Há sempre aqueles filmes que emitem dor sem precisar expressá-la em palavras e um dos subgêneros que faz isso de forma eficaz é o drama de guerra. Em “Uma Mulher Alta”, Kantemir Balagov desperta essa comoção ao fazer um recorte específico e pouco explorado sobre os efeitos da Segunda Guerra Mundial sob as mulheres.

Inspirado na obra de Svetlana Aleksiévitc, ”A Guerra Não Tem Rosto de Mulher”, a trama discute a dor e os traumas ocasionados pelo front tendo como referência o relacionamento complexo entre duas amigas: Ilya (Viktoria Miroshnichenko) e Masha (Vasilisa Perelygina). Ambas são ex-combatentes e tem que lidar com a reinserção na sociedade russa pós-guerra. Primeiramente, somos apresentados a Ilya, que é justamente a mulher a quem o título se refere. Apelidada de Dylda, por sua estatura, ela trabalha em um hospital de soldados e cria o pequeno Pashka (Timofey Glazkov) em um apartamento compartilhado antigo, frio e lotado.

“Uma Mulher Alta” abre com um close petrificado de seu rosto e logo percebemos que Ilya sofre de ataques recorrentes de paralisia e que todos ao seu redor já se acostumaram com essa condição. Calada e desajeitada, sua rotina sofre duas grandes interrupções que norteiam a trama. Em contraponto a ela, está sua amiga Masha. A diferença entre as duas é sempre muito bem delimitada pela composição das personagens, destacando-se o contraste entre o verde e vermelho que as personificam e o espaço de tela que cabe a elas, parte disso se deve ao 1,82m de altura de Miroshnichenko.

Enquanto mal ouvimos a voz de Ilya, Masha é o oposto: falante, curiosa, inquieta e vívida. No entanto, todos esses fatores parecem camuflar as dores que o front lhe causou. Há uma perturbação psicológica em torno da personagem que transparece em seu olhar e fica mais evidente à medida em que acompanhamos sua obsessão em gerar uma criança.

Uma relação bélica

Neste aspecto, a relação entre as duas mulheres se adensa, pois Masha usa suas angústias veladas para chantagear amiga. Tal ação, no entanto, não traz um tom maniqueísta a produção nem tampouco a torna um melodrama. Ao contrário, seu efeito é gerar humanidade nas personagens, afinal estas tomam decisões calcadas em suas perdas e anseios modificados por uma realidade incerta.

Balagov conduz essa relação de forma magistral. Não há heroínas, mocinhas e vilões, há simplesmente pessoas ocupadas em tentar seguir a sua vida. E nessa reconstrução, enquanto algumas querem reencontrar seu papel social, outras estão em busca de alimentar os desejos do coração e restabelecer sua vida romântica após o conflito bélico. Dessa forma, o próprio convívio entre as duas sobreviventes é uma guerra com cores, cheiros, elipses e sentimentos conflituosos.

Não é a toa que Ilya, aquela que busca entender o seu papel na conjectura russa, é representada pelo verde até o momento em que a intensidade dos desejos colorados de Masha a dominam. O design de produção reflete essa combinação na cenografia e no figurino e nos mostra, também, quem é a grande vencedora desse duelo em que a dor deixa vestígios de desumanidade onde passa.

Nessa batalha, o lugar mais privilegiado, no entanto, é o do espectador, que imerge em uma experiência densa e em certos momentos, desagradável. Longe de mostrar quem está certo ou errado, a prioridade de Balagov e sua equipe é dar visibilidade às mulheres que também estiveram no campo de batalha, mas que sempre são minorias em filmes de guerra. E eles fazem isso de forma sensível emocionalmente e esteticamente lindo, destacando que “Uma Mulher Alta” é sobre trauma e também sobre amizade e sobrevivência.

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...