Ryan Murphy é um dos showrunners mais populares do mundo do entretenimento. Apaixonado por cultura pop, o autor de sucessos como “Glee”, “American Horror Story”, “Pose” e “Feud” passeia em diversos gêneros apresentando histórias carregadas de referências e sarcasmo presentes em uma linha tênue entre o real e o hiperbólico. Todos os elementos que o tornam tão apreciado comparecem em sua primeira parceria com a Netflix: The Politician.

A trama acompanha Payton Hobart (Ben Platt), um adolescente que sonha em ser presidente dos Estados Unidos. Para isso, traça um plano de vida baseado na biografia de líderes americanos: ter as melhores notas, se tornar presidente do grêmio estudantil e entrar em Harvard – universidade responsável por formar o maior número de presidentes norte-americanos. Para auxiliá-lo na jornada política, estão a namorada Alice (Julia Schlaepfer) e os amigos James (Theo Germaine) e McAfee (Laura Dreyfuss), que desenvolvem várias estratégias para garantir o sucesso do candidato Isso inclui, por exemplo, recrutar uma jovem com câncer Infinity (Zoey Deutch) como vice para garantir os votos de comoção. Competindo com ele, há a ambiciosa Astrid (Lucy Boynton) e seu namorado River (David Corenswet), que também se arriscam na disputa pela presidência da escola.

As abordagens de Murphy

Como esperado de uma produção adolescente que aborda política, “The Politician” é envolta de traições, reviravoltas, triângulos amorosos e escândalos, mas sempre com a pitada de sarcasmo e humor característicos de Ryan Murphy. Apresentando um desconforto proposital, o roteiro da série é capaz de falar de coisas sérias de maneira descontraída, e, por conta disso, abordar questões mais profundas ligadas à saúde mental e a busca por sucesso.

Um exemplo da eficácia e respeito do roteiro com as temáticas escolhidas é a naturalidade como a bissexualidade é apresentada. Não há invisibilidade, preconceito ou bizarrices: tudo é muito fluido e tangível. Os sentimentos de Payton por Alice e River não são questionados ou vistos com desdém, mas são importantes de formas distintas para que o personagem possa crescer como político e pessoa.  

O jogo político, aliás, está constantemente em todos os parâmetros narrativos e Murphy, assim como George R.R. Martin fez em “Game of Thrones”, torna-o acessível e popular. Demonstrando que a política está em todas as esferas e todos participam dela, até mesmo aquele que se diz isento e não quer estar ou ignora a existência do game.

Pastiche e referenciais

“The Politician” ainda exalta uma das funções imprescindíveis em qualquer movimento que envolva público: o assessor. No primeiro episódio, James e McAfee afirmam que não são carismáticos o suficiente ou capazes de estarem diante do público para concorrerem a algo, entretanto, são os verdadeiros responsáveis para que a campanha de Payton triunfe por meio de suas estratégias, avaliação de métricas e fidelidade ao seu candidato. A maneira de agir deles remete a Stanley Motss de “Mera Coincidência”, e não duvido nada que seriam capazes de ir a situações extremas para defender Payton, assim como o assessor interpretado por Dustin Hoffman. A série é uma bela resposta a quem indaga: o que faz o profissional de relações pública.

A produção da Netflix também é eficiente em acompanhar o timing das discussões do mundo pop. Prova disso é o núcleo de Infinity e sua avó (Jessica Lange, no que pode ser seu último trabalho, devido a aposentadoria auto imposta), que abordam de forma descontraída a Síndrome de Munchhausen por procuração, discutida no último ano em “Sharp Objects” e “The Act”. O comportamento das personagens é claramente uma sátira as produções, chegando a repetir cenas e reencenar diálogos com tons mais irônicos.

Já no sentido estético, os cenários e figurinos apresentam cores vivas e vibrantes valorizando as formas geométricas na composição com um certo toque de Wes Anderson. Quanto à escolha de planos e movimentos de câmera, a direção bebe da estética de David Fincher utilizando uma câmera no tripé que se aproxima e se distancia das cenas e objetos, especialmente quando os planos envolvem a escola e a mansão de Payton.

Ecos de “Glee”

Payton é um típico protagonista do multiverso de Ryan Murphy: cínico, excêntrico, autocentrado e capaz de despertar o interesse do espectador. Com o decorrer da trama, o personagem passa a si questionar se realmente vale a pena se prender ao projeto que traçou para toda sua vida. Nesse ponto, sua jornada se assemelha bastante a outra figura emblemática do autor: Rachel Berry, a protagonista de “Glee”. Ambos possuem uma ambição avassaladora, que com o andamento de seus arcos narrativos, tentam aprender a ressignificar suas ações.

A presença de Ian Brennan e Brad Falchuk na criação da série salientam esse eco de Berry, visto que uma de suas parcerias com Murphy é justamente “Glee”. Esse fato, também, auxilia na compreensão do tom carismático e surreal que perpassa “The Politician”. Se por um lado, isso é positivo devido à receptividade do público, por outro se torna um problema: o último episódio procura literalmente ser a reencarnação da série musical.

Viena e seu potencial desperdiçado

O ritmo nos primeiros quatro episódios da série é dinâmico e cria uma atmosfera folhetinesca, que deixa um gostinho de “quero saber como isso vai acontecer”. A partir do sexto episódio, no entanto, há uma quebra de narrativa que não consegue dar prosseguimento às discussões anteriores e acaba por jogar novas informações em tela que não foram trabalhadas previamente, tornando-as desconexas e soltas. Até desaguar no fatídico “Viena”.

A proposta desse episódio seria bem mais eficaz se (1) tivesse sido trabalhado algo que os levasse a esse lugar e (2) se as tramas tivessem sido amarradas anteriormente. Entretanto, tudo fica no ar – a história de Infinity, as eleições na escola, o futuro de Payton e sua trupe – e o espectador é transportado há um episódio da quarta temporada de “Glee” em que Blane toca piano no bar com a voz embargada de álcool e culpa. “The Politician” se torna um spin off das desventuras de Rachel em Nova York. Um desfecho insalubre para uma série que caminhou tão bem.

“The Politician” é como um filho de Ryan Murphy com o pior e o melhor do showrunner. A produção agrega um ótimo elenco entre veteranos, oscarizados e a estrela da Broadway Ben Platt, para mergulhar no contexto político de forma descontraída e exagerada. Para quem está acostumado ao tom dos projetos do autor, isso é de fácil recepção e crédito. Já para quem ainda não se habituou a sua estética pode se chocar. De qualquer maneira, a produção possui personagens marcantes e temáticas interessantes que poderão ser exploradas melhor conforme as temporadas avancem.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...