Bem… Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma exploração maior do mistério da temporada, alguns desenvolvimentos e certa preparação de terreno para o que virá. Pena que quase nada é lá muito interessante, ao menos por enquanto.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1, 2 e 3

Primeiro, a trama principal… O mistério em torno do assassinato do passageiro Sean Wise, e a investigação do nosso herói Layton, continuam. Descobre-se neste episódio que Wise estava envolvido no tráfico de uma droga a bordo do trem, por isso o detetive “fundista” sai investigando, falando com intermediários até chegar ao grande traficante – interpretado pelo sempre competente Shaun Toub. Pena que o percurso dele é meio padrão, típico de um seriado investigativo – justamente o que eu temia que fosse acontecer e deixei claro na resenha dos episódios anteriores. A investigação neste episódio segue mais ou menos o mesmo percurso que seguiria em qualquer outra série, fosse ela ambientada no cenário pós-apocalíptico de um trem em movimento, ou não. E a conclusão, por ora, envolvendo Layton e a personagem Josie (Katie McGuiness) ainda não tem o peso necessário, porque o espectador ainda não recebeu razões suficientes para se importar com eles.

FRIEZA EXCESSIVA

Quanto aos outros desenvolvimentos… O episódio fornece algumas novas pistas sobre o funcionamento da hierarquia dentro do trem, e a “noite de luta” é um elemento apropriado – embora meio óbvio – para manter as pessoas a bordo, a grande massa principalmente, alienada e sob controle. Do ponto de vista de trama, o desenvolvimento mais interessante aqui é a noção, defendida por alguns passageiros da primeira classe, de desengatar os vagões do fundo após o desastre com o vagão contendo o gado vista no episódio anterior. Por enquanto, a administradora Melanie recusa a ideia… Mas, com certeza, ela não vai ser esquecida tão rápido.

E embora não seja legal ficar mencionando o filme de 2013 a cada resenha desta temporada, é um pouco difícil não comparar a série com ele… Do ponto de vista visual, incomoda um pouco ver os cenários do trem tão iluminados e até mesmo um pouco amplos – simplesmente não se provoca o mesmo efeito claustrofóbico e de urgência que o longa tinha, e nesse episódio em especial, essas sensações fazem falta. O ambiente da série é bem menos desconfortável e estranho que o do filme, e isso parece roubar a narrativa de algumas características primordiais.

De resto, este terceiro episódio, embora não chegue a ser ruim, é frio e um pouco chato, justamente quando deveria estar esquentando mais a narrativa. Ainda assim, ele aponta algumas ideias interessantes a serem desenvolvidas pelos próximos episódios. Mas o entusiasmo despertado pelo início da série já dá uma esfriada considerável depois deste…

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...