e, por mais que Jonathan Levine comande a câmera de maneira convencional, com direito a muitos primeiros planos contrapostos, o carisma de Rogen e Theron, altamente confortáveis em seus papéis, é o suficiente para vender a história – a atriz, especialmente, parece se divertir ao poder mostrar seu talento para a comédia. Aqui e ali, a montagem e a direção também conseguem compor momentos singulares para o casal, como a honesta dança escondida ao som de Roxette.

FORA DO LUGAR COMUM

O grande trunfo de Casal Improvável, porém, reside em não se esquivar das personalidades que encarna aos seus personagens e o modo como eles se comportam no mundo em que se encontram: Charlotte, por exemplo, é uma mulher com ideais, mas também ciente dos percalços que precisa enfrentar e determinadas concessões a fazer no jogo político. O filme nos lembra constantemente que, por mais alta que seja a posição de poder da mulher, ela está sempre sendo testada sob os olhos da opinião pública – não à toa, em determinado momento, Charlotte comenta que não pode agir de certa forma pois deve encontrar o equilíbrio entre não ser vista como racional ou emocional demais. Da mesma forma, Fred é pintado como um personagem que representa bem uma suposta esquerda idealista além da conta: guiado por seus restritos códigos morais, ele é confrontado constantemente por situações que o obrigam a rever sua posição e enxergar o mundo de maneira menos maniqueísta. 

O maniqueísmo do filme, aliás, encontra espaço em outro personagem: Parker Wembley, uma espécie de Rupert Murdoch (o figurão conservador da Fox News) daquele universo, caracterizado por uma maquiagem pesada que deixa Andy Serkis irreconhecível no papel de vilão da história. É através, principalmente, deste personagem que Casal Improvável apresenta os temas pouco comuns que o destacam entre as comédias românticas: críticas ao conservadorismo, aos intricados jogos entre política e mídia e às campanhas difamatórias de reputação empreendidas por veículos de comunicação partidários – coisas não muito diferentes do que temos visto não só nos EUA, mas em lugares bem próximos… 

Se, por um lado, ao longo do filme, essas camadas de crítica política e social dão mais substância a história de um casal já carismático por si só, por outro, o final surreal para onde o filme se encaminha é bom demais pra ser verdade no mundo real (só imagine isso acontecendo na sociedade conservadora estadunidense), mas, pelo menos, a jornada até lá é suficientemente crível e rende uma boa dose de piadas efetivamente engraçadas para tornar Casal Improvável um filme quase memorável. 

P.S.: O Playarte Manauara podia fazer o favor de conferir o som da sala 2, né? Som abafado em um dos canais de som durante metade do filme não é nada legal. 

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...

‘Mães de Verdade’: os tabus da honra e da adoção em belo filme

Destaque da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2020, “Mães de Verdade” é o novo filme da prolífica diretora japonesa Naomi Kawase (“Esplendor”, “O Sabor da Vida”). A produção bebe da fonte do melodrama para contar uma história de honra e...

‘Cabeça de Nêgo’: candidato forte a filme do ano do cinema brasileiro

Inspirado no movimento de ocupação de escolas ocorrido em São Paulo no ano de 2015, “Cabeça de Nêgo” é um manifesto de rebeldia ao racismo, anti-sistema e contra a precariedade da educação pública brasileira. Faz isso aliando um discurso social engajado, altamente...