Em 1961, Leonel Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, foi o principal responsável por liderar um levante popular em defesa da democracia brasileira. Chamado de Campanha da Legalidade, o movimento buscava garantir a posse do vice-presidente João Goulart após a renúncia de Jânio Quadros, a fim de cumprir a Constituição e evitar um golpe militar (o que viria a se concretizar três anos depois). 

Tal episódio marcante da nossa política já seria suficiente para render um filme e tanto. Mas, em “Legalidade”, o diretor gaúcho Zeca Brito parece não ter confiado o suficiente no potencial cinematográfico dessa história e a tornou plano de fundo para uma trama ficcional repleta de clichês explorados exaustivamente pelo cinema ao longo das décadas, com o objetivo de tornar a obra mais comercial e atrair uma maior fatia de público. 

Exibido no Festival de Gramado numa sessão especial em homenagem ao ator Leonardo Machado (morto no ano passado, aos 42 anos, em decorrência de um câncer), “Legalidade” foi bastante criticado pelo seu tom folhetinesco. O roteiro, assinado pelo próprio diretor em parceria com Leo Garcia, usa e abusa de artifícios de telenovela antiga, resultando em um verdadeiro melodrama com direito a triângulo amoroso e trilha sonora com boleros repetidos à exaustão.

 ELENCO ENTRE ALTOS E BAIXOS

Cleo (ex-Pires) não convence como Cecília Ruiz, a misteriosa jornalista brasileira radicada nos Estados Unidos que retorna ao país de origem em meio ao turbilhão e se envolve com os irmãos Luiz Carlos e Tonho, vividos por Fernando Alves Pinto e José Henrique Ligabue. Estes, inclusive, são os grandes destaques do elenco, garantindo bons momentos enquanto Cleo exagera nas caras e bocas durante toda a projeção e não consegue transmitir a ambiguidade necessária à sua complexa protagonista.

Por outro lado, Leonardo Machado defende com unhas e dentes o seu Leonel Brizola, imprimindo na tela toda a tensão que o político enfrentou durante os 14 dias em promoveu a Campanha da Legalidade. Poderia e merecia ter brilhado muito mais caso tivesse sido o personagem central do filme, que ainda conta com uma pequena participação do grande Paulo Cesar Pereio.

Outro enorme desperdício é Letícia Sabatella, que surge deslocada como a filha de Cecília Ruiz em uma trama paralela desnecessária ambientada em 2004, pouco antes da morte de Brizola (aqui interpretado por Sapiran Brito, pai do diretor). Blanca, a personagem de Letícia, pesquisa documentos da ditadura militar em busca de informações sobre o passado de sua mãe e, consequentemente, sua origem.

RELEVÂNCIA EM TEMPOS DE AMEAÇA DEMOCRÁTICA

Dentre os pontos positivos em “Legalidade”, merece destaque a belíssima fotografia de Bruno Polidoro trabalhada em tons escuros, uma escolha bastante adequada para retratar aquele período sombrio.

A direção de arte, assinada por Adriana Nascimento Borba, reproduz com fidelidade a época retratada, ressaltando a grandeza de locações como o Palácio Piratini e o Paço Municipal de Porto Alegre. Apenas derrapa em pequenos detalhes como, por exemplo, jornais guardados por mais de 40 anos que aparecem brancos e novos como se tivessem acabado de sair da banca. Inclusive, tais jornais históricos são rabiscados por Blanca em plena hemeroteca, algo ilógico e bizarro, resultando em mais uma falha por parte da direção.

Excessivamente didático na parte histórica, o filme conta com raras imagens de arquivo no decorrer de sua narrativa, que ajudam a solucionar questões de orçamento, mas também ressaltam o compromisso do diretor e roteirista com a veracidade dos fatos. Tal preocupação é refletida até nos traços psicológicos dos personagens fictícios, que foram moldados a partir de figuras reais que viveram os acontecimentos da época.

Segundo o filósofo Edmund Burke, “um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”. Ao terminarmos de assistir “Legalidade”, é possível constatar que nunca estivemos tão perto daquele Brasil de 1961 como agora. E é justamente isso que faz com que o filme mereça ser visto, independentemente de suas falhas. Porque, cada vez mais, o cinema brasileiro torna-se uma vitrine para a reflexão e discussão sobre os rumos que o nosso país vai tomar em um momento em que voltamos a ter nossa democracia ameaçada.

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...