Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro Popular do Audiovisual, Coletivo Difusão, Museu Amazônico, Picolé da Massa e o próprio Cine Set já se aventuram neste tipo de iniciativa. Em 2018, foi a vez do Casarão de Ideias através do curso Cineastas em Formação, ministrado por Davi Oliveira e Walter Fernandes Jr. 

Dirigido pela publicitária Maria Yole Bezerra, “Jackselene” é um dos frutos do curso que conseguiu ir mais longe, sendo selecionado para a Mostra Competitiva Norte do Festival Olhar do Norte 2020. Como não poderia deixar de ser, o curta se mostra um competente exercício de aprendizado e experimentações técnicas para jovens iniciantes no setor, ainda que tenha dificuldades em envolver o público em sua trama sobre uma jovem recém-chegada a Manaus que se envolve em um golpe para conseguir subir de vida. 

Nos 13 minutos de duração, nota-se todo o cuidado técnico através de uma decupagem precisa para se alcançar o melhor resultado possível dentro das limitações impostas a uma produção sem orçamento. Com isso, “Jackselene” deixa de lado planos-sequências ou a praga dos drones para apostar no básico de planos gerais, médios, closes em um trabalho econômico, mas bem feito do diretor de fotografia Davi Oliveira, especialmente, na bela sequência inicial em preto e branco.  

A montagem consegue costurar o ritmo do filme em parceria com a trilha marcada por músicas de conhecidas bandas amazonenses como Os Tucumanus, Casa de Caba e Platinados, porém, o que se destaca mesmo é o trabalho de som detalhista e muito bem captado pelo quinteto Juca Fernandes, Ivan Barreto, Anderson Karybáya, Lucas Aflitos e Victor Alexandre. 

MARINHEIROS DE PRIMEIRA VIAGEM 

Tamanho esmero técnico, porém, não ecoa tanto no roteiro. A trama focada mais nos acontecimentos e nos rumos da história impede um desenvolvimento mínimo dos personagens. Podemos até reconhecer a esperteza de Altamira, porém, pouco nos é oferecido para que possamos criar empatia pela anti-heroína.  

Semelhante ao que ocorrera com Isabela Catão em “Enterrado no Quintal”, Thais Vasconcelos, apesar de boa atriz, pouco pode fazer para extrair mais a partir do material de origem. Complica ainda a verborragia à la Tarantino de momentos que deveriam ser tensos, mas, que perdem força por este excesso. 

São pequenas deficiências naturais e compreensíveis de trabalhos de primeira viagem de jovens interessados em fazer cinema. Levando em consideração o curto histórico na formação acadêmica de audiovisual, “Jackselene” merece reconhecimento pelo esforço e tentativa de seus participantes e da equipe do curso em um processo fundamental marcado por erros e acertos. 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...