Bem… Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma exploração maior do mistério da temporada, alguns desenvolvimentos e certa preparação de terreno para o que virá. Pena que quase nada é lá muito interessante, ao menos por enquanto.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1, 2 e 3

Primeiro, a trama principal… O mistério em torno do assassinato do passageiro Sean Wise, e a investigação do nosso herói Layton, continuam. Descobre-se neste episódio que Wise estava envolvido no tráfico de uma droga a bordo do trem, por isso o detetive “fundista” sai investigando, falando com intermediários até chegar ao grande traficante – interpretado pelo sempre competente Shaun Toub. Pena que o percurso dele é meio padrão, típico de um seriado investigativo – justamente o que eu temia que fosse acontecer e deixei claro na resenha dos episódios anteriores. A investigação neste episódio segue mais ou menos o mesmo percurso que seguiria em qualquer outra série, fosse ela ambientada no cenário pós-apocalíptico de um trem em movimento, ou não. E a conclusão, por ora, envolvendo Layton e a personagem Josie (Katie McGuiness) ainda não tem o peso necessário, porque o espectador ainda não recebeu razões suficientes para se importar com eles.

FRIEZA EXCESSIVA

Quanto aos outros desenvolvimentos… O episódio fornece algumas novas pistas sobre o funcionamento da hierarquia dentro do trem, e a “noite de luta” é um elemento apropriado – embora meio óbvio – para manter as pessoas a bordo, a grande massa principalmente, alienada e sob controle. Do ponto de vista de trama, o desenvolvimento mais interessante aqui é a noção, defendida por alguns passageiros da primeira classe, de desengatar os vagões do fundo após o desastre com o vagão contendo o gado vista no episódio anterior. Por enquanto, a administradora Melanie recusa a ideia… Mas, com certeza, ela não vai ser esquecida tão rápido.

E embora não seja legal ficar mencionando o filme de 2013 a cada resenha desta temporada, é um pouco difícil não comparar a série com ele… Do ponto de vista visual, incomoda um pouco ver os cenários do trem tão iluminados e até mesmo um pouco amplos – simplesmente não se provoca o mesmo efeito claustrofóbico e de urgência que o longa tinha, e nesse episódio em especial, essas sensações fazem falta. O ambiente da série é bem menos desconfortável e estranho que o do filme, e isso parece roubar a narrativa de algumas características primordiais.

De resto, este terceiro episódio, embora não chegue a ser ruim, é frio e um pouco chato, justamente quando deveria estar esquentando mais a narrativa. Ainda assim, ele aponta algumas ideias interessantes a serem desenvolvidas pelos próximos episódios. Mas o entusiasmo despertado pelo início da série já dá uma esfriada considerável depois deste…

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...