Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e a polícia não descobriram nem rastro dela. Mare também cuida sozinha da filha adolescente e do neto após uma tragédia familiar. Ela passa seus dias resolvendo problemas e fumaçando pelo seu cigarro elétrico, sem paciência para muita coisa. Mas, quando aparece o cadáver de outra moça da cidade, tem início uma investigação que vai sacudir a vida dela.

“Mare of Easttown” é mais uma interessante experiência narrativa na tradição da HBO, no sentido de que usa um formato conhecido de história ou de produção televisiva – no caso, o procedural, aquela seriado de TV policial focado na investigação de um caso e nos procedimentos policiais, estilo Law & Order – para criar uma produção que transcende esse formato, mais pessoal e interessante do ponto de vista dramático. No caso, a alquimia do criador e roteirista Brad Inglesby e do diretor Craig Zobel é regida pela noção de que “o espectador vem pelo mistério, mas continua assistindo pela personagem e seu universo”. E quando a personagem é vivida por Kate Winslet, aí já se pode dizer que se tem o principal ingrediente para a alquimia funcionar.

NA LINHA DE ‘SOPRANOS’ E ‘TRUE DETECTIVE’

Winslet tem na Mare uma das suas mais inspiradas criações: em boa parte da minissérie, por insistência da própria atriz, a personagem é mostrada do modo mais realista e desglamourizado possível, o que adiciona muito ao tom da produção. Tanto que o primeiro episódio dos sete é inteiro para conhecermos Mare e seu universo: a rotina na polícia, as pressões do trabalho, seu convívio familiar com a mãe e a filha (vividas por Jean Smart e Angourie Rice, respectivamente), e até o flerte inesperado com um escritor (interpretado por Guy Pearce). Só ao final dele que é introduzido o elemento do mistério.

Por isso, é até um pouco reducionista chamar Mare of Easttown de procedural: com um enfoque tão grande assim em uma personagem, no seu cotidiano e nos seus dramas, ela acaba se irmanando mais de outras produções da HBO que transcendem gêneros, como Família Soprano ou mesmo True Detective.

O que não significa que o mistério e o suspense sejam negligenciados na série: “Mare of Easttown” trabalha sim – e muito bem – seus elementos investigativos e de thriller com momentos poderosos de curiosidade e até tensão. O quinto episódio com a parceria de Mare e do jovem policial Colin (interpretado com brilho por Evan Peters), o qual, aliás, tem mais do que um pequeno interesse nela, oferece um suspense forte. A minissérie como um todo possui uma visão bem feminina, abordando temas como violência contra a mulher, solidão, abuso e sororidade – claro, boa parte desse enfoque se deve à estrela da série, trabalhando junto com o roteirista. E a resolução final da temporada é poderosa e dramaticamente rica, e não decepciona.

SLICE OF LIFE

Seja no drama ou no suspense, a série transmite uma autenticidade que rege todos os seus momentos. A ambientação é precisa: o clima frio, a melancolia das vidinhas na cidade até o sotaque diferente usado por Winslet transmite a sensação de imersão, de realidade, sem a qual Mare of Easttown acabaria não funcionando. Os atores desaparecem nos seus papéis e tudo parece um slice of life, um recorte da vida captado pelas câmeras com veracidade e delicadeza.

E temos consciência de que a vida continua. Mare of Easttown não oferece grandes conclusões para os dilemas da vida que qualquer mulher pode enfrentar, mas, em seus delicados momentos encontra pequenas fontes de esperança e de continuação. Funciona como drama, funciona como suspense e, como um todo, é uma excepcional obra televisiva, ancorada por umas das melhores atrizes do momento e que conhece a personagem a fundo. Ao final dos sete episódios, a conhecemos a fundo também. Ela deixa de ser apenas uma personagem de TV e se torna praticamente uma amiga. Uma daquelas amigas turronas, meio difíceis, mas que gostamos de visitar de vez em quando só para saber se ela está bem.

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...