Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e a polícia não descobriram nem rastro dela. Mare também cuida sozinha da filha adolescente e do neto após uma tragédia familiar. Ela passa seus dias resolvendo problemas e fumaçando pelo seu cigarro elétrico, sem paciência para muita coisa. Mas, quando aparece o cadáver de outra moça da cidade, tem início uma investigação que vai sacudir a vida dela.

“Mare of Easttown” é mais uma interessante experiência narrativa na tradição da HBO, no sentido de que usa um formato conhecido de história ou de produção televisiva – no caso, o procedural, aquela seriado de TV policial focado na investigação de um caso e nos procedimentos policiais, estilo Law & Order – para criar uma produção que transcende esse formato, mais pessoal e interessante do ponto de vista dramático. No caso, a alquimia do criador e roteirista Brad Inglesby e do diretor Craig Zobel é regida pela noção de que “o espectador vem pelo mistério, mas continua assistindo pela personagem e seu universo”. E quando a personagem é vivida por Kate Winslet, aí já se pode dizer que se tem o principal ingrediente para a alquimia funcionar.

NA LINHA DE ‘SOPRANOS’ E ‘TRUE DETECTIVE’

Winslet tem na Mare uma das suas mais inspiradas criações: em boa parte da minissérie, por insistência da própria atriz, a personagem é mostrada do modo mais realista e desglamourizado possível, o que adiciona muito ao tom da produção. Tanto que o primeiro episódio dos sete é inteiro para conhecermos Mare e seu universo: a rotina na polícia, as pressões do trabalho, seu convívio familiar com a mãe e a filha (vividas por Jean Smart e Angourie Rice, respectivamente), e até o flerte inesperado com um escritor (interpretado por Guy Pearce). Só ao final dele que é introduzido o elemento do mistério.

Por isso, é até um pouco reducionista chamar Mare of Easttown de procedural: com um enfoque tão grande assim em uma personagem, no seu cotidiano e nos seus dramas, ela acaba se irmanando mais de outras produções da HBO que transcendem gêneros, como Família Soprano ou mesmo True Detective.

O que não significa que o mistério e o suspense sejam negligenciados na série: “Mare of Easttown” trabalha sim – e muito bem – seus elementos investigativos e de thriller com momentos poderosos de curiosidade e até tensão. O quinto episódio com a parceria de Mare e do jovem policial Colin (interpretado com brilho por Evan Peters), o qual, aliás, tem mais do que um pequeno interesse nela, oferece um suspense forte. A minissérie como um todo possui uma visão bem feminina, abordando temas como violência contra a mulher, solidão, abuso e sororidade – claro, boa parte desse enfoque se deve à estrela da série, trabalhando junto com o roteirista. E a resolução final da temporada é poderosa e dramaticamente rica, e não decepciona.

SLICE OF LIFE

Seja no drama ou no suspense, a série transmite uma autenticidade que rege todos os seus momentos. A ambientação é precisa: o clima frio, a melancolia das vidinhas na cidade até o sotaque diferente usado por Winslet transmite a sensação de imersão, de realidade, sem a qual Mare of Easttown acabaria não funcionando. Os atores desaparecem nos seus papéis e tudo parece um slice of life, um recorte da vida captado pelas câmeras com veracidade e delicadeza.

E temos consciência de que a vida continua. Mare of Easttown não oferece grandes conclusões para os dilemas da vida que qualquer mulher pode enfrentar, mas, em seus delicados momentos encontra pequenas fontes de esperança e de continuação. Funciona como drama, funciona como suspense e, como um todo, é uma excepcional obra televisiva, ancorada por umas das melhores atrizes do momento e que conhece a personagem a fundo. Ao final dos sete episódios, a conhecemos a fundo também. Ela deixa de ser apenas uma personagem de TV e se torna praticamente uma amiga. Uma daquelas amigas turronas, meio difíceis, mas que gostamos de visitar de vez em quando só para saber se ela está bem.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...