Mais um dia, mais uma volta ao redor do Sol… E mais um filmeco para se assistir na Netflix. É curioso notar como este A Força da Natureza veio a existir, pois ele explica muito sobre como o cinema funciona hoje, do ponto de vista econômico e industrial. Existe todo um mercado de produções de gênero que hoje em dia vão direto para o streaming, com uma trama daquelas milimetricamente calculada para agradar ao maior número possível de espectadores, e que conta com um ou mais astros das antigas como chamariz para o público e também como viabilizador da produção.

Esse A Força da Natureza se encaixa perfeitamente nesses quesitos: um típico chiclete mental de hoje em dia, feito para ser consumido e esquecido poucos minutos depois, mas, viável economicamente e capaz de manter as engrenagens da indústria do cinema girando.

Esse, em especial, foi filmado em Porto Rico, e um filme é sempre bom para movimentar a economia de um local. Só o espectador, mesmo, que não é recompensado de maneira alguma por ver isso aqui.

Na trama, Emile Hirsch vive um jovem policial que caiu em desgraça – causada pela sua própria estupidez na cena de abertura. Sério, ele é sério candidato ao título de pior herói dos últimos tempos num filme. Rebaixado e com uma nova parceira (Stephanie Cayo), ele recebe a missão de evacuar uns moradores teimosos de um prédio quando um furacão categoria 5 se aproxima de Porto Rico.

Dentre estes moradores, tem o policial veterano ranzinza (Mel Gibson), sua filha médica (Kate Bosworth), um velho com uma fortuna em obras de arte e um sujeito que cria um tigre (!). Acontece que tem uma quadrilha de bandidos, liderada pelo personagem de David Zayas (da série Dexter), que deseja roubar as obras de arte do coroa e invade o prédio durante o furacão, forçando os heróis a se unirem para enfrentá-los.

Na década passada, pareceu por um momento que Hirsch e Bosworth virariam astros de Hollywood. Não aconteceu… Agora aqui estão eles, estrelando um Duro de Matar no condomínio e molhados. Ela até que escapa com dignidade; ele mata pessoas por acidente e precisa ser salvo com frequência por outros personagens ou pelas circunstâncias. É realmente um John McClane dos pobres.

 DURO DE MATAR NO CONDOMÍNIO

Já Gibson é a melhor coisa do filme, fácil. Diga-se o que dizer dele, o ator sempre foi uma figura carismática em frente às câmeras e não precisa muito aqui para roubar o filme. O cachê dele provavelmente consumiu a maior parte do orçamento, fazendo com que o diretor Michael Polish encene cenas de ação canhestras nos corredores de um condomínio indistinto. Mesmo assim, é melhor ver essas cenas do que aquelas em que os personagens tentam ter conversas significativas sobre quem são – “A Força da Natureza” tem uns diálogos esquisitos, da expressão “transplante fecal” à triste história de como o cara do tigre veio a treinar seu bichinho de estimação. Em todo o caso, a grana investida em Gibson valeu a pena: o rosto dele aparece com destaque no pôster e no trailer, mesmo com ele aparecendo relativamente pouco.

Pelo menos, Gibson ainda se esforça e trabalha sério no filme, ao contrário do seu colega ícone de ação dos anos 1980 Bruce Willis, que hoje em dia embolsa cheques para aparecer por cinco minutos em filmes parecidos como esse…

De resto, a trama acaba sendo, além de batida, mal contada – só descobrimos o que de fato o herói fez para ser demovido lá pelo meio do filme, e o que os vilões querem de verdade quase no final! E há por todo o filme aquela sensação incômoda de que ninguém está ali por vontade própria, o projeto não passa de um cheque para todos os envolvidos.  Tudo é tão genérico e previsível que parece que a história de “A Força da Natureza” foi composta por algum algoritmo – e de uma certa forma, foi. Pena que não chega a ser do tipo “tão ruim que fica bom”.  E não demora muito, e logo virá outro filme parecido. Assim é a vida e assim funciona a indústria do cinema.

Ei, mas, ao menos, este aqui tem um tigre.

‘Jungle Cruise’: aventura pela Amazônia passa de ano raspando

No início dos anos 2000, a Disney adaptou famosas atrações de seus parques para o cinema, como a “Mansão Mal-Assombrada” (2003) e “Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra” (2003) - este último rendendo até uma grande franquia. Com a tentativa de alcançar este...

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...