“The Father”, novo filme dos diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foi o vencedor do Globo de Cristal, prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. A produção búlgara acompanha a história de Vasil, um homem de idade avançada que acaba de perder sua esposa, Ivanka. Quando uma mulher chega ao funeral afirmando que a falecida está ligando para seu celular, Vasil decide alistar uma medium para contatar Ivanka.

Kristina e Petar conversaram com o Cine Set sobre a inspiração para o longa e como é ser artista na Bulgária atualmente. 

Cine Set – Em entrevistas anteriores, vocês mencionaram que os primeiros dois filmes da carreira, “A Lição” (2014) e “Glory” (2016), foram planejados como parte de um trilogia baseada em histórias encontradas em jornais. Porém, na divulgação de “Glory”, vocês deixaram em aberto a possibilidade do seu próximo longa ser fora desta proposta. Afinal, “The Father” se encaixa em qual das duas alternativas? 

Kristina Grozeva – “The Father” é um projeto paralelo. Foi uma pequena quebra na trilogia. Agora, continuaremos a trabalhar na terceira parte dela, intitulada “Triumph”.

Petar Valchanov – Esperamos iniciar as gravações no ano que vem, agora que ganhamos do Centro Nacional de Cinema [da Bulgária].

Cine Set – “The Father” possui muitos elementos de comédia em comparação às suas produções anteriores. O que os levou a explorar esta vertente?

Petar Valchanov – Uma razão foi o fato de que a base da história era muito triste – algo que poderia acontecer com qualquer um. Por isso, decidimos contá-la a partir de um ponto de vista engraçado. Também queríamos explorar essa mistura de gêneros e esperamos repetir isso no futuro.

Cine Set – Em pequenas cenas, “The Father” parece fazer comentários sobre aspectos do pós-comunismo no governo e na vida búlgara. Eles são periféricos ao enredo, mas o espectador pode percebê-los. Essas reflexões sobre a herança da era comunista foram intencionais?

Kristina Grozeva – Sim. Construir personagens complexos e incluir muitos aspectos das suas vidas na história era importante para nós. O processo criativo buscou fazer algum tipo de registro da nossa realidade. Foi crucial colocar essas reflexões no filme. No entanto, fomos muito cuidadosos para não priorizar este tópico, afinal, a relação entre pai e filho, no nível pessoal, era mais importante.

Petar Valchanov – O contexto social faz parte dos personagens. Tentamos não colocar isso no centro do filme, mas, sim de forma orgânica dentro da história.

Cine Set – A maioria dos personagens do filme são artistas. Como foi o processo para criar esta visão particular dos artistas de hoje em dia na Bulgária?

Kristina Grozeva – Decidimos que os personagem seriam artistas pelo fato de estarmos inseridos neste meio e essa ser a nossa profissão, o que torna tudo mais honesto…

Petar Valchanov – … e fala sobre pessoas que conhecemos. É parte do nosso background e essa é uma história pessoal. Para nós, era muito importante conhecer essas pessoas.

Cine Set – Algo impressionante em “The Father” é que os artistas em seu roteiro não são nem burgueses nem hippies. Eles parecem ser, por falta de uma palavra melhor, da classe trabalhadora. Como você mencionou que esta é uma história pessoal, a idéia de um artista da classe trabalhadora está presente em sua vida ou na Bulgária em geral?

Petar Valchanov – Na Bulgária, é muito estranho e, para nós artistas, tudo é muito difícil. Talvez seja em todo lugar do mundo, mas…

Kristina Grozeva – …na Búlgaria, é ser artista é um tipo de punição.

Petar Valchanov – Sim, muitos familiares dizem: “Esqueça essa história de ser músico, ator…”

Cine Set – Voltando à história do filme, como ela surgiu?

Kristina Grozeva – “The Father” é baseado em um fato que realmente aconteceu na nossa família. Depois do funeral da mãe de um parente, um vizinho apareceu apavorado e disse: “Sua mãe está me ligando!”. Olhamos o telefone e vimos o nome, a data e o horário da ligação. Ele disse que a ligação ocorrera há dois minutos, sendo que ela tinha sido enterrada três horas antes. Ficamos impressionados e começamos a acreditar que era uma situação sobrenatural. Talvez ela quisesse entrar em contato conosco e dizer algo, mas, depois de alguns minutos, descobrimos uma razão lógica para aquilo ter acontecido. Este foi o gatilho para a trama.

Petar Valchanov – É muito dramático viver estes momentos, mas, com o tempo e a distância, eles acabam se tornando totalmente absurdos e engraçados. Daí, começamos a pensar: “E se formos mais longe com esta história?”

Kristina Grozeva – A relação entre pai e filho foi construída baseada no que vimos ao nosso redor. Acho que é um assunto importante a ser falado. É fundamental tentarmos nos conectar mais e resolver os nossos problemas da melhor forma possível. Acreditamos que essas coisas [disse apontando para um celular] nos conectam, mas, muitas vezes, elas acabam sendo obstáculos na comunicação. É por isso que a falta de comunicação se tornou um dos principais assuntos de “The Father”.

Cine Set – Houve um desejo de usar o aspecto cômico da história como uma maneira de falar sobre o luto e as maneiras como o processamos?

Kristina Grozeva – Fizemos este filme como uma espécie de psicoterapia. Por isso, “The Father” mostra momentos tristes com humor. Esperamos que o público sinta este mesmo efeito porque todos possuem experiências semelhantes. Se algum sortudo ou sortuda nunca passou por isso, infelizmente, ele ou ela passarão. É algo que não podemos evitar e, por isso, tão necessário de se conversar e debater.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

Keila Serruya: ‘Desejo Mudar a Realidade de Apagamento do Negro em Manaus’

Sabe aquela expressão “Dentro de toda brincadeira, há um pouco de verdade”? Esse ditado popular poderia ser a resposta ao meme “o brasileiro tem memória curta”. Entre mitos e falácias, é notável o quanto ainda há muitos fatos que são obscuros aos livros de história...

Allan Deberton: ”Pacarrete’ está entrando na cultura pop’

Allan Deberton viveu um 2019 intenso. O primeiro longa-metragem da carreira, “Pacarrete”, fez uma vitoriosa carreira pelo circuito de festivais brasileiros e internacionais com destaque para a conquista no Festival de Gramado, onde dominou a premiação ao levar...

Marcélia Cartaxo: ‘’Pacarrete’ está presente em cada um de nós’

Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de...

Diego Medeiros e o Direito no campo do audiovisual brasileiro

Em 1997, “Baile Perfumado”, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, deu início a uma nova etapa do cinema pernambucano. Dali por diante, o Estado tornou-se um dos mais prolíficos do país com muitas das melhores obras da produção autoral brasileira. O sucesso comercial e em...

Sandino Saravia: incertezas no cinema do Brasil refletem nas coproduções na Am. Latina

“Boi Neon”, “Divino Amor”, “Pássaros de Verão”, “O Banheiro do Papa” e “Roma”. Estes são alguns dos filmes produzidos por Sandino Saravia. Sócio-produtor na CINEVINAY (México) e Malbicho Cine (Uruguai), ele foi um dos convidados do Mercado Audiovisual do Norte –...

Jorane Castro: da defesa do cinema nacional às identidades amazônicas nas telas

O Mercado Audiovisual do Norte – Matapi teve Jorane Castro como uma das principais convidadas da edição 2019. Professora do curso em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará, ela conta com mais de 20 obras realizadas, entre...

Raphael Montes: ‘o caso Richthofen reflete a estrutura social do Brasil’

com apoio de João Bosco Soares Sete livros publicados, uma novela, uma série da TV Globo, outra da Netflix e incursões cada vez mais intensas no cinema, seja com o elogiado roteiro de “Praça Paris”, dirigido por Lucia Murat, ou o aguardado projeto, com dois filmes em...

Thiago Morais e as oficinas de audiovisual do Museu Amazônico

Thiago Morais ("A Estranha Velha que Enforcava Cachorros"), 43 anos, produtor audiovisual e desde 1995 dedicando sua vida por trás das câmeras. Com o currículo cheio e envolvimento em diversas produções aqui no Amazonas, o produtor desenvolveu a segunda etapa do ‘OPA...

Henry Grazinoli: ‘histórias são as ferramentas de comunicação mais poderosas existentes’

No começo desta semana, o cineasta paulista Henry Grazinoli esteve em Manaus ministrando uma palestra no Impact Hub sobre Storytelling e o impacto social do ato de contar histórias no cinema. Grazinoli é o diretor do ótimo documentário Um Novo Capitalismo, disponível...

Tizuka Yamazaki: Ancine, Gaijin, e, é claro, Xuxa

A cineasta gaúcha Tizuka Yamazaki já retratou no cinema protagonistas que saíam do interior para a “cidade grande” para realizar sonhos e também já levou para as telas a vida de uma pajé na Ilha de Marajó. Essas histórias resultaram em “Lua de Cristal” e “Encantados”,...