Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história verídica de Pedro Dom, “o bandido gato” que aterrorizou a elite carioca no início dos anos 2000.

Filho de ex-policial e bem-nascido, Pedro poderia ter tudo que um garoto branco e privilegiado quisesse. Seu espírito caótico, entretanto, lhe puxou para o mundo das drogas e crimes. m algum momento dos oito intensos episódios, descobrimos que Pedro quase não tem sensibilidade à dor física, um caminho fácil para o seu mundo intenso, violento, insano e sem quaisquer fronteiras que lhe aprisionem.

Porém, “Dom” não é só isso: o diretor Breno Silveira (“Os Dois Filhos de Francisco”) apresenta uma estrutura não-linear ao traçar o paralelo de Pedro com o jovem idealista Luiz Victor (Filipe Bragança). Nos anos 1970 no auge da Ditadura Militar, ele entra na polícia e se infiltra na favela de Santa Marta onde um novo caos urbano assombra as autoridades: a cocaína. A grande ironia é que Victor lutou contra a proliferação das drogas, mas não conseguiu salvar o seu filho de se viciar em algo que ele trabalhou por quase toda a vida para acabar.

NOTA DO AUTOR: interessante como toda história de um playboy branco que envereda para o crime sempre ganha holofotes, livros, filmes, séries. Como se quisessem de alguma maneira humanizá-los (eis aí o privilégio branco): exemplos não faltam como Meu Nome Não é Johnny (2008). Enquanto isso, os jovens negros e periféricos são sempre vistos como parte do problema de uma estrutura desigual. Mas não precisamos ter suas histórias contadas, afinal, quem se importa?

ELENCO EM ALTO NÍVEL

Muito do êxito de “Dom” advém da fotografia e ambientação que se casam perfeitamente em uma linguagem frenética, intensa, escura em grande parte da produção, solar quando está nas fases amenas. O destaque total, entretanto, vai para o trio de protagonistas da série: Filipe Bragança, muito sutil. Flávio Tolezani, o maduro Victor e agora pai, está fantástico. Ele imprime dor, imponência e vulnerabilidade em uma mesma sequência, coisa que só bons atores conseguem fazer.

E Gabriel Leone, o Pedro Dom, grande nome da nova geração de atores, entrega um trabalho fabuloso. Fúria, inteligência, carisma, repulsa, violência. Adjetivos não faltam nas nuances que ele envereda. O seu olhar quando está entrando na Febem, dá medo e você compreende que a partir dali, o Pedro não mais será o mesmo, mas pior!

Raquel Villar (Jasmim), Isabella Santonni (Viviane), Ramon Francisco (Lico) e Digão Ribeiro (Armário) também estão em perfeita sintonia como parte do “bonde” dos crimes de Pedro. Laila Garin (Marisa) é a representação perfeita da mãe sofrida e Mariana Cerrone (Laura) a amorosa e irmã pé no não. Importante citar Fábio Lago (Ribeiro) em mais um desempenho seguro e impactante.

HISTÓRIA DE SALVAÇÃO

“Dom” é uma série que merece ser vista por pais e filhos, pois está para além dos crimes e adrenalina que transparece na tela. É o resgaste também do amor fraterno, a busca desenfreada por um pai em salvar o seu filho dele mesmo. A angústia de uma família que adoece junto com um viciado como ele. Não há escapatória. Ninguém sai ileso quando há uma pessoa doente no seio familiar.

Os laços se quebram e se refazem diariamente. Como desistir de um filho amado? Essa é uma das inquietações reflexivas. A conexão é mais forte e mesmo que não haja mais força física e mental.

Ainda que haja entre os pais uma idealização de um filho(a) perfeito(a), normal, aos olhos da sociedade e ele não cumpre esse papel, pois está fora da curva, no fim do dia, ele, com todos os erros, crimes, internações (foram mais de quinze), ainda é o seu filho! “Dom” também é uma história de amor entre esse pai que não mede esforços para salvar a sua cria.

NOTA DO AUTOR 2: esse texto foi elaborado antes da polêmica que está cercando a série. A irmã mais velha de Pedro Dom usou as redes sociais para acusar seu pai e equipe da inveracidade na história (especialmente a imagem imaculada do “pai herói”, que descobrimos ser uma falácia) e do sofrimento causado na família com essa repercussão voltando à tona. Particularmente, não compactuo com essa história, mas compreendo que a série é uma produção ficcional, tanto que em cada episódio há o aviso de “inspirado em fatos reais”, inspiração na realidade, mas é ficção! Conforme for, toda nossa solidariedade à mãe e irmã. Agora, vai de você, caro leitor, assistir ou não.

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...