De todos os filmes de ação/ficção-científica dos anos 1980 que fizeram sucesso, O Exterminador do Futuro (1984) era, em tese, o que tinha a menor probabilidade de virar franquia. Vigoroso e impactante longa que impulsionou as carreiras do seu roteirista/diretor, James Cameron, e do seu astro, Arnold Schwarzenegger, o filme tinha pegada B, com uma trama bem fechadinha e cujas regras da viagem no tempo pareciam ser definitivas – os personagens até dizem, numa cena, que a máquina do tempo que enviou o exterminador e o soldado humano ao passado, um para matar Sarah Connor e o outro para protegê-la, foi destruída, inviabilizando novas viagens. 

Todavia, O Exterminador do Futuro acabou, sim, virando uma máquina de continuações. O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final (1991), também de Cameron, é mais épico e espetacular, um marco dos efeitos visuais e considerado com justiça uma das melhores continuações de todos os tempos – particularmente, prefiro o original com seu clima de terror e condução implacável. Depois vieram outros, porque Cameron teve de largar mão de sua criação e outros produtores e diretores assumiram até o negócio virar uma salada mista de viagens no tempo e cenas de ação. Há poucos anos, os direitos da marca retornaram para Cameron, que se aliou com Tim Miller, do sucesso Deadpool (2016), para realizar este Destino Sombrio, a retomada da franquia que ignora as sequências anteriores e continua a história a partir do segundo filme. 

Outra pessoa que teve a carreira impulsionada por Exterminador do Futuro foi a atriz Linda Hamilton, a intérprete de Sarah Connor, a futura mãe do salvador da humanidade na vindoura guerra contra as máquinas. E Hamilton é a melhor coisa de Destino Sombrio, retomando a personagem que ficou de fora das outras continuações. Sarah volta à ação quando dois novos personagens chegam do futuro para causar destruição no México e nos EUA: um novo exterminador (Gabriel Luna), com a missão de matar a jovem Daniela (Natalia Reyes), e uma humana aprimorada, Grace (Mackenzie Davis), com a missão de protegê-la.  

A voz está mais rouca, os cabelos mais brancos, mas é a mesma Sarah. E Linda Hamilton não é o único elemento familiar dos filmes de Cameron a retornar. Destino Sombrio é praticamente um repeteco do segundo filme, com alguns conceitos do primeiro, e homenagens salpicadas por cima. Até as sequências de ação têm como molde as do segundo filme: perseguição numa rodovia; um confronto numa prisão na fronteira substituindo o hospital psiquiátrico; e o final apocalíptico em um grande ambiente industrial só troca o fogo pela água, uma siderúrgica por uma hidrelétrica. 

HORA DE DAR ADEUS 

A intenção de Cameron, Miller e do pequeno batalhão de roteiristas é clara: depois de tanta bagunça ao longo das décadas, este novo Exterminador do Futuro chega para ser o Jurassic World (2015), o Star Wars: O Despertar da Força (2015) da sua franquia. É um reboot/refilmagem disfarçado de continuação, que se contenta em proporcionar aos fãs uma experiência o mais próxima possível das suas lembranças dos filmes antigos.  

Funciona? Bem, até que sim. Destino Sombrio é divertido, desde que o espectador não pare para pensar muito no que está vendo, e é realmente o melhor Exterminador desde o segundo filme. Mas essa opção é também meio preguiçosa e demonstra que a franquia já deu o que tinha para dar no cinema. Quando o único caminho para renovar uma franquia é reciclar seus “melhores momentos”, é de se perguntar se ainda vale a pena continuar fazendo esses filmes, do ponto de vista criativo. 

Para ser justo com o filme, aqui e ali há alguns elementos novos: o protagonismo feminino no roteiro é a progressão natural da concepção de Cameron, que fazia de Sarah a verdadeira heroína de Exterminador do Futuro. As três atrizes, Hamilton, Davis e Reyes, atuam com garra e força. Hamilton revisita com óbvio prazer aquele nervo exposto de emoção e poder que é Sarah, e Davis, com seu visual meio alienígena, convence como figura poderosa. Pena que nem mesmo elas consigam superar alguns diálogos ruins e situações estranhas, especialmente no começo da história…  

A opção de colocar Schwarzenegger como coadjuvante – ele só aparece no terceiro ato do filme – também é corajosa. Quando ele entra em cena, não decepciona e seu carisma de astro rapidamente o torna a figura mais querida do filme. E de novo, é uma pena que a sua aparição não faça muito sentido dentro da trama e levante perguntas que o roteiro não consegue responder… 

Miller dirige sequências de ação com clima meio cartunesco de maneira eficiente, e as atrizes seguram o peso dramático. O filme flui bem até seu desfecho. Mas não consegue deixar de ser só mais um Exterminador: Apesar das promessas de Cameron, do seu envolvimento na produção e na elaboração da história, da nostalgia e da presença dessas mulheres poderosas, falta a Destino Sombrio a força, a “pegada” que os dois primeiros longas possuíam. É um filme sem “poder de fogo”, bem feito, mas, no fim das contas, apenas outro produto hollywoodiano meio calculado demais para agradar ao público. 

Parece que, como seus personagens, o criador do Exterminador quis voltar no tempo, para apagar alguns erros do passado. Mas acabou apenas demonstrando a própria futilidade de sua empreitada: Cameron, junto com seus colegas, acabou fazendo só mais uma continuação esquecível do seu próprio filme que não deveria ter tido continuação. Ou melhor, devia ter tido apenas uma. 

‘Ski’: manifesto social fragmentado e irreverente

"Ski", de Manque La Banca ("T.R.A.P" e "Grr"), é uma viagem ao coração obscuro que existe por trás das empreitadas remotas e luxuosas. A co-produção Argentina-Brasil, que estreou na mostra Forum da Berlinale deste ano, mistura as estéticas de documentários, vídeos...

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...