Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas pessoas da história não são meus parentes!”. É um filme mão-pesada, equivocado e até um pouco desonesto na sua proposta de lançar um olhar sobre um segmento da sociedade norte-americana.

Baseado no livro autobiográfico de J.D. Vance, a narrativa de Era Uma Vez um Sonho se alterna entre dois períodos de tempo. No presente, vemos J. D. (vivido por Gabriel Basso), que é um jovem estudante de Direito em Yale, uma das mais prestigiadas universidades dos Estados Unidos. A vida de J. D. sofre um abalo quando recebe a notícia de que sua mãe, Beverly (Amy Adams), está internada após uma overdose de drogas. Ele então retorna ao Kentucky, onde cresceu, para tentar ajudar a mãe. E no passado, vemos como foi a infância de J. D. (Owen Asztalos) e a sua tumultuada convivência familiar em meio à pobreza, e como a sua avó (Glenn Close) teve influência fundamental na sua criação.

É um filme sobre os rednecks, os hillbillies, como se diz em inglês – na tradução para o português, seriam os caipiras norte-americanos, aquele pessoal do sul do país que, em geral, não tem muita escolaridade ou cultura, são pobres, gostam de armas e são patriotas. É o sal da terra do país, a classe trabalhadora branca dos Estados Unidos que vive, em sua maioria, à margem do tal do Sonho Americano. O título original da obra, Hillbilly Elegy (“Elegia caipira”), deixa claras as intenções da roteirista Vanessa Taylor e do diretor Ron Howard – do oscarizado Uma Mente Brilhante (2001) – de lançar uma luz sobre esse segmento da população que, muitas vezes, é visto com preconceito pela mídia.  E numa época de país dividido, como a recente eleição demonstrou, essa proposta ganha ainda mais importância. Mas se a intenção era valorizar essas pessoas e o senso de família delas… a intenção saiu pela culatra. A elegia é torta, porque não há como se lamentar por esses personagens ou o seu modo de vida.

BRIGA POR TODOS OS CANTOS

Primeiro, porque o espectador fica sem ponto de acesso à história. O protagonista mal é definido pelo roteiro e não cria empatia – a atuação de Basso também é muito opaca, sem sal. Nas cenas do passado, Asztalos se sai apenas um pouco melhor, e não ajuda o fato de ele estar rodeado de tipos. Não há personagens; há tipos aqui, caricaturas do white trash.

Todo mundo é raso, inclusive a personagem da Amy Adams, que deveria ser uma figura triste e meio trágica, mas o roteiro esquemático só a caracteriza como doida. Sentimos que ela se ressente dos filhos por tê-los tido cedo na vida, mas isso nunca é mostrado para nós, apenas informado via diálogo expositivo. É como se a produção apostasse todas as fichas apenas no carisma da atriz para criar empatia junto ao público, mas nem Adams faz milagre com uma figura tão desagradável.

E a roteirista parece achar que colocar os personagens para brigar é desenvolvê-los – e logo Era Uma Vez um Sonho se torna cansativo, porque todo mundo briga entre si o tempo todo, deixando quase todos os personagens praticamente insuportáveis… Sério, é uma cena de briga ou discussão atrás da outra, pelas quase duas horas de filme. Close se sai um pouco melhor por causa do talento e porque o roteiro pinga umas gotas de humanidade sobre a sua personagem, mas ela é um pequeno alento. De modo geral, chegar ao fim do filme é um suplício, os conflitos e as brigas são martelados sem dó sobre o espectador, e a direção medíocre de Howard só ressalta a dureza da experiência com a sua mão pesada.

FAMÍLIA NÃO É TUDO

Howard é o diretor do cinemão hollywoodiano padrão: aquele cara proficiente nos quesitos técnicos, mas pequeno emocionalmente, sempre pronto para lançar mão de clichês e facilidades nas suas narrativas. Em Era Uma Vez um Sonho, o clichê maior vem perto do final, quando a narrativa pula da desgraceira para o tom triunfante com toques de autoajuda, tentando vender a ideia de que J. D. se dá bem na vida por causa da sua família, ao invés de apesar dela. Pode até ter acontecido assim na vida real, mas, no fim das contas, o cinema sempre conta as histórias das pessoas que foram as exceções e não as regras, não é mesmo?

Afinal, o que esperar de um projeto que escala como destaque justamente as duas atrizes que, ao longo do tempo, ficaram tão famosas pelo fato de perderem repetidas vezes no Oscar, quanto pelos seus respectivos talentos como intérpretes? Era Uma Vez um Sonho acaba não passando de uma isca de Oscar, fraco como narrativa e raso na sua proposta dramática, e que, de uma maneira torta, desperta no espectador a noção de que família não é tudo.

Olhar de Cinema 2022: ‘A Censora’, de Peter Kerekes

Dirigido por Peter Kerekes, “A Censora” aborda o dia a dia de uma penitenciária feminina em Odessa, cidade ucraniana. Misturando documentário e ficção, o filme tem como personagem principal Lesya (Maryna Klimova), jovem que recentemente deu à luz ao primeiro filho,...

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...