“The Father”, novo filme dos diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foi o vencedor do Globo de Cristal, prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. A produção búlgara acompanha a história de Vasil, um homem de idade avançada que acaba de perder sua esposa, Ivanka. Quando uma mulher chega ao funeral afirmando que a falecida está ligando para seu celular, Vasil decide alistar uma medium para contatar Ivanka.

Kristina e Petar conversaram com o Cine Set sobre a inspiração para o longa e como é ser artista na Bulgária atualmente. 

Cine Set – Em entrevistas anteriores, vocês mencionaram que os primeiros dois filmes da carreira, “A Lição” (2014) e “Glory” (2016), foram planejados como parte de um trilogia baseada em histórias encontradas em jornais. Porém, na divulgação de “Glory”, vocês deixaram em aberto a possibilidade do seu próximo longa ser fora desta proposta. Afinal, “The Father” se encaixa em qual das duas alternativas? 

Kristina Grozeva – “The Father” é um projeto paralelo. Foi uma pequena quebra na trilogia. Agora, continuaremos a trabalhar na terceira parte dela, intitulada “Triumph”.

Petar Valchanov – Esperamos iniciar as gravações no ano que vem, agora que ganhamos do Centro Nacional de Cinema [da Bulgária].

Cine Set – “The Father” possui muitos elementos de comédia em comparação às suas produções anteriores. O que os levou a explorar esta vertente?

Petar Valchanov – Uma razão foi o fato de que a base da história era muito triste – algo que poderia acontecer com qualquer um. Por isso, decidimos contá-la a partir de um ponto de vista engraçado. Também queríamos explorar essa mistura de gêneros e esperamos repetir isso no futuro.

Cine Set – Em pequenas cenas, “The Father” parece fazer comentários sobre aspectos do pós-comunismo no governo e na vida búlgara. Eles são periféricos ao enredo, mas o espectador pode percebê-los. Essas reflexões sobre a herança da era comunista foram intencionais?

Kristina Grozeva – Sim. Construir personagens complexos e incluir muitos aspectos das suas vidas na história era importante para nós. O processo criativo buscou fazer algum tipo de registro da nossa realidade. Foi crucial colocar essas reflexões no filme. No entanto, fomos muito cuidadosos para não priorizar este tópico, afinal, a relação entre pai e filho, no nível pessoal, era mais importante.

Petar Valchanov – O contexto social faz parte dos personagens. Tentamos não colocar isso no centro do filme, mas, sim de forma orgânica dentro da história.

Cine Set – A maioria dos personagens do filme são artistas. Como foi o processo para criar esta visão particular dos artistas de hoje em dia na Bulgária?

Kristina Grozeva – Decidimos que os personagem seriam artistas pelo fato de estarmos inseridos neste meio e essa ser a nossa profissão, o que torna tudo mais honesto…

Petar Valchanov – … e fala sobre pessoas que conhecemos. É parte do nosso background e essa é uma história pessoal. Para nós, era muito importante conhecer essas pessoas.

Cine Set – Algo impressionante em “The Father” é que os artistas em seu roteiro não são nem burgueses nem hippies. Eles parecem ser, por falta de uma palavra melhor, da classe trabalhadora. Como você mencionou que esta é uma história pessoal, a idéia de um artista da classe trabalhadora está presente em sua vida ou na Bulgária em geral?

Petar Valchanov – Na Bulgária, é muito estranho e, para nós artistas, tudo é muito difícil. Talvez seja em todo lugar do mundo, mas…

Kristina Grozeva – …na Búlgaria, é ser artista é um tipo de punição.

Petar Valchanov – Sim, muitos familiares dizem: “Esqueça essa história de ser músico, ator…”

Cine Set – Voltando à história do filme, como ela surgiu?

Kristina Grozeva – “The Father” é baseado em um fato que realmente aconteceu na nossa família. Depois do funeral da mãe de um parente, um vizinho apareceu apavorado e disse: “Sua mãe está me ligando!”. Olhamos o telefone e vimos o nome, a data e o horário da ligação. Ele disse que a ligação ocorrera há dois minutos, sendo que ela tinha sido enterrada três horas antes. Ficamos impressionados e começamos a acreditar que era uma situação sobrenatural. Talvez ela quisesse entrar em contato conosco e dizer algo, mas, depois de alguns minutos, descobrimos uma razão lógica para aquilo ter acontecido. Este foi o gatilho para a trama.

Petar Valchanov – É muito dramático viver estes momentos, mas, com o tempo e a distância, eles acabam se tornando totalmente absurdos e engraçados. Daí, começamos a pensar: “E se formos mais longe com esta história?”

Kristina Grozeva – A relação entre pai e filho foi construída baseada no que vimos ao nosso redor. Acho que é um assunto importante a ser falado. É fundamental tentarmos nos conectar mais e resolver os nossos problemas da melhor forma possível. Acreditamos que essas coisas [disse apontando para um celular] nos conectam, mas, muitas vezes, elas acabam sendo obstáculos na comunicação. É por isso que a falta de comunicação se tornou um dos principais assuntos de “The Father”.

Cine Set – Houve um desejo de usar o aspecto cômico da história como uma maneira de falar sobre o luto e as maneiras como o processamos?

Kristina Grozeva – Fizemos este filme como uma espécie de psicoterapia. Por isso, “The Father” mostra momentos tristes com humor. Esperamos que o público sinta este mesmo efeito porque todos possuem experiências semelhantes. Se algum sortudo ou sortuda nunca passou por isso, infelizmente, ele ou ela passarão. É algo que não podemos evitar e, por isso, tão necessário de se conversar e debater.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

Sandino Saravia: incertezas no cinema do Brasil refletem nas coproduções na Am. Latina

“Boi Neon”, “Divino Amor”, “Pássaros de Verão”, “O Banheiro do Papa” e “Roma”. Estes são alguns dos filmes produzidos por Sandino Saravia. Sócio-produtor na CINEVINAY (México) e Malbicho Cine (Uruguai), ele foi um dos convidados do Mercado Audiovisual do Norte –...

Jorane Castro: da defesa do cinema nacional às identidades amazônicas nas telas

O Mercado Audiovisual do Norte – Matapi teve Jorane Castro como uma das principais convidadas da edição 2019. Professora do curso em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará, ela conta com mais de 20 obras realizadas, entre...

Raphael Montes: ‘o caso Richthofen reflete a estrutura social do Brasil’

com apoio de João Bosco Soares Sete livros publicados, uma novela, uma série da TV Globo, outra da Netflix e incursões cada vez mais intensas no cinema, seja com o elogiado roteiro de “Praça Paris”, dirigido por Lucia Murat, ou o aguardado projeto, com dois filmes em...

Thiago Morais e as oficinas de audiovisual do Museu Amazônico

Thiago Morais ("A Estranha Velha que Enforcava Cachorros"), 43 anos, produtor audiovisual e desde 1995 dedicando sua vida por trás das câmeras. Com o currículo cheio e envolvimento em diversas produções aqui no Amazonas, o produtor desenvolveu a segunda etapa do ‘OPA...

Henry Grazinoli: ‘histórias são as ferramentas de comunicação mais poderosas existentes’

No começo desta semana, o cineasta paulista Henry Grazinoli esteve em Manaus ministrando uma palestra no Impact Hub sobre Storytelling e o impacto social do ato de contar histórias no cinema. Grazinoli é o diretor do ótimo documentário Um Novo Capitalismo, disponível...

Tizuka Yamazaki: Ancine, Gaijin, e, é claro, Xuxa

A cineasta gaúcha Tizuka Yamazaki já retratou no cinema protagonistas que saíam do interior para a “cidade grande” para realizar sonhos e também já levou para as telas a vida de uma pajé na Ilha de Marajó. Essas histórias resultaram em “Lua de Cristal” e “Encantados”,...

Adrian Teijido e as particularidades da fotografia na Amazônia

Diretor de fotografia de sucessos como “Elis”, “O Palhaço” e da série “Narcos”, Adrian Teijido foi convidado para dirigir a cinematografia de “O Adeus do Comandante”, novo projeto do cineasta Sérgio Machado, rodado em Itacoatiara, no interior do Amazonas. Para fechar...

Entrevista: Kristina Grozeva e Petar Valchanov, diretores de ‘The Father’

“The Father”, novo filme dos diretores Kristina Grozeva e Petar Valchanov, foi o vencedor do Globo de Cristal, prêmio máximo do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. A produção búlgara acompanha a história de Vasil, um homem de idade avançada que acaba de...

Entrevista: Felipe Ríos Fuentes, diretor de ‘El Hombre del Futuro’

O diretor chileno, Felipe Ríos Fuentes, lançou seu primeiro longa da carreira, “El Hombre del Futuro”, na mostra competitiva do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary 2019. A produção recebeu uma menção especial do júri por conta do emocionante desempenho da...

‘Bandidos na TV’: diretores falam sobre os desafios de fazer a série

Manaus é palco da primeira série documental em português da Netflix. Intitulada ‘Bandidos na TV’, a produção estreia no próximo dia 31 de maio e vai contar a história do ex-deputado estadual mais bem votado da história do Amazonas e também apresentador de TV, Wallace...